O governador Wellington Dias assinou, nesta sexta-feira (12), o decreto nº 19.028, que amplia o Programa Emergencial Busca Ativa Covid-19. A partir de agora, a rede privada de saúde passa a integrar a estratégia, expandindo a capilaridade das ações e a capacidade de diagnóstico da Covid-19 na capital e interior do estado, envolvendo hospitais, clínicas e laboratórios particulares. O plano é usar a base de dados de pacientes acompanhados por esses estabelecimentos e monitorar as condições clínicas de cada um.

“A lógica é primeiro proteger as pessoas do grupo de risco. Segundo, por meio de um amplo exame, identificar as pessoas com a Covid-19 e tratar mais cedo, evitando que a doença se agrave, ao mesmo tempo isolando aquelas com quem mantiveram contato” explicou Wellington.

Concebido pelo Consórcio Nordeste, o programa Busca Ativa trabalha com equipes formadas por médico, enfermeiro e técnico em enfermagem. O grande diferencial é que ele inverte a lógica, indo atrás do cidadão antes dele adoecer. As equipes visitam as casas, entrevistam e testam os moradores . Em caso negativo, as informações são inseridas no aplicativo Monitora Covid-19, e as pessoas testadas são acompanhadas a cada 15 dias. Em caso positivo, as informações são inseridas no Monitora Covid-19 e no e-Sus, e o paciente é direcionado para atendimento adequado na rede de saúde, e os demais moradores orientados ao isolamento.

A rede privada passa a integrar o programa e alimentar o sistema geral de pacientes na base do SUS, possibilitando um desenho mais real do mapa da doença no Piauí. A meta inicial para os estabelecimentos particulares é aplicar 60 mil testes para Covid-19.

“Teremos diagnósticos mais precoces, conhecendo os números de forma real para tratar as pessoas na fase inicial da doença, impedindo a superlotação da rede de saúde. Trataremos com toda a equipe da Estratégia Saúde da Família (ESF) integrada, para direcionar e otimizar o uso de testes”, pontuou Jefferson Campêlo, presidente do Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde, Laboratórios de Pesquisa e Análises Clínicas do Estado do Piauí (Sindhosp).

Segundo a coordenação do programa, 141 municípios piauienses já aderiram ao Busca Ativa. As 83 cidades restantes, já foram convidados a participar.

Durante live conduzida pelo governador Wellington Dias e transmitida pelas redes sociais, nesta sexta, a secretária de Saúde de Esperantina, Elizângela Amorim, compartilhou a experiência da ação realizada hoje na rodoviária da cidade, onde foram testadas 103 pessoas, com 19 apresentando resultado positivo.

“De uma família só, identificamos três pessoas positivas, a partir de um parente que teve diagnóstico confirmado. Eram pessoas assintomáticas. Já avisamos ao posto da Estratégia Saúde da Família da área onde moram e caso alguém precise de mais cuidados ir ao hospital”, disse a gestora.

Capacitação

Os profissionais convidados a atuar no Busca Ativa passarão por capacitação. Numa parceria entre a Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) e o Hospital Universitário (HU) da Universidade Federal do Piauí (UFPI), estão sendo produzidos cursos em formato audiovisual, a serem distribuídos por todo o Piauí.

“Desenvolvemos fluxos da Busca Ativa e gravamos, com auxílio do Canal Educação, cursos autoinstrucionais para médicos, enfermeiros, agentes de saúde, enfim, que todos sejam capacitados a proceder a identificação de casos suspeitos”, destacou Vítor Campelo, chefe da Unidade de Telesaúde do HU-UFPI.

Monitora Covid-19

O Busca Ativa se soma às outras ações de combate ao novo coronavírus, como as barreiras sanitárias e o aplicativo Monitora Covid-19, que permite atendimento e orientações aos pacientes com um grupo de 62 médicos.

“O Monitora Covid-19 permite a qualquer cidadão, baixando no smartphone o aplicativo, por meio dele responder perguntas para autoavaliação do estado de saúde. Havendo necessidade é direcionado a um dos 62 médicos habilitados, que orientam para acompanhamento no sistema de saúde”, explicou Florentino Neto, secretário de Estado da Saúde.

 

Sesapi

A empresa chinesa de tecnologia Sinovac Biotech anunciou que a vacina para covid-19 se mostrou eficiente e segura em testes de laboratório: mais de 90% dos voluntários que participaram das duas primeiras fases do imunizante desenvolveram anticorpos e nenhum deles apresentou efeitos colaterais graves. Participaram do experimento um total de 743 voluntários saudáveis com idades entre 18 e 59 anos.


