×

Observação

There is no category chosen or category doesn't contain any items

polipoNa maioria dos casos os pólipos no útero não geram nenhum sintoma. Eles são quase sempre de caráter benigno, embora em aproximadamente 1% dos casos possam se tornar uma patologia maligna. Quer saber mais sobre isso?


Os pólipos no útero é um crescimento excessivo de tecido na parede interna desse órgão. Eles têm tamanhos variados, variando de alguns milímetros a vários centímetros. Alguns atingem o volume de uma bola de golfe, ou até mais.

O mais comum é que apareçam em mulheres entre 40 e 65 anos. Apesar disso, também foram encontrados pólipos no útero de meninas de 12 anos e mulheres de 81 anos. Portanto, podem aparecer em qualquer idade.

O que são pólipos no útero?

Os pólipos no útero são pequenos nódulos em forma de dedo que crescem na parede interna do útero. Essa parede é chamada endométrio, e por isso, também se fala de “pólipos endometriais”. Eles ocorrem pela proliferação de células, e o consequente crescimento do endométrio.
Uma mulher pode ter um ou vários pólipos no útero. Que geralmente permanecem dentro deste órgão, embora às vezes se deslize pelo colo do útero até a vagina. Eles são mais frequentes em mulheres que estão na menopausa, ou que já passaram por esse estágio.

A grande maioria dos pólipos no útero é benigna. Apenas uma porcentagem de 0,5 a 1% tem malignidade. Geralmente, os pólipos malignos são aqueles que ocorrem após a menopausa, têm um tamanho superior a 2 cm, e geram sangramento na pós-menopausa.

Sintomas e diagnóstico dos pólipos uterinos
A maioria dos pólipos uterinos não apresenta sintomas. E geralmente são detectados durante um exame de rotina. Nos casos em que há sintomas, geralmente incluem as seguintes manifestações:

Em primeiro lugar, sangramento anormal. Pode compreender um sangramento muito intenso durante o período menstrual (menorragia); sangramento não relacionado à menstruação, ou seja, aquele que ocorre após a menopausa (metrorragia); ou um sangramento depois de ter relações sexuais.


Também pode provocar infertilidade. A dificuldade ou incapacidade de conceber pode estar relacionada aos pólipos uterinos.
Além disso, podem ocorrer abortos.


Certamente, a paciente sente dor. Ocorre quando os pólipos se movem para a vagina.
O diagnóstico dos pólipos uterinos é realizado através de diferentes testes, tais como:

Ecografia transvaginal. É realizada através da introdução de um dispositivo em forma de bastonete, dentro da vagina. Que cria uma imagem através de ondas sonoras.


Histeroscopia. Um telescópio flexível, fino e brilhante é inserido na vagina e no colo do útero. Este permite observar o interior do órgão.
Biópsia endometrial. É realizada por um cateter de sucção. Uma amostra é coletada e examinada em laboratório. Não possui cem por cento de confiabilidade.


A ciência não sabe a razão pela qual os pólipos são gerados no útero. Hipóteses sobre suas possíveis origens genéticas, hormonais e outras foram propostas. No entanto não há resultados conclusivos até o momento.

O que foi detectado é que existem alguns fatores de risco. São os seguintes:

Primeiramente, altos níveis de estrogênio.
Por outro lado, o uso de tamoxifeno. É um medicamento usado no tratamento do câncer de mama. Aumenta o risco de formação de pólipos uterinos.


Além disso, tratamentos hormonais na pós-menopausa.
Também, pacientes com obesidade.
Hipertensão.


Finalmente, outras doenças. A síndrome de Lynch, a síndrome de Cowden, e outras doenças raras estão associadas ao desenvolvimento de pólipos uterinos.


Sem dúvida alguma, o tratamento geralmente dado aos pólipos no útero é a remoção cirúrgica ou polipectomia. Este procedimento é realizado por curetagem ou raspagem uterina, ou mediante ressecção por histeroscopia. Em suma, este último procedimento é o mais seguro e mais eficaz.

A cirurgia é especialmente indicada nos seguintes casos:

Em primeiro lugar, mulheres pré-menopáusicas.


Por outro lado, mulheres pré-menopáusicas assintomáticas, com pólipos maiores que 1,5 cm de diâmetro.
Finalmente, mulheres pós-menopáusicas sintomáticas e assintomáticas.


Em conclusão, nos casos em que surgem pólipos como resultado da ingestão de tamoxifeno, deve ser feito um estudo cuidadoso de cada situação específica. Além disso, é recomendável que todas as mulheres façam exames regulares com o ginecologista, para detectar qualquer problema a tempo.

 

melhorcomsaude

O suicídio é um fenômeno complexo e multifatorial que pode afetar indivíduos de diferentes origens, faixas etárias, condições socioeconômicas, orientações sexuais e identidades de gênero.

