Existe uma variedade enorme de chás e não faltam pesquisas comprovando seus benefícios à saúde. Cada tipo de planta tem características e benefícios, como diminuir a ansiedade, melhorar a digestão, controlar a pressão e acelerar a queima calórica.

Entretanto, ao tomar chá, é preciso também tomar cuidado. Em alguns casos, eles podem provocar efeitos colaterais sérios, como aconteceu com a técnica de enfermagem Valdenice Soares da Silva.

Valdenice sofre com o intestino preso e queria perder vinte quilos. As amigas recomendaram chá de sene. “Eu comecei a tomar com as duas ideias, tanto de emagrecer quanto de regular o intestino. Me falaram que era bom para as duas situações”.

Mas nenhuma delas acontece e pior: ela passou mal. “O primeiro dia foi o pior. Tomei à noite e de madrugada passei mal. Foi um efeito devastador. No segundo dia eu ainda estava com diarreia. Fui começar a melhorar no terceiro dia”.

Ela acha que errou na quantidade de chá de sene. Depois da experiência, decidiu experimentar outras formas para emagrecer. “Estou fazendo atividade física, melhorando a alimentação”. E o chá é só para relaxar! “Tomo um chá de camomila à noite, mas de sachê! Aí não tem risco de errar na quantidade, né”.
A nutricionista Maria Angélica Fiut explica que os chás em sachês podem ser consumidos diariamente. Contudo, os chás medicinais (feitos com partes da planta – flores, talos e sementes) não devem ser usados por tempo prolongado, pois contêm substâncias que, em excesso, podem ser prejudiciais.

Antes de tomar chá com efeito laxativo:

Saiba o motivo da sua prisão de ventre, antes de consumi-los.
Chá laxante não emagrece! Ele só ajuda a eliminar as fezes, mas não elimina gordura.
Não consuma esse chá por mais de 10 dias. O uso prolongado pode causar diarreia.
Veja os riscos do consumo exagerado dos chás medicinais mais consumidos:

 

Efeito dos chás

  AÇÃO PARTE DA PLANTA EFEITO NEGATIVO DICA
CHÁ DE HIBISCO Diurético Flor Diminui a pressão arterial e pode dar tontura Não deve ser consumido por pessoas que tomam alguma medicação
CHÁ DE CAVALINHA Diurético Folha e talo Diminui a pressão arterial Não deve ser consumido por pessoas que tomam alguma medicação
CHÁ VERDE Termogênico, antioxidante, anti-inflamatório, reduz colesterol Folha Aumenta a pressão arterial Não deve ser consumido por hipertensos e pessoas que tomam alguma medicação

Como preparar uma infusão?

A infusão de ervas é a melhor forma de consumir os chás porque são preservadas as partes principais das folhas e os efeitos benéficos de seus componentes.

Coloque a erva em uma xícara de porcelana ou de vidro e acrescente água fervente. Misture e cubra, deixando repousar por 5 a 10 minutos até atingir a temperatura apropriada para consumo. A quantidade é de 1 colher de sobremesa para cada xícara de água fervente.

A técnica de infusão é aplicada para preparação de chás de folhas e flores, exemplo, hibisco, cavalinha e camomila.

Os chás devem ser preparados preferencialmente em doses individuais e ser consumidos imediatamente. Porém, quando as doses são muito frequentes, podem ser preparados em quantidade maior, mas sempre para consumo no mesmo dia. Neste caso, deve-se manter o recipiente com o chá bem fechado e guardado na geladeira para que os benefícios do chá não sejam perdidos.

A maioria dos chás têm cafeína, por isso, o consumo não pode ser exagerado.

 

G1

"As orelhas de abano podem não afetar a saúde de uma criança, mas com certeza podem afetar sua autoestima", afirma a pediatra Célia Bocci, do Sabará Hospital Infantil, em São Paulo. Segundo a médica, as consequências psicológicas que a condição pode oferecer à criança podem chegar a ser limitadoras, fazendo com que ela não queira frequentar a escola ou sair para brincar com medo de ouvir comentários inadequados.

Felizmente alguns desses traumas podem ser evitados com ações logo no início da vida do bebê. "Nos primeiros 45 dias de vida, as crianças podem usar um molde de silicone na orelha. Esse método costuma apresentar maiores chances de reversão da proeminência, mas só funciona se realizado quando ainda bebê, porque a orelhinha ainda não está completa", diz a pediatra.


orelhaabanoEmbora seja eficaz, o acesso ao molde se dá apenas com o investimento, visto que é considerado um procedimento estético. Por ter de ser trocado a cada duas semanas para refazer a moldagem e acompanhar o crescimento da orelhinha, os preços podem variar de R$ 3 mil a R$ 10 mil.

