• Hospital Clinicor
  • Vamol
  • Roma

O cronista social Hayala (imagem), proprietário do Jornal Perfil, se sentiu mal na terça-feira, 17, e teve que ser levado às presas para o pronto socorro do Hospital Regional Tibério Nunes, bairro Manguinha, onde recebeu atendimento.

hayala

O comunicador social disse que ao repórter Carlos Iran, gerente comercial da Rádio Santa Clara AM, que estava em casa quando teve tonturas, e por pouco não desmaiou.

 


Hayala teve internado de terça à noite até essa sexta-feira, quando teve alta após receber atendimento. Disse ele, “de acordo com o médico Marcos Vinicius estou com o colesterol alto e preciso tomar alguns cuidados”.  O cronista está na emissora de rádio AM há cerca de 9 anos e pretende está de volta às suas atividades na segunda-feira, 23.

 

Da redação

IMAGEM: piauinoticias.com

O estresse causado pela correria do dia a dia, sobretudo nas grandes cidades brasileiras, provoca ansiedade entre as mulheres, o que se reflete em ganho de peso e prejuízo à beleza feminina, explica o endocrinologista do Grupo Hospitalar Conceição, ligado ao Ministério da Saúde, Airton Golbert.

O estresse gera sentimentos como angústia, nervosismo, ansiedade e pressa, que são adicionados à rotina das mulheres. Essa conjunção de fatores pode provocar uma série de problemas no corpo feminino de acordo com o médico.

- A ansiedade, principalmente para as pessoas que têm uma tendência para engordar, acaba fazendo com que as pessoas comam mais. E como nos hábitos de vida moderna, cada vez a gente faz menos exercícios físicos, se a gente comer mais e não gastar calorias, nós acabamos acumulando isso sob forma de gordura e vamos aumentar de peso. Então, essa é uma das grandes consequências do estresse do dia a dia.


Em entrevista à rádio do Ministério da Saúde, o endocrinologista explica que, quando a mulher notar distúrbios relacionados ao estresse, é preciso reavaliar as tarefas diárias e consultar a opinião de um especialista.

- Essas mulheres, em primeiro lugar devem consultar um médico, acho que isso é importante. Fazer uma avaliação médica, e se for o caso, se causado simplesmente por estresse, aí nós temos que reavaliar como é que está funcionando a vida das pessoas.

De acordo com o especialista, não existe um medicamento capaz de curar o estresse. A melhor alternativa é diminuir o ritmo das atividades profissionais diárias e tentar se divertir quando houver um tempo livre.

 

 

R7

O prefeito de Floriano, Joel Rodrigues (PTB), esteve sendo medicado nessa sexta-feira, 20, pelo ex-vereador e médico Hugo Leal.  Segundo informações, o gestor florianense se sentiu mal na quinta-feira e teve que abandonar suas obrigações como administrador da cidade e foi para casa procurar repouso.

O gestor estava sentindo dores de cabeça,  teve momentos de náuseas e ainda apresentava dificuldades para se alimentar. Alguns compromissos que estavam agendados foram cancelados. Ele deve passar por alguns exames para um diagnóstico do problema.

 

Da redação

calmantesDados divulgados nesta sexta-feira, 20, pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) mostram que os ansiolíticos foram os remédios de uso controlado mais consumidos pela população brasileira entre 2007 e 2010.

Usados para tratamento de ansiedade, três substâncias: Clonazepam, Bromazepan e Alprazolam ocuparam, nesta ordem, as três primeiras posições de venda.

O Clonazepam (Rivotril) atingiu 10,6 milhões de caixas vendidas apenas em 2010. O Bromazepam (Lexotan) teve 4,4 milhões de caixas comercializadas no ano passado. O Alprazolam chegou a 4,3 milhões de caixas vendidas no mesmo período.

O levantamento também calculou o gasto das famílias com essas substâncias em 2010. No caso do Clonazepam, o investimento dos brasileiros, se considerado o preço máximo ao consumidor e a menor faixa de imposto (12%) aplicável, pode chega a R$ 92,4 milhões. Os gastos com o Bromazepan e Alprazolam foram de R$ 60,2 milhões e R$ 139,6 milhões, respectivamente.

O boletim divulgado pela Anvisa a cada seis meses foi feito a partir de dados coletados em 41.032 farmácias de todo o país, o que representa 58,2% do total desse tipo de estabelecimento cadastrado na agência no ano passado.

 

Fonte:R7

Subcategorias