Considerando o protagonismo da Universidade na vida dos estudantes, este se torna um ambiente privilegiado para promoção da saúde mental e prevenção do suicídio

Dessa forma, o Campus Amílcar Ferreira Sobral, da Universidade Federal do Piauí, em Floriano, convida toda comunidade a participar do evento "Setembro Amarelo", que ocorrerá nesta quarta-feira, dia 11 de setembro, às 17h, no Auditório do CAFS.

O evento tem como organizadores a Profa. Bruna Cavalcante e o Prof. José Claudio Lira, ambos ligados ao Curso de Enfermagem do Campus.

A programação iniciará com um jantar "amarelo" no RU (gratuito para os participantes do evento) e prosseguirá com a discussão da temática no auditório.

Confira os profissionais que estarão presentes no evento:

Image 120190910163801

Image 220190910163839

Image 320190910163919

Image 420190910164000

Image 520190910164044

Acontece nesta quinta-feira (12) o lançamento da Campanha do Dia Estadual de Luta contra a Hanseníase 2019. O evento acontecerá no Palácio de Karnak, no Centro de Teresina e busca alertar a sociedade civil sobre o auto exame, acompanhamento e tratamento de casos de hanseníase, ajudando assim a população a se cuidar e eliminar o preconceito que ainda existe.

 

No Piauí, em 2018 foram notificados 1009 casos, já em 2019 até o dia 9 de setembro foram notificados mais de 716 novos casos, sendo que dentre estes casos, 46 são a menores de 15 anos.

 

A supervisora estadual do programa de hanseníase no Piauí, Eliracema Alves, fala que a ação quer promover a inclusão. “Esse evento é para lembrar a sociedade que o dia 12 de Setembro é o dia de luta e conscientização contra a hanseníase no Piauí. Essa é uma doença milenar, mas que ainda persiste na atualidade então é preciso não negligenciar e muito menos afastar quem precisa de ajuda”, aponta a supervisora.

 

Um dos pontos que Eliracema destaca é de que crianças e jovens vem sendo diagnosticados e alguns já com deformidade. “A cada ano que passa percebemos que o número de casos de hanseníase em crianças aumenta e isso é preocupante pois demonstra que a doença esta em atividade e que existe pessoas com a forma multibacilar, forma de contagio, que ainda não foram descobertas e estão contaminando outras pessoas, inclusive menores de 15 anos”, destaca a supervisora.

 

Entre os eventos que compõem a campanha estão o lançamento, que acontecerá nesta quinta-feira, oficinas sobre conscientização e enfrentamento ao estigma da doença, atividades educativas, curso prático e realização de mutirões de hanseníase pela FMS nas 4 regiões de Teresina.

 

sesapi

tempsecoO tempo seco afeta a nossa saúde de várias formas, mas medidas simples podem amenizar os sintomas. Segundo a Dra. Ana Escobar, beber água durante o dia, por exemplo, hidrata os órgãos, inclusive pele e mucosa, além de amenizar a tosse seca. Outra recomendação importante é se proteger do sol e evitar praticar exercícios físicos entre 11h e 17h, além de umidificar os ambientes com vaporizadores, toalhas molhadas e baldes com água.

Quando respiramos o ar cheio de pó, ele gruda na mucosa respiratória. Para se proteger, ela produz secreção para expulsar esse pó das vias aéreas. Quanto maior a quantidade de poeira, maior a quantidade de muco. Só que secreção em excesso também rompe a barreira de proteção e a gente fica mais exposto a infeção por vírus e bactérias. Toda essa secreção, que pode estar contaminada com um vírus, por exemplo, pode causar: sinusite, rinite, faringite, amidalite ou otite, bronquite ou pneumonia.

A Dra. Ana Escobar sugere deixar um soro fisiológico junto da escova de dente para que o ritual de lavar o nariz seja feito junto com o de escovar os dentes e lavar o rosto.
O idoso está particularmente mais susceptível à doenças respiratórias pelas condições próprias do envelhecimento, como a redução na produção saliva e menos umidade nas mucosas. Os idosos têm uma diminuição do reflexo de sede e passam a beber menos água. Muitos deixam de tomar água por causa da incontinência urinária. Os cílios presentes nas mucosas dos idosos também ficam menos eficientes.

Veja algumas dicas para amenizar os efeitos do tempo seco:

Beba água ao longo do dia para hidratar os órgãos, inclusive pele e mucosa;
Umidifique o ambiente com toalha molhada em cima de uma cadeira ou use um umidificador de ar;
Hidrate bem as mucosas com soro fisiológico pelo menos duas vezes por dia;
Lave os olhos com soro fisiológico ou com colírio de lágrima artificial;
Faça inalação.

 

G1

Foto: divulgação