Uma semana de uso de prednisolona, um anti-inflamatório comum usado para tratar asma, artrite, alergias, eczema e síndrome do intestino irritável, é suficiente para aumentar o risco de diabetes tipo 2, segundo informações do Daily Mail. É o que mostra um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Sapienza de Roma, na Itália, apresentado durante a Conferência Anual da Sociedade de Endocrinologia, realizado recentemente em Brighton, na Inglaterra.

Não é novidade que o uso de esteroides por longos períodos prejudica a regulação do açúcar no sangue. Por sua vez, o controle inadequado do açúcar no sangue leva à resistência à insulina, considerada um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de diabetes tipo 2.

PUBLICIDADE
A questão é que o novo estudo mostrou que o uso de um dos tipos de esteroides mais comuns, a prednisolona, aumenta esse risco após um curto período de uso. “Este é o primeiro estudo a examinar os efeitos metabólicos a curto prazo de doses comumente prescritas de glicocorticoides em homens saudáveis. [Isso] indica que, mesmo com doses mais baixas, o metabolismo da glicose é prejudicado, sugerindo um risco aumentado de diabetes com o tratamento continuado.”, disse Riccardo Pofi, líder do estudo.

Os glicocorticoides, grupo ao qual pertence a prednisolona, são um tipo de esteroide que imitam o hormônio cortisol, produzido pela glândula adrenal. O cortisol, chamado de hormônio do stress, é conhecido por seu efeito anti-inflamatório. Porém, alguns efeitos colaterais de seu uso prolongado incluem ganho de peso e osteoporose.

O estudo

Para chegar a esses resultados, os pesquisadores recrutaram 16 voluntários homens, saudáveis. No experimento, seis participantes receberam 10 mg de prednisolona e 10 voluntários receberam 15 mg do medicamento, ao longo de sete dias. Ambas as doses são consideradas baixas. O peso e os marcadores metabólicos dos participantes foram avaliados antes e depois da intervenção.

Os resultados mostraram que os níveis de açúcar no sangue em jejum, o peso, o colesterol e a saúde geral não foram afetados pelo medicamento. No entanto, no grupo que recebeu 15 mg de prednisolona teve dificuldade em controlar os níveis de açúcar no sangue, o que significa que eles foram menos capazes de usar com eficiência a insulina. Conhecido como baixa sensibilidade à insulina, o problema pode causar diversos danos à saúde, incluindo diabetes.

O próximo passo dos pesquisadores é avaliar se o uso de glicocorticoides em conjunto com medicamentos para diabetes é suficiente para contrabalancear os efeitos colaterais indesejados. Diante dos resultados, a equipe recomenda que os pacientes sejam alertados sobre o risco de diabetes antes de iniciar um tratamento com glicocorticoides, como a prednisolona.

Em entrevista ao site Daily Mail, Katarina Kos, professora de diabetes e obesidade da Universidade de Exeter, disse que os riscos desses medicamentos já são bem conhecidos. “Os esteroides são prescritos apenas por períodos limitados, a fim de equilibrar seus benefícios com possíveis danos. Eles não devem ser prescritos sem indicação, a menos que seja absolutamente necessário e não devem ser tomados sem receita devido a seus efeitos colaterais”, ressaltou Katarina.

 

vejasaude

Uma pesquisa da Unicamp testou a utilização do vírus da zika para tratamento do câncer de próstata. Segundo os cientistas, o vírus aplicado foi o inativo e as células tumorais tiveram uma inibição de crescimento de até 50%. Agora, o próximo passo é continuar os estudos em camundongos e humanos.

A pesquisa, publicada em uma revista internacional, foi a primeira a utilizar o vírus da zika, que, segundo apontam cientistas, tem relação direta com a microcefalia, no aparelho reprodutor.

O mesmo laboratório da Unicamp já tinha feito a experiência no tratamento de tumores no cérebro e também registrou diminuição da doença.

