Na última quarta-feira, 13, o vice-prefeito de Floriano e pré-candidato ao executivo nas eleições de outubro de 2012, bioquímico Oscar Procópio, esteve visitando a redação do piauinoticias.com e falou do momento que é de decisão sobre quem será o seu vice. As informações levantadas pelo 'PN' confirmam que deve ser um  filiado do PT e os nomes citados são do professor Gilmar Duarte, ex-vereador e do também ex-parlamentar municipal Edvaldo Araújo, presidente do Partido dos Trabalhadores local.
 
 
Até o momento quem definiu o candidato a vice no município florianense foi o grupo liderado pelo PSB que tem o advogado Gilberto oscarprocopio62012Jr. como cabeça de chapa. O seu vice é o vereador presidente da Câmara Municipal, Salomão Holanda (PRB).
 
 
Na entrevista cedida ao piauinoticias (PN) o petebista Oscar Procópio (OP/imagem) respondeu a algumas indagações.

PN: Como o sr. Avalia dr. Oscar, o processo eleitoral nesse momento, em que há uma discussão em relação as pré-candidaturas, não só de prefeitos como também de vereadores?


OP: O processo está começando a evoluir com mais intensidade como rege a legislação e temos um prazo para realizarmos as convenções e evidentemente fazer as definições de candidaturas. Estamos fazendo nosso trabalho, mantendo contato com outros partidos além de estarmos constantemente conversando com os partidos que já fazem parte do nosso grupo. Estamos em contato também com a comunidade, ouvindo as pessoas tanto da zona rural, quanto na urbana e graças a Deus por onde a gente tem passado temos tido uma aceitação muita boa e esse é o nosso trabalho. Nosso compromisso com Floriano é o de se unir as pessoas, as entidades, que queiram realmente o melhor para a cidade e nossa pretensão sempre foi essa de trabalhar, para dar nossa contribuição caso sejamos eleitos. Esperamos e queremos o melhor para nossa querida Princesa do Sul.


PN: Nós já temos uma definição de pré-candidato a vice de um grupo político local. Quanto ao grupo que é liderado pelo prefeito Joel Rodrigues e que tem Oscar Procópio com pré-candidato a prefeito, como é que está essa questão da pré-candidatura a vice?


OP: Nós estamos tratando essa questão no partido com muita tranquilidade, temos bons nomes que podem compor a nossa chapa, temos a indicação de alguns partidos em relação a candidatura de vice, mas esse é um assunto que está sendo tratado no seio do grupo pelos partidos e com certeza iremos chegar a uma decisão que vai enriquecer muito a nossa chapa e partiremos pra eleição com muita firmeza. O nosso propósito maior é de formar uma chapa vencedora, para que a gente dê continuidade a esse trabalho, faça muito mais e avance, pois Floriano tem muita coisa boa e, é com esse pretexto que nós estamos aí abraçando essa causa pra fazer de Floriano a cidade que tanto queremos.


PN: Hoje existem vários partidos que apóiam o grupo liderado pelo Oscar Procópio e pelo prefeito Joel?


OP: Nós temos vários partidos que inclusive estão conversando com outros grupos partidários e que provavelmente se unirão a nós. Com relação a nossa proposta e a nossa maneira de estar conduzindo o processo, isso tem sido muito bom. As pessoas tem nos procurado com frequência, nos convidam para ir até as suas casas para comunicar apoio e espero que isso seja uma crescente, ou seja, que cada vez mais a gente se una àqueles que queiram trabalhar por Floriano.



No final da entrevista o vice-prefeito e pré-candidato ao executivo nas eleições de outubro, petebista Oscar Procópio disse que as pessoas saberão avaliar os melhores nomes para administrar o município a partir de 1º de janeiro de 2013.




Da redação
IMAGEM: piauinoticias.com


Depois da autorização da secretária Nacional de Políticas Sobre Drogas, do Ministério da Justiça, Paulina Duarte, para a execução de projetos da Secretaria da Assistência Social e Cidadania (Sasc), que beneficiam comunidades terapêuticas no Estado do Piauí, o secretário Francisco Guedes e a sua equipe técnica estão visitando os locais que serão contemplados.

 

O projeto é resultante de uma emenda parlamentar do senador Wellignton Dias, no valor de R$ 2 milhões, e contempla 13 comunidades terapêuticas que trabalham com tratamento de dependentes de álcool e outras drogas: Oficina da Vida , Betesda, Casa do Oleiro, Instituto Semeando Vida (Inservi), Filho Pródigo, em Teresina; Fazenda Esperança de Oeiras, Associação de Desenvolvimento e Produção Casa de Compadre, em Pedro II; Monte Tabor, em Piripiri; Fazenda da Paz (Unidade Feminina), Fazenda da Paz (Luz e Vida), Casa de Vida Verdadeira, em Água Branca; Associação Desafio Jovem do Piauí e Comunidade Peniel, em Floriano; além de duas instituições de Acolhimento Abrigo Masculino e Abrigo Feminino, sob a responsabilidade da Sasc.

 

Na primeira visita, em Floriano, às Comunidades Peniel e Desafio Jovem, os responsáveis pelo trabalho apresentaram a rotina de antonioliveirapr1462012cada um dos locais, que é baseado na espiritualidade, em laboterapia e atividades de lazer e inclusão social.



