O boletim dessa terça-feira, 22, registrou mais 17 florianenses que receberam alta clínica e agora estão recuperados da Covid-19.

Também foram diagnosticados mais 41 casos da Covid-19. No Hospital Tibério Nunes, bairro Manguinha, 15 pacientes estão internados em leitos clínicos e 08 em UTI.

"Lembre-se: a pandemia não acabou! Continue mantendo o distanciamento social e use máscara sempre! florianocontraocoronavirus #responsabilidadedetodos", alerta a Saúde.

 boloe

ASCOM

No começo do mês, a Associação Europeia para o Estudo da Obesidade divulgou um trabalho que mostra que o consumo de acima de sete gramas de álcool por dia está associado ao aumento do risco de síndrome metabólica e obesidade. Para se ter uma ideia mais precisa do que essa medida significa, bebidas como uma taça pequena de vinho (100 ml), uma lata de cerveja (375 ml) ou uma dose de uísque (30 ml) têm dez gramas de álcool puro. No entanto, há variações sobre o que é um drinque padrão entre os países – enquanto no Reino Unido a referência é de oito gramas, nos EUA é de 14 e no Japão chega a 20! A Organização Mundial da Saúde crava sua medida em dez gramas e adverte que ninguém deve passar de dois drinques por dia, o que também é controverso, já que não há um patamar seguro para o consumo que se aplique a todos os indivíduos.


O risco, que vale para homens e mulheres, fica mais claro se pensarmos na quantidade de calorias contidas numa bebida: uma taça de vinho tem cerca de 100 calorias; uma latinha de cerveja, 150; uma caipirinha com vodca e açúcar, 300! O estudo foi realizado pelo médico Hye Jung Shin, de Seul, na Coreia do Sul, com base em dados de 27 milhões de pessoas, acima dos 20 anos, durante dois anos. Independentemente de outros fatores, como idade, falta de atividade física e tabagismo, a análise estabeleceu uma relação direta entre álcool e obesidade e o conjunto de condições que descrevem a síndrome metabólica: glicose, pressão e colesterol altos, além da gordura abdominal que chamamos de “pneu”. O quadro aumenta as chances de doenças coronariana, infartos e AVCs.

Comparados com os abstêmios, os homens que ingeriam entre sete e 14 gramas de álcool, de acordo com o padrão utilizado pelos pesquisadores, tinham 10% a mais de probabilidade de apresentar um quadro de obesidade ou síndrome metabólica. No caso do consumo alcoólico chegar a dois drinques diários, as chances subiam para um patamar de 22% para obesidade e de 25% para síndrome metabólica. Além de duas doses, o risco crescia, respectivamente, 34% e 42%. Entre as mulheres, o perigo aumentava para aquelas que tomavam mais de dois drinques por dia: 22% para obesidade e 18% para síndrome metabólica.

Pesquisa da escola de medicina da NYU (New York University), divulgada em 2019, mostrara que cerca de 10% dos indivíduos acima de 65 anos bebem pesadamente, se expondo a uma série de doenças. Beber sem moderação é ruim em todas as idades, mas as complicações são maiores na velhice. Em tempos de pandemia, quando já está provado que a obesidade tem papel relevante nas complicações por Covid-19, é bom pensar duas vezes antes de levantar o copo.

 

Bem Estar

 

Algumas pessoas podem sentir os sintomas da covid-19 mesmo sem estar com a infecção, esse processo chama somatização e acontece por conta de descompensações psicológicas, como ansiedade, explica o infectologista Marcelo Otsuka, da SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia).

“Na verdade, estamos vendo bastante esses casos, está sendo bem frequente. Toda a situação que estamos vivendo, isolamento, medo, mudança na rotina, estresse, está causando esse tipo de reação.”


“É muito importante que a pessoa converse com seu médico, se está suspeitando que está com a doença. Primeiro é observar se você teve contato com alguém que tem a doença e tentar uma orientação por telefone ou telemedicina.”

Otsuka explica que o novo coronavírus tem alguns sintomas clássicos e comuns, mas que pode apresentar quadros muito variados dependendo de cada pessoa. “O mais comum são os sintomas respiratórios, gastrointestinais e a febre, mas algumas pessoas podem ter tontura, dor de cabeça, só uma indisposição ou um mal-estar, varia muito.”

Segundo ele, ao apresentar algum sintoma é necessário avaliar se é algo que foge do comum para aquele indivíduo e se ele teve contato com pessoas infectadas. “Se é uma pessoa que já sente tontura com uma certa frequência, provavelmente não vai ser covid-19.”

O Ministério da Saúde adota duas definições de caso suspeito de covid-19:

- Síndrome gripal: pessoa com quadro respiratório agudo caracterizado por pelo menos dois dos seguintes sinais e sintomas: febre, calafrios, dor de garganta, dor de cabeça, tosse, coriza, alterações de olfato ou paladar.

- Síndrome respiratória aguda grave: pessoa com síndrome gripal que apresente algum desses quadros: dispneia (falta de ar), saturação de oxigêno abaixo de 95%, coloração azulada dos lábios ou rosto.

“Mas claro que não significa que todos esses casos suspeitos são covid-19", destaca Otuska.

O infectologista afirma que se a pessoa suspeita que está com covid-19 o ideal é que ela comunique seu médico de confiança. “Se ela puder e for se sentir melhor, pode fazer o exame laboratorial.”

Desde o começo de julho, o Ministério da Saúde recomenda que pacientes devem buscar atendimento médico imediato em caso de sintomas relacionados à covid-19, mesmo que eles sejam leves.