A terceira e última fase de testes, considerada fundamental para comprovar a eficácia da vacina, será realizada no Estado de São Paulo em uma parceria da empresa chinesa com o Instituto Butantan.

Cerca de 9 mil voluntários participarão dos testes que se iniciam em três semanas. A vacina será cedida ao SUS (Sistema Único de Saúde) para distribuição gratuita, segundo divulgado pelo governo de São Paulo.

Nesta fase, os participantes serão divididos em dois grupos: metade tomará a vacina e metade receberá um placebo ou outro imunizante que não protege contra o novo coronavírus. Segundo o infectologista Alexandre Barbosa, chefe do departamento de Infectologia da Unesp, essa metodologia é chamada de ensaio clínico randomizado duplo cego.

“Nem os voluntários nem os pesquisadores sabem quem está recebendo a vacina para a covid-19, um imunizante não específico ou o placebo. Cada paciente recebe um número de identificação. No final da pesquisa, esses dados são abertos e só a partir daí é possível saber se quem tomou a vacina contra o novo coronavírus se protegeu mais do que quem tomou um imunizante não específico ou placebo”, afirma.

A vacina utiliza pedaços inativos do novo coronavírus. Segundo o especialista, por um lado, isso torna o imunizante mais seguro. “Atualmente quase não se produzem mais vacinas com o vírus ativado, pois pode-se obter o efeito contrário – infectar a pessoa da doença que se deseja prevenir –, sobretudo se o indivíduo tiver alguma doença imunossupressora, como Aids.”

Por outro lado, diz o médico, vacinas que se utilizam de pedaços de vírus ou um vírus morto não são tão eficientes. Nesses casos, é preciso adicionar ao imunizante os chamados adjuvantes, substâncias que melhorariam sua efetividade.

O adjuvante usado pelo laboratório chinês é uma formulação de alumínio, que “pareceu promover altas quantidades de anticorpos neutralizantes”, segundo artigo publicado na revista científica Nature no dia 4 de junho. O texto sugere ainda que o alumínio começou a ser estudado entre 1930 e 1940 e tem um histórico comprovado e incomparável de segurança e eficácia. Ainda não se sabe ao certo por que o elemento químico induziria esses altos níveis de anticorpos.

 

R7

Com a pandemia do coronavírus, a imunidade e a função das vitaminas para o organismo nunca ficaram tão em pauta. Mas muita informação a respeito vem sendo tirada de contexto e necessita ser mais bem explicada. Do contrário, em vez de ajudar, só confundirá mais as pessoas.

Examino a seguir quatro afirmações corriqueiras sobre vitaminas distribuídas pelas redes sociais. Saiba o que é verdade e o que não passa de mito.

Falta de vitamina D piora a saúde de quem está com gripe ou resfriado
Verdade. Assim como várias outras vitaminas, a D tem um papel na manutenção e no fortalecimento da nossa imunidade. Certas células do sistema imunológico, os linfócitos, têm receptores para a substância. Quando os níveis estão adequados, eles tendem a atuar melhor no combate a infecções. Por isso, o organismo responde mais rápido no processo de recuperação.

Existem estudos preliminares sugerindo que estar com a vitamina D em dia também reduz o risco de problemas mais sérios pelo coronavírus — mas a hipótese ainda precisa ser comprovada.


Além de importante para a imunidade, a vitamina D auxilia o corpo a absorver cálcio e fósforo, dois nutrientes essenciais para o bem-estar dos ossos. A vitamina D é obtida via exposição ao sol e suplementação, se necessário, e alguns alimentos (como pescados e laticínios) fornecem um pouco também.


Quem consome vitamina C não fica doente
Mito! Sabemos que ela ajuda a reduzir a duração e a severidade do resfriado comum e acelera a resposta imune diante de infecções, mas isso não quer dizer que ingerir a quantidade diária recomendada vai acabar com gripes, resfriados e afins.

A vitamina C tem ação antioxidante e é uma aliada na redução do risco de infecções respiratórias. Ou seja, consumir suas fontes no dia a dia é bem-vindo à saúde de uma forma geral. Hoje o nutriente também ganha destaque em cremes e outros tratamentos para a pele. Diversas frutas e hortaliças oferecem essa vitamina.

Quanto mais consumir vitaminas, melhor
Outro mito. O corpo tem um limite para absorver e tolerar inclusive vitaminas. Elas são fundamentais para ter qualidade de vida, mas nos níveis preconizados pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O excesso pode até fazer mal.


