gorduraGordura acumulada na cintura pode influenciar no risco de demência, independentemente se a pessoa está acima do peso. Isso é o que revelou um estudo da Universidade da Coreia do Sul, em Seul, publicado pelo jornal Daily Mail.

Cinturas com largura maior que 85,9 cm em mulhres e 90,7 cm, em homens representam uma chance maior de perda progressiva das capacidades mentais mesmo naqueles que não estejam acima do peso, segundo o IMC (índice de massa corpórea).

O IMC é calculado pela divisão do peso pela altura elevada ao quadrado. Para ser considerado abaixo do peso, o IMC deve ser menor ou igual a 18,5; ideal, entre 18,5 e 24,9; sobrepeso, de 25 a 29,9; e, obesidade, acima de 30.


A pesquisa analisou 870 mil pessoas com mais de 65 anos e mostrou que quanto maior o tamanho da cintura, maior o risco de demência.

Estudos anteriores já havia mostrado que a obesidade aumenta as chances de desenvolver demência. Mas agora estão surgindo evidências de que a gordura abdominal, por si só, já traz riscos.

Gorduras que ficam ao redor dos órgãos - chamadas de "gordura visceral abdominal" - são conhecidas por estarem ligadas a diversos problemas de saúde.


O estudo coordenado por Geum Joon Chode foi feito a partir de dados reunidos em um exame nacional de rastreamento de saúde realizado em 2009. Metade das pessoas envolvidas foram acompanhadas por no mínimo 6 anos e meio. Dentre elas, 13% foram diagnosticadas com demência.

O estudo não estabelece que a gordura extra ao redor da cintura seja a causa da demência, apenas sugere uma ligação entre essas duas características.

 

R7

Foto: Pixabay

Ainda não há evidências científicas suficientes que possam garantir ou afastar totalmente o papel da vitamina D na imunidade e no combate ao coronavírus. Entretanto, o consumo deste suplemento sem acompanhamento médico pode ser prejudicial.
A recomendação para uso de suplemento de vitamina D é feita apenas para pacientes com deficiência desta substância, após consulta e avaliação médica.

A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (Sbem) e a Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (Abrasso) disseram, ainda em abril, que não havia nenhuma indicação aprovada para prescrição de suplementação de vitamina D para a Covid-19.

As entidades alertaram para os riscos do consumo indiscriminado desta substância, sem qualquer acompanhamento profissional. Segundo o comunicado, o excesso de vitamina D sintética pode causar:

aumento da reabsorção óssea
risco de quedas e fraturas
hipercalcemia (níveis altos de cálcio no sangue)
hipercalciúria (excesso de cálcio na urina)
insuficiência renal
crises convulsivas
morte
A produção de vitamina D pelo corpo, de forma natural, é ativada a partir da exposição ao sol. O consumo de sua versão sintética é apenas prescrita para pacientes com deficiência neste mecanismo do corpo.

A vitamina D, ao contrário de outras vitaminas – como a vitamina C –, não é eliminada pelo corpo em caso de consumo exagerado. Por ser lipossolúvel, acaba se acumulando no organismo e não deve ser consumidas sem recomendação médica.

Pesquisas recentes
No mês passado, uma pesquisa publicada pela revista "BMJ Nutrition, Prevention & Health" indica que tomar altas doses de suplementos de vitamina D não ajuda na prevenção ou tratamento da Covid-19. O artigo é assinado por pesquisadores dos EUA, Reino Unido e União Europeia e indicou que não há provas científicas suficientes de que haja benefícios para evitar a infecção pelo patógeno.

Por outro lado, um outro estudo ainda em pré-print – que aguarda a publicação após a avaliação da comunidade científica – indica que a substância é uma "candidata promissora" para a profilaxia. O artigo de pesquisadores chineses ainda é preliminar e mostra bons resultados nos testes in vitro.

Prevenção contra a Covid-19
Para evitar se contaminar ou transmitir o vírus, as formas mais importantes de prevenção ainda são distanciamento social e medidas de higiene como lavar bem as mãos com água e sabão ou com álcool 70%.

Também é necessário tomar cuidado para não tocar olhos, nariz e boca com as mãos não higienizadas. Evitar aglomerações e usar máscara em público também são formas de se prevenir e para evitar espalhar o vírus, cobrir a boca ao tossir ou espirrar com a parte interna do cotovelo.