“Este projeto da Sasc, com emenda do senador, é uma graça em nossa vida, pois até hoje não temos auxílio fixo do poder público, nos mantemos com doações, ajuda das famílias dos internos e boa vontade de empresários e da sociedade em geral. A ajuda veio em boa hora, esta é uma iniciativa louvável”, destaca o coordenador da Comunidade Peniel, pastor Antônio Oliveira (imagem).

 


Depois de conhecer a sede da Comunidade, que funciona numa propriedade emprestada por um empresário local, o secretário Francisco Guedes explicou que através do projeto, o recurso será viabilizado para estruturação da Casa, aquisição de veículo e realização de um curso profissionalizante de marcenaria. “Estamos somando esforços para contribuir com este trabalho de tratamento de dependência química em várias regiões do Estado. Investimos nas comunidades terapêuticas porque acreditamos no resultado positivo”, finalizou.



Governodoestado

IMAGEM: piauinoticias.com

O Ministério Público do Estado do Piauí, através da 3ª Promotoria de Justiça de São Raimundo Nonato, ajuizou ação civil pública cautelar buscando obrigar a empresa Agespisa a abastecer todos os caminhões-pipa contratados pelo Exército com a água extraída dos poços da localidade Serra Branca, a fim de evitar o desabastecimento da zona rural dos municípios atingidos pela forte estiagem que atinge o semiárido piauiense.



Com a demanda, houve a desativação provisória do poço que atendia os caminhões, em razão da quebra da bomba.



O conserto levará pelo menos 15 dias. “O fato causou extrema preocupação diante da inexistência de alternativa viável para o abastecimento”, informou o promotor de Justiça João Batista de Castro Filho.



Os proprietários dos caminhões-pipa realizaram no último dia 13 uma grande manifestação na principal avenida da cidade, parando o trânsito no local com aproximadamente 60 veículos. O movimento culminou em reunião na sede da Agespisa, com a presença do representante do MP-PI, mas os interessados não chegaram a um acordo.



“As famílias da zona rural já se encontram bastante fragilizadas pela perda total de suas lavouras e de parte dos animais, não sendo possível, pela realidade enfrentada atualmente, a suspensão, ainda que provisória, do fornecimento de água para abastecimento das cisternas. Isso acarretaria riscos iminentes à própria sobrevivência”, argumentou o Promotor de Justiça.




Sávia Barreto


cironogueiraNessa quinta-feira, 14, a CPI do bicheiro Carlinhos Cachoeira quebrou os sigilos dos governadores de Goiás e do Distrito Federal. Eles foram ouvidos esta semana e já tinham concordado com a medida.  A decisão foi unânime: o sigilo fiscal, das contas bancárias, telefônicas, das mensagens de celular e da internet dos governadores Marconi Perillo (PSDB) e Agnelo Queiroz (PT) será quebrado pelo prazo de dez anos.

 


A CPI também aprovou a quebra de sigilo da Excitant Confecções, emitente dos cheques de R$ 1,4 milhão pagos na venda da casa do governador Marconi Perillo. E foram convocados para depor Andressa Mendonça, mulher de Carlinhos Cachoeira; Lúcio Fiúza, ex-assessor de Marconi Perillo; e o jornalista Luiz Carlos Bordoni. Mas a grande expectativa de ontem era para a votação dos requerimentos de convocação de Fernando Cavendish, diretor licenciado da construtora Delta, e de Luiz Antonio Pagot, ex-diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

 


Havia 11 requerimentos pedindo a convocação de Fernando Cavendish e outros oito pedindo a convocação de Luiz Antonio Pagot. Mas o relator da CPI, deputado Odair Cunha, encaminhou voto pedindo o adiamento das convocações. Para Odair Cunha, antes de ouvir Cavendish e Pagot é preciso analisar os documentos que já chegaram à CPI. Parlamentares contra e a favor discutiram em plenário.

 


“Não ouvir neste momento o Pagot e o Cavendish, com todo respeito ao relator, é transformar isso numa CPI café com leite, numa CPI que não quer chegar a um bom resultado.”, afirmou Pedro Taques. “Essa CPI tem que examinar a organização criminosa do senhor Cachoeira. Então, é um erro político sairmos daqui com a convocação do Pagot”, destacou o deputado Cândido Vacarezza (PT-SP).

 


Os requerimentos foram derrotados. O relator teve que dar explicações.

 

“Nós não rejeitamos a convocação do Cavendish. Nós simplesmente não decidimos esse tema nessa data. Vamos fazê-lo mais adiante”, diz o relator da CPMI, deputado Odair Cunha (PT-MG).

 


O deputado Miro Teixeira apresentou um requerimento de informação sobre um suposto encontro de parlamentares com Fernando Cavendish, em Paris, no início de abril.

 


“Eu quero saber se houve uma delegação de parlamentares a um país africano. Saber se pela época da Semana Santa alguns estavam voltando por Paris. E procurar saber se almoçaram com Fernando Cavendish, e, entre esses, se algum participa dessa comissão”, afirmou o deputado Miro Teixeira (PDT-RJ).

 


O senador Ciro Nogueira, do PP do Piauí, confirmou que esteve em Paris com Fernando Cavendish, na Semana Santa. Mas disse que o encontro foi casual, sem agendamento prévio, num restaurante da capital francesa. Ciro Nogueira faz parte da CPI e votou nessa quinta pelo adiamento da convocação de Cavendish e de Luiz Antonio Pagot.




Jornal Nacional