• Hospital Clinicor
  • Vamol
  • Roma

Um estudo recente indica que o consumo excessivo de um nutriente comum em cereais, típicos do café da manhã, pode aumentar o risco de declínio cognitivo e demência.

Segundo os pesquisadores, a vitamina tiamina, também conhecida como vitamina B1, se ingerida em excesso, está associada à diminuição da função cognitiva.

Importância dessa vitamina Essencial para o funcionamento adequado do sistema nervoso, a tiamina ajuda a transformar alimentos em energia. O corpo humano não produz essa vitamina, portanto, ela acaba sendo obtida por meio da dieta.

Além de estar presente naturalmente em alguns alimentos, a tiamina é adicionada a outros, como cereais matinais e fórmulas infantis.

Estudos anteriores em animais apontaram que a falta de tiamina pode causar estresse oxidativo ou morte de células nervosas, perda de memória e formação de placas – todos fatores de risco para a doença de Alzheimer.

Como uma tigela diária de cereal pode aumentar o risco de demência? O novo estudo, realizado pela Universidade Médica de Anhui, na China, foi além, sugerindo que o consumo excessivo de tiamina também pode levar ao declínio cognitivo.

Analisando a dieta e a função cognitiva de cerca de 3.000 adultos, os pesquisadores detectaram uma ligação entre o consumo de tiamina e uma diminuição na pontuação dos testes cognitivos. O estudo identificou que um consumo ideal de tiamina seria em torno de 0.68 mg por dia – uma quantidade muito inferior à disponível em uma porção de certos cereais enriquecidos com a vitamina, que muitos acabam consumindo diariamente no café da manhã.

A necessidade de mais pesquisas Apesar dos resultados preocupantes, os pesquisadores ressaltam que mais estudos são necessários para confirmar seus achados.

Eles alertam para o fato de que o impacto do consumo de tiamina na função cognitiva pode ser ainda maior em pessoas hipertensas ou obesas. Pois essas são condições de saúde que também oferecem risco para o declínio cognitivo.

A recomendação dos pesquisadores é que esses grupos, em particular, evitem a ingestão excessiva de tiamina.

Catraca Livre

As buscas sobre quais remédios não se deve tomar em caso de suspeita de dengue estão em alta nos últimos 7 dias, de acordo com o Google Trends, ferramenta que mostra os termos mais populares buscados na internet.

remddeng

Distrito Federal, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Goiás e São Paulo apareciam no Top 5 de pesquisas sobre o assunto até o início da tarde desta quarta-feira (21).

Segundo a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), o ácido acetilsalicílico, conhecido popularmente como aspirina, é contraindicado em caso de suspeita de dengue, assim como os corticoides. Uso de medicamentos errados pode agravar a doença causando a forma hemorrágica da dengue.

Desde 1º de janeiro, 113 pessoas morreram em todo o país em decorrência de infecção por dengue. De acordo com o painel de monitoramento do Ministério da Saúde, o Brasil contabiliza 653 mil casos prováveis de dengue. O Distrito Federal, Minas Gerais, Acre, Paraná e Goiás são as unidades da federação com maior incidência de casos.

R7

Foto: Reprodução/RECORD TV BRASÍLIA

A Secretaria da Assistência Técnica e Defesa Agropecuária (Sada), por meio da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Piauí (Adapi), realizou investigação e descartou a ocorrência de febre aftosa, em um bovino de uma propriedade localizada na cidade de Nazaré do Piauí. O trabalho ocorreu após a Agência ser notificada por um médico veterinário autônomo, ao realizar o atendimento do animal.

Conforme Cecília Guimarães, coordenadora do Programa Estadual de Vigilância Epidemiológica da Adapi, no relato, o profissional suspeitava de uma enfermidade considerada doença vesicular, que faz parte da lista de doenças de notificação obrigatória ao Serviço Veterinário Oficial (SVO), conforme legislação em vigor. Após receber a notificação, o profissional da Adapi foi até a propriedade e comprovou a suspeita.

“A Adapi realiza a investigação de doenças que são de notificação obrigatória, estabelecidas na Instrução Normativa número 50 do Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA). No dia 14 de fevereiro, foi registrada uma notificação que informava que um bovino tinha salivação intensa e presença de vesículas, sintomas que enquadram a suspeita em doença vesicular ou síndrome vesicular. Um médico veterinário da Adapi se deslocou até a propriedade no dia 15 de fevereiro e constatou que a suspeita era fundamentada. Após avaliação do animal, ele verificou a presença de uma lesão podal na pata e também de uma vesícula, já rompida na língua, ao realizar o exame da boca (oral). Em seguida, ele coletou uma amostra de soro, epitélio oral e podal. As amostras foram encaminhadas, no dia 16 de fevereiro, para o Laboratório Federal de Defesa Agropecuária de Minas Gerais, no município de Pedro Leopoldo, que é o laboratório de referência do MAPA para o diagnóstico de doenças vesiculares. Recebemos, no dia 17 de fevereiro, o resultado, descartando a possibilidade de febre aftosa e confirmando o diagnóstico de estomatite vesicular pelo vírus Alagoas Vesiculovírus”, explica a coordenadora.

De acordo com a Ficha Técnica para investigação de Febre Aftosa, publicada pelo MAPA, no caso de estomatite vesicular, não há nenhuma medida sanitária prevista, então a propriedade não precisa permanecer interditada, desde que seja descartada a suspeita de febre aftosa, como o que aconteceu com esse caso.