 

G1

Quando deixou a província chinesa de Hubei rumo à Europa e aos vizinhos asiáticos – entre dezembro de 2019 e janeiro de 2020 – o coronavírus SARS-CoV-2 encontrou em algumas regiões do globo condições particularmente favoráveis à sua disseminação.

Após analisar dados de 126 países, entre eles o Brasil, pesquisadores das universidades de Campinas (Unicamp) e de Barcelona identificaram um conjunto de fatores que teriam favorecido o espalhamento rápido do vírus na fase inicial da epidemia, ou seja, antes que fossem adotadas políticas públicas para conter o contágio.

 

Segundo o estudo, apoiado pela FAPESP, entre os fatores que contribuíram para a maior taxa inicial de crescimento da covid-19 estão: temperatura baixa e, consequentemente, população menos exposta aos raios ultravioleta do sol e com menor nível de vitamina D no sangue; maior proporção de idosos e, portanto, maior expectativa de vida; maior número de turistas internacionais nos primeiros dias da epidemia; início precoce do surto (países onde a doença chegou primeiro demoraram mais para tomar medidas de prevenção); maior prevalência de câncer de pulmão, de câncer em geral e de DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica); maior proporção de homens obesos; maior taxa de urbanização, maior consumo de álcool e tabaco; e hábitos de saudação que envolvem contato físico, como beijo, abraço ou aperto de mão.

“Escolhemos como ponto de partida de nossa análise o dia em que cada país registrou o 30º caso de covid-19 e analisamos os dias seguintes [entre 12 e 20 dias, dependendo do país]. O objetivo era entender o que ocorreu na fase em que a doença cresceu livremente, de forma quase exponencial”, explica à Agência FAPESP Giorgio Torrieri, professor do Instituto de Física Gleb Wataghin (IFGW-Unicamp) e coautor do artigo divulgado na plataforma medRxiv, ainda sem revisão por pares.

Segundo o pesquisador, a proposta era aplicar análises estatísticas comumente usadas na área de física – entre elas a regressão linear simples e o cálculo do coeficiente de determinação – para tentar entender o que ocorreu no início da pandemia. Os dados usados nas análises vieram de fontes diversas – boa parte de um repositório público conhecido como Our World in Data.

“A ideia era avaliar o seguinte: caso não fosse feito nada para conter a doença, com qual velocidade o vírus se espalharia nos diferentes países ou nos diferentes grupos sociais? Fatores como temperatura, densidade demográfica, urbanização e condições de saúde da população influenciam a velocidade do contágio?

Fontes confiáveis
Alguns estudos sugerem que a vacina BCG, contra tuberculose, pode ter algum efeito protetor no caso da covid-19. As análises feitas pelos pesquisadores da Unicamp e da Universidade de Barcelona indicam a existência de uma correlação fraca entre as duas variáveis (taxa de imunização contra tuberculose e taxa de contágio pelo SARS-CoV-2). Segundo Torrieri, porém, é possível que o resultado tenha sido prejudicado pela falta de dados confiáveis em países onde a vacinação não é obrigatória.

“Quando excluímos os países sem dados de vacinação, a correlação fica fraca. Mas quando incluímos esses locais na análise e assumimos que têm uma taxa baixa de imunização, a correlação se torna mais forte”, conta o pesquisador.

Para alguns dos fatores analisados – entre eles a prevalência de doenças como anemia, hepatite B (nas mulheres) e hipertensão – os pesquisadores identificaram uma correlação negativa. Ou seja, nos países com maior proporção de hipertensos, por exemplo, a taxa de contágio inicial do SARS-CoV-2 foi menor.

“Podemos imaginar que nesses locais há mais doença cardiovascular e, portanto, menor expectativa de vida”, avalia Torrieri.

Entre os fatores analisados que não apresentaram correlação com o contágio (nem positiva e nem negativa) estão: número de habitantes; prevalência de asma; densidade populacional; cobertura vacinal para poliomielite, difteria, tétano, coqueluche e hepatite B; prevalência de diabetes; nível de poluição do ar; quantidade de feriados; e proporção de dias chuvosos. No caso do Produto Interno Bruto (PIB) per capita, como explicou Torrieri, a correlação se mostrou positiva apenas em valores acima de 5 mil euros.