"Todas as coisas envolvendo sistema biológico e natureza têm seu ladro destrutivo, mas também têm o lado benéfico. O que a gente encontrou? Justamente uma aplicação do lado benéfico disso para o câncer de próstata", disse o pesquisador Rodrigo Catarino.
Segundo outra pesquisadora da Unicamp responsável pelo estudo, como o vírus usado foi o inativo, ele funcionou da mesma maneira que uma vacina.

"Ao expor as células de câncer de próstata ao zika inativado, nós chegamos a uma redução dessas células tumorais", explicou Jeany Delafiori.

O câncer de próstata é o segundo que mais mata homens no Brasil, com média de 14 mil óbitos por ano. Segundo especialistas, a melhor forma de prevenção é fazer exames de ultrassom e toque a partir dos 45 anos, além de ter hábitos de alimentação saudáveis e praticar atividades físicas.

 

Por EPTV 1

O governo federal lançou hoje (12), em cerimônia no Palácio do Planalto, o programa Previne Brasil que altera procedimentos de repasse de recursos do Sistema Único de Saúde (SUS) para os municípios. A iniciativa visa incluir mais pessoas nos programas de atenção primária. A expectativa do governo é incluir 50 milhões de pessoas em diferentes programas dos SUS. A previsão é de que os repasses para os municípios tenham um aporte de R$ 2 bilhões, passando de R$ 18,3 bilhões para mais de R$ 20 bilhões.

Segundo o governo, o novo modelo vai aportar mais recursos para os municípios que melhorarem a saúde dos brasileiros, especialmente nos serviços de saúde da atenção primária, que cuida dos problemas mais frequentes, como diabetes e hipertensão, através de consultas médicas, exames e vacinação.

Antes, a distribuição de recursos era feita com base na quantidade de pessoas residentes e de serviços existentes em cada município, sem considerar o atendimento efetivamente prestado pelas 43 mil Equipes de Saúde da Família (ESF) que atuam no país. Atualmente esses profissionais atendem cerca de 90 milhões de pessoas. A avaliação do governo é de que as equipes podem atender até 140 milhões de pacientes.

"Em 30 anos de SUS e até hoje, o repasse de recursos aconteceu pela ótica do per capita, de quantas pessoas moram na cidade, de quantas equipes de saúde da família têm. Essa maneira era muito justificada pela chamada universalidade, de dar um pouco de recursos para cada município. E nós não podemos perder isso de visto. Mas ela criou um mundo dos esquecidos”, disse o ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta.

De acordo com o ministro, essas medidas vão atingir especialmente as pessoas que recebem benefícios sociais, com baixa renda e idosos que, muitas vezes, acabam não sendo contempladas no atendimento de saúde. “Onde estão as pessoas? Cruzamos os diferentes cadastros e encontramos no cadastro do Bolsa Família, do BPC [Benefício de Prestação Continuada], do INSS [Instituo Nacional do Seguro Social], das pessoas que recebem os menores benefícios e são quase 40 milhões de pessoas esquecidas, as mais frágeis e que mais têm a necessidade da atenção básica”, afirmou.

susDe acordo com o Ministério da Saúde, os recursos serão distribuídos com base em três critérios: o número de pessoas acompanhadas nos serviços de saúde, em especial as pessoas que recebem  benefícios sociais, crianças e idosos; foco no tratamento de doenças crônicas como diabetes e redução de mortes de crianças e mães; e ainda a adesão a programas estratégicos, como Saúde Bucal e Saúde na Hora, que amplia o horário de atendimento à população dos serviços, abrindo durante o almoço, à noite ou aos fins de semana.

Outro ponto que também será alterado é a forma de cadastramento dos usuários do SUS, feito pelos profissionais de saúde e gestores no Sistema de Informação da Atenção Básica (Sisab). A partir do lançamento do programa, esse cadastramento poderá ser feito também pelo CPF e não apenas pelo Cartão Nacional de Saúde (Cartão SUS). De acordo com o ministério, a alteração vai facilitar que os profissionais de saúde, a exemplo das Equipes de  Saúde da Família (ESF) e Agentes Comunitários de Saúde, realizem a busca ativa dos pacientes em casos de retornos sobre exames, consultas, situação vacinal, dentre outros.

