×

Observação

There is no category chosen or category doesn't contain any items

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) confirmou mais um caso de sarampo importado no Piauí. Dessa vez foi um senhor de 42 anos, que viajou para São Paulo, onde contraiu a doença.

“Estamos monitorando todos os lugares em que ele esteve. O senhor procurou um hospital particular em Teresina e também esteve no interior de Valença, onde nossas equipes estão fazendo um trabalho de imunização dos que entrarem em contato com o portador do vírus”, afirmou a coordenadora de Epidemiologia da Sesapi, Amélia Costa.

O outro caso confirmado da doença foi em um bebê piauiense de um ano de idade, que viajou também para São Paulo, e retornou ao estado com sintomas do sarampo.

Além desses dois casos confirmados, a Sesapi monitora outras dez pessoas suspeitas de terem adquirido a doença.

As cidades que apresentaram casos de suspeitos de sarampo foram: Parnaíba, Picos, Luiz Correia, Teresina, Campo Grande, Floriano e Demerval Lobão.

Para que a doença não se propague a Secretaria de Estado da Saúde faz um apelo à população, para que procure o posto de saúde mais perto de casa e tome a vacina.

“A recomendação é que crianças a partir de 6 meses a 11 meses e 29 dias, tomem a vacina. A indicação é fazer a administração da tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) para esse público. No caso dos bebês, a dose da vacina administrada nestes casos não será considerada válida para fins do calendário nacional de vacinação da criança”, lembra Amélia Costa.

Pessoas com até 29 anos podem tomar a versão tríplice viral (que protege ainda contra caxumba e rubéola) nos postos da rede pública de saúde de todo o país em duas doses, com intervalo mínimo de 30 dias entre elas.

Dos 30 aos 49 anos, ela é aplicada em uma dose, exceto para profissionais de saúde, que devem receber as picadas duas vezes.

Transmissão
O sarampo é uma doença que passa com facilidade de uma pessoa para outra por meio da fala, tosse e espirro.

Prevenção
A vacina é a única forma de prevenção da doença e está disponível na vacinação de rotina nas unidades de saúde.

Sintomas
Os principais sintomas do sarampo são mal-estar geral, febre, tosse e coriza. A doença também provoca conjuntivite e se caracteriza por apresentar manchas vermelhas que aparecem no rosto e se espalham por todo o corpo.

 

Sesapi

alzheimerNem todo esquecimento significa que a pessoa está com Alzheimer. Existem mais de 50 tipos de demência e o Alzheimer é o subtipo mais comum, representando 50% dos casos.

Estudos mostram que a pessoa começa a dar sinais de Alzheimer de 10 a 15 anos antes do diagnóstico da doença.
Apesar de não ter cura, o diagnóstico no início pode ajudar a retardar a progressão da doença. Por isso, é preciso ficar atento aos sinais. A psicóloga especialista em neuropsicologia do envelhecimento Mônica Sanches Yassuda explica que esquecer as chaves do carro não é um sinal de Alzheimer. Entretanto, esquecer a receita do bolo que fez a vida toda é um sinal.

Atente-se aos sinais:
Dificuldade de memorizar coisas novas
Repete várias vezes a mesma pergunta ou história
Sinais de desorientação (se perder na rua, metro, ônibus
Ter problemas para administrar o dinheiro
Errar receitas que sempre fez muito bem
A perda de memória nos idosos faz parte do envelhecimento fisiológico. Nem todo problema de memória tem relação com Alzheimer. É preciso diferenciar os tipos de alteração de memória e buscar ajuda médica assim que perceber algo errado.

Fatores de risco

A idade é o mais reconhecido fator de risco;
Estudos variados indicam que a influência genética pode representar de 1% a 5% dos casos;
Alzheimer afeta mais a mulher do que o homem;
Estilo de vida: hábitos como beber em excesso, fumar, dieta rica em gordura, estresse, sedentarismo podem ser ruins para a saúde em geral, especialmente a do cérebro.