Vitaminas lipossolúveis como A, D, E e K, se forem ingeridas em excesso, ficam estocadas no tecido gorduroso, podendo levar a quadros de intoxicação e até a prejudicar a absorção de outras vitaminas. Pois é, o acúmulo de umas leva à deficiência de outras.

Um consumo exagerado de vitaminas raramente acontece exclusivamente pela alimentação natural. Costuma ocorrer mais com o uso de suplementos. Daí a importância de ter acompanhamento com um médico ou nutricionista.

Algumas substâncias prejudicam a absorção das vitaminas
Pura verdade. Isso vale para a cafeína e o álcool, por exemplo. Refrigerantes de cola, café, chá-preto, entre outros, podem atrapalhar a absorção de vitaminas como a B e a D.

Já as bebidas alcoólicas sabotam o aproveitamento do cálcio e reduzem a resposta do organismo à vitamina D. O tabaco também entra aqui. Ele prejudica a absorção de vitamina E.
Até o consumo exagerado de fibras pode comprometer a assimilação das vitaminas A, E e D.

A orientação de um profissional de saúde, bem como o equilíbrio à mesa, ajuda a evitar essas pegadinhas.

  • Dra. Maria Fernanda Elias é mestre e doutora em nutrição humana pela Universidade de São Paulo (USP) e gerente de comunicação da DSM Nutrição Humana para a América Latina

Veja

A empresa chinesa de biotecnologia Sinovac anunciou, no sábado (13), que a vacina em testes no laboratório para a Covid-19 induziu a produção de anticorpos em mais de 90% dos pacientes que receberam a dose.

A substância é a mesma que deve ser aplicada em voluntários brasileiros no Instituto Butantan, em São Paulo, que fechou uma parceria com a empresa na semana passada.

Ainda não foi publicado um estudo científico com os resultados dos testes. De acordo com nota divulgada pela Sinovac, 600 pessoas participaram desta etapa (fase 2) dos ensaios, mas nem todas foram vacinadas – houve o chamado grupo placebo, que serve de controle e não recebe nenhuma substância.
A empresa não informou quantas de fato receberam a vacina, chamada de "CoronaVac", ou quantas produziram os anticorpos. Não houve efeitos colaterais severos, segundo o comunicado.

A microbiologista Natália Pasternak, do Instituto Questão de Ciência, explica que ensaios clínicos em fase 2, como este, normalmente são feitos com centenas de pessoas, e tentam descobrir como as pessoas reagem às substâncias.

"Você vai ver qual é a resposta imune das pessoas a essa vacina. Ainda não é a eficácia, mas você começa a descobrir como as pessoas reagem à vacina: medir anticorpos, resposta celular, ver parâmetros de sangue de como as pessoas estão reagindo", diz Pasternak.
Os anticorpos neutralizantes da Covid-19 apareceram depois de 14 dias, segundo a empresa. Pasternak avalia que é "bastante provável" que a vacina dê alguma imunidade contra a doença.

"Anticorpos neutralizantes são protetores; mas não sabemos quanto tempo essa imunidade dura – isso só saberemos com o tempo, mesmo. Por isso testa contra um placebo, para ver se a vacina realmente está protegendo. Mas é justamente isso o que a fase 3 vai dizer. Parece ser uma boa vacina", explica Pasternak.
A Sinovac informou que pretende continuar a fase 3 dos ensaios fora da China, inclusive no Butantan.
Além dos testes de fase 2, a empresa também conduziu experimentos em fase 1 – quando é testada a segurança da vacina – com 143 voluntários. Ambas as etapas foram feitas de forma randomizada (quando as pessoas são colocadas nos grupos de teste de forma aleatória) e com duplo-cego (quando nem os cientistas, nem os participantes sabem quem está recebendo a vacina e quem não está).


Pasternak avalia que o único "problema" da potencial vacina chinesa é que, por ser "antiquada" em termos de tecnologia, trabalha com o vírus "inteiro" – isso significa cultivar o vírus e, depois, inativá-lo.

"Ou seja, cultivar um vírus respiratório em grandes quantidades. Isso precisa de laboratório especializado, e o custo é alto", afirma. "Mas, fora isso, são vacinas seguras e que o Butantan sabe fazer".


Se o novo coronavírus (Sars-CoV-2) sofrer uma mutação, por exemplo, essa vacina não teria eficácia contra ele, segundo a microbiologista.
"Esse vírus não tem uma taxa de mutação alta, então isso é pouco provável, mas, se acontecer, essa vacina não vai mais servir, e não vai servir para outros vírus", diz.

"A vantagem das vacinas mais modernas é que podem ser construídas de forma versátil, e adaptadas para novos vírus", pondera Pasternak.

 

G1