"O vínculo do cidadão à equipe permite o planejamento da oferta de serviços nos municípios e o acompanhamento adequado de cada paciente evitando, inclusive, que as pessoas recorram às urgências e emergências dos hospitais para tratar doenças que poderiam ter sido prevenidas na Atenção Primária e, desta forma, não teriam evoluído para estágios mais graves que são mais aflitivos para os pacientes e elevam os custos no SUS", disse o ministério.

Indicadores

Outro ponto que sofreu alteração é a quantidade de indicadores avaliados. Atualmente, 720 indicadores de saúde tem previsão de monitoramento, no entanto, de acordo com o governo, o sistema de registro dessas informações não é alimentado na maior parte dos municípios, o que impossibilita o acompanhamento real das condições de saúde das pessoas.

Pela proposta do Previne Brasil, agora serão monitorados 21 indicadores da saúde da população. Eles precisarão ser informados regularmente para que os municípios possam receber recursos federais. A proposta prevê que, em 2020 serão monitorados 7 indicadores, mais 7 em 2021 e mais 7 em 2022. Entre eles estão a realização de consultas pré-natais e vacinação em crianças. O monitoramento de indicadores será feito a cada quatro meses, a partir de setembro de 2020.

 

Agência Brasil

Foto: Marcello Casal Jr./AB

 

Comportamentos considerados "normais" em pessoas mais velhas, como mau humor e negativismo, exigem tratamento médico, segundo o psiquiatra Henrique Bottura, da Clínica de Psiquiatria Paulista. “Se a pessoa apresenta mudança no comportamento padrão, já é preciso levar ao médico. Às vezes, as mudanças são muito sutis, por isso precisamos estar sempre atentos ao comportamento do idoso”, explica.

Segundo Bottura, muitas vezes a família e amigos atribuem o comportamento a problemas da vida. “O quadro depressivo pode ser a causa do problema, não o contrário. Outro comportamento muito comum em idosos que é tratado como normal é o esquecimento, que, na verdade, pode ser uma perda cognitiva”, afirma.


O psiquiatra explica, que devido ao aumento da expectativa de vida e menor participação da família na supervisão do idoso, a carência dessa população aumenta e, consequentemente, os quadros de ansiedade e depressão. Ele explica, ainda, que o diagnóstico é feito por exclusão.

“É necessário verificar se é uma doença clínica ou se já é um quadro demencial. Um paciente de 70 anos pode ter delirium [estado agudo de confusão mental] por conta de uma infecção urinária. Ele fica confuso e ansioso. Primeiramente, cuidamos do estado clínico do paciente”, afirma.
O geriatra Fernando Bignardi explica que, quanto maior a idade da pessoa, maior é a contraindicação ao uso de ansiolíticos, remédios utilizados para controle de ansiedade. Por esse motivo, os tratamentos não medicamentosos são de extrema importância. “O melhor medicamento contra ansiedade é a respiração diafragmática”, afirma.


Na respiração diafragmática, ao inspirar, a barriga é expandida para fora. Já ao expirar, se faz o movimento contrário: a barriga é contraída e não se movimenta o tórax. Esse tipo de respiração, praticada por bebês e na ioga, leva a uma maior concentração de oxigênio no corpo, acalma e relaxa.

Bottura aponta a psicoterapia, o suporte-sócio familiar, a alimentação saudável e a inserção de atividades físicas na rotina como outras formas de tratamento. Nos casos mais graves, quando o quadro atrapalha a vida do idoso, é necessário administrar fármacos. O psiquiatra afirma que em idosos não se pode utilizar calmantes, pois esse tipo de medicamento pode diminuir o nível de consciência. Antidepressivos são utilizados como alternativa, segundo ele.


Ainda não se sabe a causa específica para os problemas de saúde mental em idosos. Bottura explica que a solidão e o envelhecimento do sistema nervoso podem ser fatores que favorecem esses quadros. Bignardi afirma que a doença costuma ser decorrente da falta de um propósito de vida. “A maior parte das doenças crônicas acontecem por conta do estilo de vida. A meditação pode ajudar o idoso a encontrar um propósito e melhorar o estilo de vida”, afirma o geriatra.

 

R7