“O PIB está relacionado com a qualidade da infraestrutura pública. Quanto maior é o PIB per capita de um país, melhor é a infraestrutura de saúde e de moradia, por exemplo. Mas abaixo de 5 mil euros não fez diferença provavelmente porque a infraestrutura é de baixa qualidade”, avalia o pesquisador.

Como destacam os autores no texto, diversas variáveis analisadas estão correlacionadas entre si e, portanto, é provável que tenham uma interpretação comum e não é fácil separá-las. “A estrutura de correlação é bastante rica e não trivial, e incentivamos os leitores interessados a estudarem as tabelas [do artigo] em detalhes”, afirmam.

Segundo os pesquisadores, algumas das correlações apontadas são "óbvias", por exemplo, entre temperatura, radiação UV e nível de vitamina D. “Outras são acidentais, históricas e sociológicas. Por exemplo, hábitos como consumo de álcool e tabagismo estão correlacionados com variáveis climáticas. De forma semelhante, a correlação entre tabagismo e câncer de pulmão é muito alta e, provavelmente, contribui para a correlação deste último [o câncer] com o clima. Razões históricas também explicam a correlação entre clima e o PIB per capita”, dizem os pesquisadores.

Embora seja impossível para os países alterar algumas das variáveis estudadas, como o clima, a expectativa de vida e a proporção de idosos, por exemplo, sua influência na disseminação da doença deve ser levada em conta na formulação de políticas públicas, ajudando a definir estratégias de testagem e de isolamento social, defendem.

Outras variáveis, segundo os autores, podem ser controladas pelos governos: testagem e isolamento de viajantes internacionais; restrição de voos para regiões mais afetadas pela pandemia; promoção de hábitos de distanciamento social e de campanhas visando reduzir o contato físico enquanto o vírus estiver se espalhando; e campanhas voltadas a estimular na população a suplementação de vitamina D, a redução do tabagismo e da obesidade.

“Enfatizamos ainda que algumas variáveis apontadas são úteis para inspirar e apoiar a pesquisa na área médica, como a correlação do contágio com câncer de pulmão, obesidade, baixo nível de vitamina D e diferentes tipos sanguíneos e diabetes tipo 1. Isso definitivamente merece estudo mais aprofundado, com dados de pacientes”, concluem os cientistas.

 

Agência Fapesp

covid16227Com dados atualizados na noite dessa terça-feira, 23, o boletim divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde do Piauí (Sesapi) confirmou 17 mortes e 958 novos casos do coronavírus nas últimas 24 horas.

Com os 17 óbitos, são 534 no acumulado desde março - a maioria do sexo masculino (328) e com 60 anos ou mais (401). Os total de casos confirmados chegou a 16.227.

Teresina atingiu a marca de 301 óbitos com mais 10 registros nesta terça-feira: seis homens (32, 46, 56, 63, 67 e 69 anos) e quatro mulheres (52, 69, 76 e 82 anos).

Parnaíba é a segunda cidade na lista, com 50 óbitos - mais um confirmado nesta terça-feira, uma mulher de 82 anos.

Com mais duas mortes - mulheres de 75 e 78 anos - Barras chegou a 14 no total e se tornou o terceiro município em número de óbitos no Piauí.

A terceira morte de Elesbão Veloso foi de uma mulher de 73 anos.

Campo Largo (homem, 73 anos) e Demerval Lobão (mulher, 81 anos) têm agora duas mortes cada um.

Sem casos anteriores confirmados, Sebastião Barros registrou seu primeiro óbito: uma mulher de 60 anos. Com isso, são 73 municípios com pacientes que faleceram pela covid-19.