"Outra opção utilizada é a faixa, que envolve a cabeça da criança, mas não apresenta tanta eficácia quanto o molde e pode causar úlceras de pressão atrás da orelhinha da criança", explica Célia.

Já a correção por cirurgia plástica pode ser realizada a partir dos sete anos, quando a orelha da criança está completamente formada e não crescerá mais. Entretanto, é necessário que a criança queira realizar a cirurgia, que também pode ser realizada depois de adulta.


Célia afirma que a otoplastia é considerada um procedimento estético, assim, não tendo seu valor coberto por convênios ou pelo SUS. A realização da cirurgia varia entre R$6 mil e R$8 mil e precisa de um encaminhamento médico de um otorrinolaringologista ou um pediatra, que indicará o profissional adequado para a criança.

Após a otoplastia, Célia afirma que os pacientes costumam voltar para casa no mesmo dia. O paciente deve tomar cuidado com o curativo e evitar a exposição ao Sol e a realização de atividades físicas durante um mês. "São mínimas as chances de reversão da otoplastia. O efeito dela não é apenas estético, mas traz segurança àquela pessoa", alega.

As orelhas de abano são uma condição genética que altera a formação das orelhas, mas não afeta a audição. Seu aparecimento independe de raça ou sexo e está ligado à hereditariedade, tendo 50% de chances ou mais de a criança ter a orelha proeminente se ambos os pais tiverem a condição, e até 20% de chances se apenas um deles a tiver.

 

R7

Muitas pessoas, ao tentarem emagrecer, buscam a atividade física como uma opção. Porém, passado algum tempo realizando exercícios, algumas delas percebem que os dígitos da balança não mudaram. Um estudo publicado na revista científica norte-americana The American Journal of Clinical Nutrition buscou esclarecer o motivo.

Os pesquisadores do Centro de Pesquisa Biomédica Pennington, em Los Angeles, reuniram 171 pessoas entre 18 e 65 anos que estavam com sobrepeso ou obesidade e as acompanharam durante seis meses, aproximadamente. Os pesquisadores mediram também as taxas de ingestão calórica, as atividades e as taxas de metabolismo em repouso dessas pessoas.


Os participantes foram divididos em três grupos: o primeiro mantendo uma rotina normal e sem exercícios, o segundo fazendo exercícios supervisionados com gasto calórico semanal de 700 kcal e o terceiro com exercícios supervisionados com gasto semanal de 1.760 kcal. Todos os grupos puderam se alimentar da maneira que quisessem.

Ao final do acompanhamento, os pesquisadores notaram que as pessoas que faziam exerecícios não mudaram significativamente o ponteiro da balança. Segundo os cientistas, esses participantes, não só tinham mais apetite, como ingeriam de 90 kcal a 125 kcal a mais por dia.


Outro fator que ajudou no ganho de peso dessas pessoas foi o pensamento compensatório de que se alguns hábitos saudáveis foram adotados, outros ruins poderiam ser aceitos. Ou seja, as pessoas pensavam "eu fiz exercício agora, então mereço um chocolate", por exemplo.

Dessa forma, com a maior ingestão calórica e com o pensamento de recompensa pelos exercícios, o peso dos participantes não foi alterado. Entretanto, aqueles participantes que evitaram se premiar por terem cumprido a meta de exercícios propostos conseguiram perder alguns quilinhos.

 

R7

 

O número de mortes causadas pelo vírus da gripe no Brasil em 2019 chegou a 339 no dia 28 de junho, segundo o Ministério da Saúde. As últimas semanas de análise observaram um aumento da circulação do vírus influenza no Paraná, no Amazonas e no estado de São Paulo.

As mortes, registradas no boletim epidemiológico da Semana 23, se referem à Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) provocada pelo vírus influenza.

No total, foram 1.576 casos de influenza registrados. Esses são os casos de gripe geralmente mais graves e, portanto, submetidos à análise laboratorial para identificar o subtipo do vírus

Até o momento, o subtipo mais comum no Brasil é o H1N1, com 66,7% desses casos confirmados. O segundo mais frequente é o H3N2, com 16,7% dos casos. Em seguida vêm o influenza B (11,2%) e o "influenza A não subtipado" (5,4%).

De acordo com o ministério, o Paraná é o estado com maior número de mortes neste ano: são 52 até o dia 28 de junho. O estado do Rio de Janeiro está em segundo lugar, com 41 mortes por gripe. O Amazonas registrou 35 mortes nesse período e São Paulo, 34.

Vacinação
Em 25 de junho, o ministério informou que a vacinação contra gripe no Brasil atingiu 90% de cobertura. Até então, haviam sido imunizadas 53,5 milhões de pessoas do grupo prioritário e mais 5,6 milhões da população em geral. Mesmo com a meta nacional atingida, nem todos os integrantes do público-alvo e estados do país haviam cumprido com os 90% estabelecidos.

 

G1