• Governo
  • Hospital Clinicor
  • Vamol
  • Roma

A adequação de peso de forma saudável vem, cada vez mais, sendo colocada em pauta, buscando equilibrar os benefícios oferecidos pelos alimentos e promover a saúde, sem almejar padrões estéticos que, muitas vezes, podem ser prejudiciais — tanto para o organismo, como para o psicológico.

Porém, muitos profissionais ainda praticam o chamado "nutricionismo". Trata-se de "abordagens extremas ou simplificadas relacionadas à nutrição, muitas vezes distantes das práticas nutricionais baseadas em evidências", explica a nutricionista Bianca Gonçales.

A nutricionista Edvânia Soares complementa que, nessa abordagem, são enfatizados os componentes dos alimentos, como calorias, carboidratos e gorduras, de forma isolada, ou seja, ignorando o estilo de vida do paciente.

Assim, busca-se trazer uma visão mais simplificada do alimento, focando apenas nos aspectos alimentares, sem olhar as necessidades e quantidades que a pessoa precisa, podendo adotar estratégias excessivas ou extremas.

Entre as ações que podem ser adotadas, estão as dietas radicais e extremistas, com foco em contar calorias, meta real, e até mesmo o uso de medicamentos para emagrecer, busca de emagrecimento rápido e caráter restritivo, sem a conscientização da relação com os alimentos.

"Diferente do nutricionismo, a nutrição real tem uma consulta personalizada e olhar o paciente como um todo. Dessa maneira, tentamos equilibrar a alimentação e vamos considerar tudo o que o paciente consome ao longo do dia, a forma como ele consome, estilo de vida. Muitas vezes, devolvemos ou fortalecemos o prazer em comer e a cultura alimentar", esclarece Edvânia.

Ela pontua que o nutricionismo toma por base as medidas, considerando a circunferência, IMC (Índice de Massa Corporal) — que pode ser enganoso, já que não será considerado o nível de massa muscular, mas o peso, que engloba músculo, gordura e água. Isso pode comprometer alguns fatores de saúde.

Bianca afirma que a prática do nutricionismo pode afetar, também, a saúde mental do paciente, ao promover ideais inatingíveis e criar relações adversas com a comida, como uma obsessão por alimentos saudáveis e distúrbios alimentares.

É preciso lembrar que a obsessão pela perda de peso, excluindo inúmeros alimentos, não está nutrindo, e que existe a sinergia nutricional, em que vitaminas e minerais dependem um do outro para serem absorvidos. Assim, a eliminação de grupos alimentares pode afetar a nutrição.

As profissionais alegam que o nutricionismo é uma abordagem isolada e com métodos questionáveis, não sendo recomendada por profissionais de saúde.

Elas alertam que os pacientes devem se atentar às promessas de emagrecimento rápido, foco excessivo, proibições alimentares, recomendações que ignoram preferências pessoais, culturais e o estilo de vida.

As nutricionistas ressaltam que a relação ideal com a comida envolve o equilíbrio, com foco na qualidade alimentar, a moderação, adoção de hábitos saudáveis e considerar as necessidades individuais, sejam elas de gosto, como nutricionais, assim como os contextos sociais nos quais o paciente está inserido, sem restrições desnecessárias.

"A nutrição é uma ciência complexa e individualizada. Não existe dieta perfeita. As necessidades e respostas buscadas por cada paciente são únicas, e para cada pessoa. Todas as orientações gerais devem ser adaptadas para cada paciente, conforme as necessidades, circunstâncias, rotina e estilo de vida. Tudo pode, desde que seja feito com equilíbrio", finaliza Edvânia.

R7

O progresso global nas políticas para reduzir o uso do tabaco desacelerou pela primeira vez em 12 anos após o surto da pandemia de Covid-19, de acordo com análise publicada nesta quarta-feira (22) pelo Global Tobacco Control Progress Hub, que avisou que, como resultado, milhões de pessoas em todo o mundo, provavelmente, continuaram a fumar.

cigarropandemia

O centro, que é uma colaboração entre a organização sem fins lucrativos ASH (Action on Smoking and Health) Canada e a Escola de Saúde Pública John Hopkins Bloomberg, acompanha a promulgação da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco da OMS (Organização Mundial da Saúde), um tratado global que tem como objetivo a redução do tabagismo.

O relatório constatou que, entre 2020 e 2022, houve um abrandamento na implementação de seis das principais medidas de alto impacto do tratado, incluindo aumentos de impostos, proibições de publicidade e promoção e regras que vetam fumar em locais públicos.

Les Hagen, diretor-executivo da ASH Canadá, disse que, embora a pandemia tenha distraído compreensivelmente os governos, a desaceleração foi “perturbadora”. Ele apelou aos países para que intensifiquem seus esforços.

Hagen afirmou que a queda na implementação das ações poderá ter “consequências terríveis para milhões de pessoas em todo o mundo, especialmente se for sustentada”.

A análise se baseia nos autorrelatos dos países à OMS, disse Hagen. Dois terços das nações reportaram nenhuma melhoria ou um declínio na implementação das principais políticas do tabaco, enquanto apenas um terço apresentou melhoria.

As maiores quedas foram registradas nos países de baixa renda, especialmente nas regiões do Mediterrâneo Oriental e do Sudeste Asiático, afirmou o centro.

A OMS afirma que o tabaco mata até metade dos consumidores que não param de fumar.

Reuters

Foto: Freepik

Os integrantes do Sindicado dos Arrumadores de Floriano tiveram uma palestra sobre a saúde do homem, em especial, sobre a próstata.

palestra

O mês de novembro é direcionado a saúde masculina e, por isso, muitos profissionais em saúde, por meio dos órgãos em que atuam, ministram palestra e respondem inúmeras perguntas sobre os mais vários problemas. 

O médico Hugo Coelho foi que esteve ministrando uma palestra aos presentes. A reportagem é do Ivan Nunes, do Piauí Notícias. 

palestra4

Da redação

Subcategorias