 

R7

Atualmente, a pesquisa sobre métodos contraceptivos masculinos foi ampliada com o objetivo de encontrar alguns que apresentem mecanismos semelhantes aos anovulatórios femininos.

Como muitos sabem, há menos opções de métodos contraceptivos direcionados para homens do que para mulheres. Ao longo deste artigo, explicaremos as alternativas disponíveis e as que estão sendo estudadas. Descubra-as!

Métodos contraceptivos masculinos
Uma pesquisa publicada pela Fertility and Sterility reconhece que cada vez mais homens estão dispostos a assumir uma responsabilidade ativa pelo planejamento familiar. Por esse motivo, tem aumentado o interesse em conhecer os diferentes métodos contraceptivos masculinos.

Esse meio destaca que os mais comuns são os preservativos e a vasectomia. No entanto, eles não são a escolha certa para todos os homens. Por esse motivo, os estudos sobre o assunto continuam em andamento. A seguir, veremos tudo em detalhes.

1. Preservativos e espermicidas
O preservativo continua sendo o protagonista entre os métodos contraceptivos para os homens. Além de prevenir a gravidez, evita doenças sexualmente transmissíveis.
O uso de preservativo é um dos métodos contraceptivos mais amplamente utilizados pelos homens na sociedade atual. Preservativos e espermicidas trabalham juntos para ajudar a proteger contra a gravidez. Os preservativos são colocados no pênis ereto do homem. O esperma permanece dentro do preservativo e não pode alcançar o óvulo da mulher.

Os espermicidas cobrem o colo do útero da mulher e matam os espermatozoides. Este produto está disponível em várias apresentações:

Espuma.
Gel.
Creme.
Tecido.
Supositórios.
Comprimidos.
Os preservativos podem ser feitos de látex ou plástico resistente. Apesar de o espermicida ser geralmente usado pelas mulheres e o preservativo pelos homens, já existem preservativos com espermicida em seu interior.

Dessa forma, se o preservativo rasgar ou furar, o espermicida ajudará a matar o espermatozoide. Além disso, o uso de preservativo ajuda a prevenir infecções sexualmente transmissíveis. No entanto, o uso de espermicida por si só não impede esse tipo de infecção, portanto, o uso de preservativos é essencial.

2. Vasectomia, um dos métodos contraceptivos para homens
A contracepção cirúrgica ou a esterilização voluntária tornou-se um método muito popular, principalmente nos países desenvolvidos. Esse método contraceptivo tem as maiores taxas de eficácia e é um recurso amplamente utilizado por casais que não querem ter mais filhos.

A vantagem com relação a outros métodos contraceptivos para homens é que se realiza somente uma vez e não requer controles específicos posteriormente. Além disso, se o procedimento cirúrgico for realizado de acordo com os protocolos médicos exigidos, o risco de complicações é pequeno.

Leia também: Você sofre de ejaculação retrógrada?

Em que consiste?
O procedimento cirúrgico da vasectomia visa bloquear o ducto deferente utilizando várias técnicas, como corte, ligadura ou compressão, entre outras.

É uma técnica simples que pode ser realizada em nível ambulatorial e, quando praticada sob anestesia local e com assepsia adequada, apresenta pouco risco de morbidade e risco insignificante de mortalidade.

Consiste na interrupção da continuidade do ducto deferente, uma vez identificado após a incisão com bisturi no escroto. Uma vez identificado o ducto deferente, existem, como mencionado acima, diferentes técnicas para obter a oclusão ou bloqueio.

3. Injeção de bloqueio entre os métodos contraceptivos masculinos

As injeções de bloqueio visam encontrar uma solução alternativa de baixo custo como método contraceptivo para os homens.
É um contraceptivo não hormonal, projetado para encontrar soluções de baixo custo ignoradas pela indústria farmacêutica. Seu nome comercial é Vasalgel e ainda está sendo estudado.

Seu uso consiste em injetar uma dose deste gel no ducto através do qual o esperma passa, exatamente na extremidade final em que se junta ao escroto.

O processo é concluído em cerca de 15 minutos e, uma vez injetado, o gel é fixado e continua como um filtro, permitindo a passagem do líquido, mas não dos espermatozoides. Portanto, não impede a ejaculação ou o orgasmo.

Além disso, as injeções de bloqueio são tão eficazes quanto a técnica anterior, a vasectomia. Não sendo um método hormonal, o Vasalgel não apresenta os efeitos colaterais que os tratamentos para mulheres costumam ter. Sabemos que a pílula anticoncepcional pode causar enxaquecas, alterações de peso e diminuição da libido.

Descubra: Mitos e verdades sobre os métodos de planejamento familiar

4. Pílula anticoncepcional para homens
É outro dos métodos contraceptivos masculinos em estudo. Um novo estudo divulgado recentemente em Chicago mostrou que uma pílula anticoncepcional masculina é possível. Ainda são necessárias mais pesquisas, mas parece que os homens também terão esse tipo de método para evitar a gravidez.

Os pesquisadores descobriram que a pílula hormonal proposta, chamada undecanoate de dimethandrolona, ​​ou DMAU, reduziu efetivamente a testosterona e outros níveis hormonais responsáveis ​​pela produção de espermatozoides sem outros efeitos colaterais.

Conclusão
Apesar de atualmente existirem mais métodos contraceptivos sendo estudados, hoje não temos nenhum que seja tão eficaz quanto a pílula anticoncepcional feminina.

O uso de preservativos é recomendado sempre que a intenção for a de evitar uma gravidez ou prevenir doenças sexualmente transmissíveis. Em caso de dúvida, é aconselhável consultar um profissional em saúde sexual e reprodutiva.

 

melhorcomsaude