“Com o descarte da suspeita de febre aftosa, vamos proceder com uma investigação complementar, para fazer a desinterdição da propriedade e dar algumas orientações para o responsável”, diz Cecília Guimarães, que ainda explicou que essa é uma das doenças que são confundíveis com febre aftosa, por apresentar sintomas como vesículas e salivação intensa.

O secretário da Sada, Fábio Abreu, destacou a eficiência da Agência quanto ao atendimento, e chamou a atenção para a importância da notificação de suspeitas à Adapi.

“Essa foi uma demonstração do compromisso da Secretaria e da Agência com a proteção da pecuária do Estado, e a Adapi continuará realizando vigilância epidemiológica de forma efetiva e eficiente. Esse trabalho também vem comprovar que o Estado está apto e preparado para a retirada da vacina, que é nossa meta. Além disso, é necessário ressaltar a importância de se realizar a notificação das doenças para que a Agência de Defesa Agropecuária possa fazer a investigação necessária, só isso vai assegurar um pronto atendimento e uma resposta eficaz, no caso do aparecimento de doenças que são importantes para a proteção da nossa pecuária, e de doenças que podem gerar impactos tanto econômicos, quanto na saúde. Felizmente não foi o caso dessa investigação, mas é válido ressaltar a importância dos criadores, médicos veterinários autônomos, os profissionais de saúde animal, que tem contato com os produtores para que realizem essas notificações de doenças, a fim de colaborar para que a Adapi possa fazer a investigação da ocorrência, e garantir a saúde do nosso rebanho”, finaliza.

Adapi

A creatina é um composto natural produzido pelo corpo. Cerca de 1 grama é produzida por dia no fígado, rins e pâncreas. A outra metade obtemos a partir dos alimentos, como carne vermelha e peixe. Quando você suplementa com creatina, geralmente em forma de monohidrato de creatina, pode experimentar alguns benefícios extras.

Essa suplementação pode ser particularmente interessante quando passamos dos 35 anos, pois com o envelhecimento, ocorre uma diminuição natural na massa muscular e na força muscular, um processo conhecido como sarcopenia. A creatina pode ajudar a retardar esse processo, estimulando a síntese de proteínas musculares e promovendo o crescimento muscular.

Aumento de energia e força Com o envelhecimento, há uma diminuição na função mitocondrial, o que pode afetar a capacidade do corpo de produzir energia de forma eficiente. A creatina pode ajudar a fornecer uma fonte rápida de energia para as células musculares, contribuindo para a saúde e o desempenho muscular em adultos mais velhos.

Mantém a massa muscular A creatina desempenha um papel importante na manutenção da massa muscular Alguns estudos mostram que pessoas que tomam suplementos de creatina podem ganhar de um a quatro quilos extras de massa muscular durante quatro a 12 semanas de exercícios regulares do que as pessoas que não tomam creatina

A perda de massa muscular começa a ser mais rápida após os 35 anos e pode reduzir a expectativa de vida e aumentar o risco de demência e doenças cardiovasculares. Por isso, é muito importante manter os músculos.

Regeneração mais rápida A creatina pode ajudar na recuperação após exercícios intensos devido à sua capacidade de reduzir o dano muscular, aumentar a síntese de proteínas musculares, promover a ressíntese de glicogênio muscular, reduzir a dor muscular pós-exercício e melhorar a hidratação celular. Esses efeitos combinados podem acelerar a recuperação muscular e melhorar o desempenho no próximo treino. Melhora da função cerebral Além de seus efeitos nos músculos, a creatina também demonstrou ter benefícios para a função cerebral e cognitiva. Estudos estão mostrando cada vez mais efeitos no funcionamento do cérebro em pessoas com 60 anos ou mais. A suplementação mostrou melhora do aprendizado, melhora da memória de curto prazo e rapidez na tomada de decisões.

É seguro tomar creatina? Para a maioria das pessoas saudáveis, a creatina é considerada segura quando tomada dentro das doses recomendadas e em conformidade com as instruções do fabricante. No entanto, é importante considerar algumas coisas:

Hidratação adequada: a creatina pode causar retenção de água nos músculos, então é essencial manter-se bem hidratado ao tomar creatina para minimizar o risco de desidratação. Doses recomendadas: seguir as doses recomendadas é fundamental porque superar as doses pode aumentar o risco de efeitos colaterais. Condições médicas pré-existentes: pessoas com condições médicas pré-existentes, como problemas renais ou hepáticos, devem consultar um médico antes de iniciar a suplementação com creatina.

Em alguns casos, pode não ser aconselhável tomar creatina. O que acontece quando você para de tomar creatina? Quando você para de tomar creatina, seus níveis de creatina cairão gradualmente nas semanas seguintes. Seu corpo ainda produzirá creatina naturalmente, mas você poderá ter efeitos colaterais à medida que se ajusta aos níveis mais baixos de creatina. Esses efeitos colaterais podem incluir:

Fadiga Perda de massa muscular Perda de peso Uma diminuição de curto prazo na produção natural de creatina Embora a creatina seja uma substância natural do corpo e geralmente segura, é sempre uma boa ideia conversar com seu médico antes de tomar qualquer suplemento.

Catraca Livre msn

Subcategorias