Muitas das ruas do centro e de bairros de Floriano-PI estão às escuras, situação que proporciona aos desocupados facilidades no momento de colocar as ações criminosas em prática. 


As reclamações surgem a todo o momento e as pessoas não sabem mais a quem recorrer, pois quando procuram a Eletrobrás, os servidores do órgão afirmam que essa é uma obrigação da Prefeitura, e quando esses populares que estão se sentindo prejudicados procuram o órgão do executivo não há quem possa resolver o ruaescuraproblema.
 
 
 

 Nessa última semana moradores do bairro Santa Rita procuraram o piauinoticias.com para denunciar o descaso que vem ocorrendo. Joilson Castro Lima, morador da referida comunidade,  numa denuncia ao PN disse, “eu gostaria de reclamar sobre a iluminação pública que agente paga e não tem, já fui lá (Prefeitura) não sei quantas vezes e eles falam que não tem material,  eu e os meus vizinhos nos juntamos e compramos o material para ser colocado em alguns postes da nossa rua e agente liga pra lá, e eles ficam só nos enganando. Lá na Ouvidoria ninguém atende o telefone,  gostaria de saber os motivos que eles fazem isso com agente, já fui lá e terminei falando com algumas pessoas e disseram que vinham mas nunca aparecem”, disse Joilson afirmando que o problema vem se arrastando desde o ano passado.




O local onde reside esse morador e outras pessoas que estão revoltadas com a situação é num trecho da Rua Projetada, na altura do número 405, bairro Santa Rita.


Além de lâmpadas outros produtos foram comprados para serem colocados nos postes, disse Joilson que é um pequeno comerciante e afirmou ainda que no começo da noite tem que fechar o comércio para evitar de ser roubado, já que segundo ele, a falta de iluminação contribuem para as ações criminosas.O bairro de onde parte a denúncia mora uma das autoridades do judiciário florianense.
 
 
 
 
Da redação
IMAGEM: ilustrativa
As primeiras quatro sessões ordinárias referentes a primeira quinzena do mês de maio foram realizadas no plenário da Câmara Municipal até a última sexta-feira, 04. Os parlamentares tem feito reivindicações  quanto às melhorias em infraestrutura, educação, saúde e em outros setores do município.


As próximas Sessões Ordinárias acontecerão nos dias 16, 17,18 e 19 de maio. O presidente da Câmara Municipal Salomão Holanda (PRB) falou em tribuna que está cumprindo a missão que Deus o deu e que vai continuar com a maior tranqüilidade possível. 


“Cheguei aqui com 14 anos e acredito que nesse período só venho construindo amizades e vou continuar construindo. Com muita certeza que estou nessa Casa completando meu segundo mandato e fazendo aqui um trabalho de agente político vou continuar representando o povo de minha cidade com a maior tranqüilidade possível”, afirma Salomão Holanda.
 
 


Os vereadores procuram fazer o papel de fiscalizar o poder público, segundo Salomão Holanda. “Temos que estar vigilantes e os secretários têm que sair de seus gabinetes. Não dá mais para recebermos obras inacabadas que está no meio da estrada”, conclui o presidente.
 
 
 
Assessora parlamentar
Jaquelina Nascimento
A falta de transparência e a paralisação das obras do esgotamento sanitário em Floriano-PI têm sido alvo de críticas de parcela esgotdos vereadores e também da população.



Por iniciativa da vereadora Ana Cleide (DEM) está sendo proposta a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os “malfeitos na aplicação das verbas federais e utilização da obra”, segundo justificativa da própria vereadora democrata para a criação da Comissão.
 
 
Após meses de transtornos e milhões de reais gastos com a obra, tudo o que foi feito continua parado e sem justificativa para tanto.



O Tribunal de Contas da União já havia apontado inúmeros indícios de superfaturamento e ações em desacordo com o projeto original, mais um motivo apontado pela parlamentar para criação da CPI.  Segundo o regimento da casa, é necessário um quórum mínimo para que seja dado início às investigações.
 
 
 
FONTE: noticiasdefloriano

     

diasEm entrevista a um jornal desta segunda-feira,  7, o senador Wellington Dias (PT) falou do programa Brasil Maior, do qual é relator, que visa fortalecer a economia nacional. Ele também demonstrou estar preocupado com a greve dos professores do Estado e falou sobre a intervenção no diretório teresinense da sua legenda.

O parlamentar explica que o Brasil Maior é um projeto criado através das Medidas Provisórias 563 e 564, publicadas no dia 4 de abril do Diário Oficial da União, que criam incentivos para implantação de mais indústrias e comércios, além de incentivos de financiamentos subsidiados a juros baixos.

 

“O que estamos tentando fazer é gerar mais incentivo nas regiões de baixa renda per capita. Isso vai estimular as regiões que têm grande potencial e não tem desenvolvimento, como o Piauí”, explica. De acordo com a proposta, quanto menor a renda per capita de uma região, mais ela irá conceder incentivos. Segundo Wellington Dias, as MPs devem ser votadas até o dia 19 deste mês.

 

Professores

O senador afirmou que está tentando ajudar nas negociações do Governo do Estado com os professores, em greve há 70 dias. Ele diz que já conversou com o governador Wilson Martins e está tentando viabilizar uma forma de o Ministério da Educação enviar verbas para o Piauí, ainda que através do Fundeb não seja possível.

 

“Fui ao ministro (Aloízio) Mercadante e falei da dificuldade do Piauí. Ele perguntou uma saída, e, eu já havia conversado com o governador que me disse que tinha interesse de retomar as ajudas do MEC. A sugestão é fazer convênios com que tudo que seja despesa do Estado, como construção de escolas para liberar os recursos. Hoje vamos ter uma reunião técnica para consolidar a proposta e tratar desse tema. Espero que o ministro dê sinal verde para ajudar o Piauí em R$ 40 milhões”, explica.

 

cidadeverde