Casos confirmados

Casos confirmados Óbitos
ACAUA 4 0
AGRICOLANDIA 10 0
AGUA BRANCA 194 12
ALAGOINHA DO PIAUI 14 0
ALEGRETE DO PIAUI 1 0
ALTO LONGA 23 1
ALTOS 297 4
ALVORADA DO GURGUEIA 1 0
AMARANTE 8 0
ANGICAL DO PIAUI 16 1
ANISIO DE ABREU 18 0
AROAZES 4 1
ASSUNCAO DO PIAUI 3 0
AVELINO LOPES 3 0
BAIXA GRANDE DO RIBEIRO 40 1
BARRA DALCANTARA 1 0
BARRAS 471 14
BARREIRAS DO PIAUI 2 0
BARRO DURO 40 1
BATALHA 119 4
BELA VISTA DO PIAUI 1 0
BELEM DO PIAUI 6 1
BENEDITINOS 13 3
BERTOLINIA 7 0
BETANIA DO PIAUI 3 0
BOA HORA 28 0
BOCAINA 10 0
BOM JESUS 199 0
BOM PRINCIPIO DO PIAUI 11 1
BONFIM DO PIAUI 1 0
BOQUEIRAO DO PIAUI 8 0
BRASILEIRA 27 0
BURITI DOS LOPES 186 3
BURITI DOS MONTES 4 1
CABECEIRAS DO PIAUI 7 0
CAJAZEIRAS DO PIAUI 4 0
CAJUEIRO DA PRAIA 62 2
CALDEIRAO GRANDE DO PIAUI 14 0
CAMPINAS DO PIAUI 4 0
CAMPO ALEGRE DO FIDALGO 1 0
CAMPO GRANDE DO PIAUI 36 1
CAMPO LARGO DO PIAUI 14 2
CAMPO MAIOR 546 9
CANTO DO BURITI 18 1
CAPITAO DE CAMPOS 23 0
CAPITAO GERVASIO OLIVEIRA 5 0
CARACOL 6 0
CARAUBAS DO PIAUI 27 0
CARIDADE DO PIAUI 9 0
CASTELO DO PIAUI 19 0
CAXINGO 17 0
COCAL 75 2
COCAL DE TELHA 27 0
COCAL DOS ALVES 2 0
COIVARAS 23 0
COLONIA DO GURGUEIA 5 1
COLONIA DO PIAUI 11 0
CORONEL JOSE DIAS 2 0
CORRENTE 34 0
CRISTINO CASTRO 3 1
CURIMATA 24 0
CURRAL NOVO DO PIAUI 2 0
CURRALINHOS 12 0
DEMERVAL LOBAO 258 2
DIRCEU ARCOVERDE 33 0
DOM EXPEDITO LOPES 28 0
DOM INOCENCIO 12 0
DOMINGOS MOURAO 1 0
ELESBAO VELOSO 52 3
ESPERANTINA 327 9
FARTURA DO PIAUI 3 0
FLORES DO PIAUI 1 1
FLORESTA DO PIAUI 5 0
FLORIANO 147 5
FRANCINOPOLIS 22 0
FRANCISCO AYRES 3 0
FRANCISCO SANTOS 15 0
FRONTEIRAS 60 0
GEMINIANO 1 0
GILBUES 9 0
GUADALUPE 6 0
HUGO NAPOLEAO 6 0
ILHA GRANDE 54 1
INHUMA 35 1
IPIRANGA DO PIAUI 16 0
ISAIAS COELHO 23 0
ITAINOPOLIS 5 0
ITAUEIRA 2 1
JAICOS 2 0
JATOBA DO PIAUI 3 0
JERUMENHA 2 0
JOAQUIM PIRES 42 0
JOCA MARQUES 8 0
JOSE DE FREITAS 113 3
JUAZEIRO DO PIAUI 9 0
JULIO BORGES 6 2
LAGOA ALEGRE 3 0
LAGOA DE SAO FRANCISCO 8 1
LAGOA DO BARRO DO PIAUI 78 0
LAGOA DO PIAUI 60 1
LAGOA DO SITIO 4 0
LAGOINHA DO PIAUI 25 0
LANDRI SALES 6 0
LUIS CORREIA 146 6
LUZILANDIA 297 7
MADEIRO 57 1
MANOEL EMIDIO 10 2
MARCOLANDIA 79 1
MARCOS PARENTE 5 0
MASSAPE DO PIAUI 1 0
MATIAS OLIMPIO 22 2
MIGUEL ALVES 171 4
MILTON BRANDAO 3 0
MONSENHOR GIL 56 2
MONSENHOR HIPOLITO 31 1
MONTE ALEGRE DO PIAUI 8 0
MORRO CABECA NO TEMPO 11 0
MORRO DO CHAPEU DO PIAUI 68 0
MURICI DOS PORTELAS 7 1
NAZARE DO PIAUI 1 0
NAZARIA 9 1
NOSSA SENHORA DE NAZARE 11 0
NOSSA SENHORA DOS REMEDIOS 64 2
NOVO ORIENTE DO PIAUI 1 0