A demência da doença de Alzheimer pode se apresentar em três fases: inicial (lapsos de memória para acontecimentos recentes), moderada (queixas se acentuam, assim como os demais domínios) e grave (agravamento dos sintomas, incapacidade de realizar as atividades da vida diária sozinho, etc).

 

G1

 

alimtsaudvQuem tem criança em casa sabe que a hora de comer nem sempre é fácil. Tem criança que não gosta de comer frutas, verduras e legumes, outras que só funcionam com recompensas e tem aquelas crianças que não querem nada mesmo, recusam tudo.


Então como manter uma alimentação saudável durante a infância? É muito importante dar o exemplo! A criança observa desde muito cedo todas as atitudes das pessoas que convivem com ela. Invista nas comidas saudáveis, nas frutas, legumes e verduras.

O pediatra e nutrólogo Mauro Fisberg deu algumas dicas para melhorar a relação das crianças com a alimentação:

Se perceber que a criança tem dificuldade em comer quando começa a introdução alimentar, procure ajuda profissional. É mais fácil mudar hábitos alimentares nos primeiros três anos de vida.


Tente entender por que a criança não quer comer.


Faça alimentos com temperos menos tradicionais (pimenta, gengibre, cúrcuma).


Prepare frutas grelhadas.


Ofereça alimentos de diferentes formas.


Use o macarrão como base e acrescente verduras, legumes e carnes.


Não dê doces fora do horário estipulado.


Faça misturas que escondam os alimentos.


E lembre-se: nem toda criança vai comer tudo e isso não é problema!


Sem negociação: a hora de comer não deve ser negociável. Nada de doce como moeda de troca, por exemplo.
Quanto maior, mais difícil


Fisberg explica que é mais difícil fazer as crianças maiores comerem. Existem muitas questões psicológicas envolvidas no processo. Por isso, não force.

Crie uma rotina em casa. Na hora do jantar, todos juntos na mesa, comendo. O foco não deve ser a comida, mas o momento familiar.


Sem distrações na hora de comer.


Sem castigo.
Sem punições.
Sem recompensas.
Não deixe a criança com fome.
Também não faça a criança comer além do que ela quer.

 

G1

Todas as manhãs o girassol parte em busca do sol, seguindo a luminosidade insistentemente, porque precisa dela para crescer e florescer. Mesmo quando o sol está escondido entre as nuvens, a flor gira persistente, apesar da dificuldade, em direção à luz. Em alusão a esse comportamento da natureza, o girassol foi escolhido como símbolo da campanha Na Direção da Vida – Depressão sem Tabu, iniciativa do movimento mundial Setembro Amarelo, que tem o objetivo de abrir o diálogo e alertar a sociedade sobre o tema.

A campanha conduzida pela Upjohn, uma das divisões de um laboratório farmacêutico focada em doenças crônicas não transmissíveis, em parceria com a Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos (Abrata) e participação do Centro de Valorização à Vida (CVV), trará ações digitais e de rua para combater os estigmas da depressão. O trabalho tem ainda o apoio de músicos, esportistas e influenciadores digitais que já passaram ou passam pelo problema, dividindo suas experiências.

Os usuários de redes sociais serão convidados a postar o ícone do girassol para mostrar que estão dispostos a falar sobre o assunto #depressaosemtabu. Eles também poderão conhecer o site www.depressaosemtabu.com.br, que traz informações sobre o tema e orientações sobre a identificação de comportamentos de risco em pessoas próximas.

Fora da internet, no dia 10 de setembro, Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, um labirinto de dois mil girassóis, com 120 metros quadrados, será montado no Largo da Batata, zona oeste de São Paulo. Quem percorrer o caminho do labirinto acompanhará a jornada do paciente com depressão, desde a dificuldade do diagnóstico até os desafios ao longo do tratamento, como o preconceito ou a sensação de inadequação. A instalação estará aberta das 9h às 18h, até o dia 14.