NOVO SANTO ANTONIO 3 0
OEIRAS 147 0
OLHO DAGUA DO PIAUI 12 1
PADRE MARCOS 4 1
PAES LANDIM 1 0
PAJEU DO PIAUI 1 0
PALMEIRA DO PIAUI 3 0
PALMEIRAIS 6 2
PARNAGUA 4 0
PARNAIBA 2134 50
PASSAGEM FRANCA DO PIAUI 12 0
PATOS DO PIAUI 4 0
PAU DARCO DO PIAUI 25 0
PAULISTANA 19 0
PAVUSSU 7 1
PEDRO II 74 5
PEDRO LAURENTINO 5 0
PICOS 446 7
PIMENTEIRAS 99 1
PIO IX 16 1
PIRACURUCA 94 4
PIRIPIRI 251 6
PORTO 17 0
PRATA DO PIAUI 2 0
QUEIMADA NOVA 41 0
REDENCAO DO GURGUEIA 4 0
REGENERACAO 13 0
RIBEIRA DO PIAUI 4 0
RIBEIRO GONCALVES 92 2
RIO GRANDE DO PIAUI 13 1
SANTA CRUZ DO PIAUI 1 0
SANTA FILOMENA 2 0
SANTA LUZ 17 1
SANTA ROSA DO PIAUI 3 0
SANTANA DO PIAUI 4 0
SANTO ANTONIO DE LISBOA 3 0
SANTO ANTONIO DOS MILAGRES 1 0
SANTO INACIO DO PIAUI 2 0
SAO FRANCISCO DE ASSIS DO PIAUI 3 0
SAO FRANCISCO DO PIAUI 1 1
SAO GONCALO DO GURGUEIA 4 0
SAO GONCALO DO PIAUI 14 1
SAO JOAO DA CANABRAVA 2 0
SAO JOAO DA FRONTEIRA 11 0
SAO JOAO DA SERRA 9 0
SAO JOAO DO ARRAIAL 3 0
SAO JOAO DO PIAUI 17 0
SAO JOSE DO DIVINO 6 2
SAO JOSE DO PEIXE 5 0
SAO JOSE DO PIAUI 15 0
SAO JULIAO 11 1
SAO LOURENCO DO PIAUI 1 0
SAO LUIS DO PIAUI 1 0
SAO MIGUEL DA BAIXA GRANDE 2 0
SAO MIGUEL DO TAPUIO 3 0
SAO PEDRO DO PIAUI 23 0
SAO RAIMUNDO NONATO 255 3
SEBASTIAO BARROS 1 1
SIGEFREDO PACHECO 5 1
SIMOES 26 0
SIMPLICIO MENDES 20 0
SOCORRO DO PIAUI 2 1
SUSSUAPARA 9 0
TANQUE DO PIAUI 1 0
TERESINA 6305 301
UNIAO 216 6
URUCUI 190 4
VALENCA DO PIAUI 78 1
VARZEA BRANCA 3 1
VARZEA GRANDE 2 0
VERA MENDES 2 0
VILA NOVA DO PIAUI 36 0
WALL FERRAZ 3 0

Foram confirmados os primeiros casos em Barra D'Alcântara e Sebastião Barros. Agora são 197 municípios que têm ou tiveram pessoas infectadas pelo coronavírus - apenas 27 ainda não estão no mapa da covid-19.

Um bebê de dois meses e uma pessoa de 96 anos estão entre os novos infectados.

Situação hospitalar

As altas médicas nas últimas 24 horas superaram as internações pela primeira vez em duas semanas, segundo levantamento feito pelo Cidadeverde.com, com base nos dados divulgados pela Sesapi. Foram 33 pacientes liberados para voltar para casa (894 no acumulado). Outros 30 foram internados em leitos para tratamento de covid-19 (824 no total, três a menos que no dia anterior). 

A ocupação das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) atingiu seu maior número desde março - são 300 internados (71,6%). Outros 18 estão em leitos de estabilização (29,51%), e 506 em leitos clínicos (49,85%).

Somados UTI e estabilização, leitos que usam respiradores, a ocupação é de 66,25%.

 

cidadeverde