“Queremos levar informação às pessoas. Quem visitar o local será convidado a deixar uma mensagem de coragem e apoio aos pacientes. Ao final, essas flores serão recolhidas e doadas para uma organização não governamental, que as transformará em buquês para serem distribuídos a pessoas que estão em tratamento", explicou a neurologista da Upjohn Elizabeth Bilevicius.

Depressão e suicídio

Segundo Elizabeth, para tratar a depressão e evitar o suicídio, o primeiro passo é ver a depressão como uma doença que precisa ser tratada. “Precisamos criar uma atmosfera de confiança para o paciente se sentir à vontade para dizer que tem a doença e legitimar o que ele sente como sintoma de algo que pode ser tratado. Essa é uma forma de encorajar a busca por ajuda adequada, criando um entorno social mais empático e melhor informado para ajudar essa pessoa”, disse.

De acordo com as informações da Upjohn, mais de 90% dos casos de suicídio estão associados a distúrbios mentais e transtornos do humor. A depressão é o diagnóstico mais frequente, aparecendo em 36% das vítimas. O aumento dos casos entre os mais novos e com prevalência entre os homens faz da depressão a quarta maior causa de suicídio entre jovens no país. Outras doenças que podem ser tratadas, como o alcoolismo, a esquizofrenia e transtornos de personalidade, também afetam esses pacientes e por isso afirma-se que o suicídio pode ser evitado na maioria das vezes.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que o Brasil é o país com maior percentual de depressão na América Latina, chegando a 5,8% da população, o que corresponde a 12 milhões de brasileiros. A taxa é maior do que o valor global, que é de 4,4%. Igualmente maior do que em outros países, a taxa de suicídio entre adolescentes de 10 a 19 anos aumentou 24% de 2006 a 2015. A cada 46 minutos alguém tira a própria vida no Brasil.

O psiquiatra Teng Chei Tung,  coordenador dos Serviços de Pronto-Socorro e Interconsultas do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (HC-USP) e vice-coordenador da Comissão de Emergência Psiquiátrica da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), explicou que a alta incidência entre os jovens está ligada à grande expectativa externa e interna de que eles se comportem como adultos, mesmo sem ter ainda as habilidades de um adulto, e à pressão de que o adolescente seja pleno, potente, competente e reconhecido.

"Então ele faz as coisas, erra e se frustra. Nessas frustrações os jovens podem entrar na depressão. Os preconceitos são os mesmos e são agravados pela desinformação. Para o jovem existe a influência do pensamento de que a saúde mental é só uma questão social, existencial e psicológica", afirmou.

Teng disse que sentir tristeza é normal e que a frustração sempre traz alguma tristeza passageira, mas é preciso que as pessoas próximas fiquem atentas para perceber quando esse estado já se tornou uma depressão. Segundo ele, a tristeza é algo que gera introspecção, provoca reflexão e crescimento, mas o deprimido fica introspectivo por vários dias e semanas.

"Um dos parâmetros é quando há sofrimento excessivo e quando começa a causar real prejuízo. Afeta as relações interpessoais, produtividade no trabalho, ou sofrimento individual, ou seja, a pessoa está sofrendo mais do que que precisaria naquela situação. Não é que não pode ter tristeza e emoção, mas isso não pode prejudicar a pessoa a ponto de afetá-la fisicamente", destacou.

Para Teng, a melhor forma de falar sobre a depressão é deixar claro que ela é uma doença que apresenta alterações biológicas e fisiológicas, envolvendo fatores genéticos e estruturais, o que significa que a pessoa nasce com a tendência de desenvolver o quadro depressivo. O tratamento inclui, principalmente, melhorar o estilo de vida. "Quem tem depressão precisa se equilibrar e cuidar da saúde, para não ter de novo a doença", disse o médico.

 

Agência Brasil