A Secretaria Municipal de Saúde, de Guadalupe-PI, divulgou na tarde desta segunda-feira 11/01, o novo Boletim Informativo quando aos casos da COVID-19.

De acordo com o boletim, o município já registra 130 casos em tratamento. Somente nesta segunda, 18 novos casos foram registrados.


A pasta da Saúde pede que a população continue seguinte as recomendações, evite aglomerações, usem máscara, saiam o mínimo possível e sigam recomendações de higiene, apesar de que algumas autoridades locais não seguindo essas orientações.

Populares denunciaram aglomerações num evento da prefeita Neidinha e de um vereador da cidade. Na cidade duas pessoas morreram após terem contraido a doença. A Vila Parnaiba é a comunidade mais afetada pelo novo coronavírus.

 O PN não conseguiu um contato ainda com a gestora local, nem com a pasta da Saúde.

Com informações do Francinaldo Publicidade

"Hoje, 11 de janeiro, fomos á capital do nosso Estado. Lá fomos recebidos no Palácio dos Leões pelo Governador em exercício Carlos Brandao. Fizemos várias reivindicações primordiais para nossa cidade, como exemplo, equipar o Hospital Barjonas Lobão para que possamos atender os pacientes do nosso município sem haver necessidade de transferir para a cidade vizinha que é Floriano-PI", as informações são da prefeita Claudimê Lima, de Barão de Grajaú-MA.

claudime08

 

Outra reivindicação importantíssima colocada em pauta, cida a prefeita, foi o problema constante da falta d'água e também, reivindicamos um Terminal Rodoviário para Barão de Grajaú para que as pessoas não fiquem esperando ônibus em meio a BR arriscando suas vidas.

claudime09

Claudimê teve um encontro de líder com o Fábio Gentil que é candidato a presidente da FAMEM (Federação dos Municípios do Estado do Maranhão).

claudime65

 

A FAMEM é uma entidade privada de caráter assistencial, sem fins lucrativos e de utilidade pública, sediada a Capital. "Vamos conseguir melhorias para nossa cidade e nosso povo", completou a gestora que estava acompanhada do esposo e ex-prefeito Raimundo Silva.

Da redação com informações da ASCOM

Deputados se mobilizam contra o fim do auxílio emergencial, cuja última parcela foi paga em dezembro de 2020. A prorrogação do auxílio é tema de diversos projetos em tramitação na Câmara dos Deputados.

Marcelo Pinto/A Plateia/Fotos Públicas

Economia - geral - auxílio emergencial coronavírus Covid-19 pandemia crise desemprego informalidade informais (filas Caixa Econômica Federal em Santana do Livramento-RS)

Pessoas fazem fila, durante pandemia, em frente à Caixa Econômica Federal

O auxílio emergencial é voltado para trabalhadores informais e autônomos, desempregados e pessoas de baixa renda. De abril a dezembro de 2020 foram pagas pelo governo federal nove parcelas: cinco de R$ 600 e quatro de R$ 300. Dados do Ministério da Cidadania apontam que foram gastos cerca de R$ 300 bilhões para pagar o auxílio e que cerca de 70 milhões de pessoas receberam pelo menos um pagamento.

O programa se esgotou em dezembro de 2020, quando também acabou o estado de calamidade reconhecido pelo Decreto Legislativo 6/20, que autorizou o governo a gastar mais para combater os efeitos da pandemia.

Prorrogações
O Projeto de Lei 5509/20, do deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS), prorroga o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 até o final do mês de março de 2021. Ele avalia que as consequências econômicas da pandemia não se esgotaram em dezembro de 2020 e que o auxílio emergencial foi fundamental para garantir dignidade a milhões de brasileiros sem emprego.

“Nesse momento tão difícil da vida do país e dos brasileiros, cabe ao Congresso Nacional exercer seu papel com responsabilidade e altivez, propondo iniciativas que possam nos conduzir para a saída desta grave crise sem sobressaltos institucionais”, afirmou.

O Projeto de Lei 5536/20, do deputado André Janones (Avante-MG), também prorroga o pagamento de R$ 600 até 31 de março de 2021. “É a única ação eficaz adotada para proteger a renda dos trabalhadores, que garante a segurança alimentar das famílias e gera impactos positivos na atividade econômica”, defendeu.

A prorrogação até abril de 2021 dos pagamentos de R$ 600 é o que determina o Projeto de Lei 5650/20, do deputado Chiquinho Brazão (Avante-RJ). “As famílias brasileiras ainda precisam de ajuda do Poder Público para continuar sustentando seus lares”, afirmou.

Já o Projeto de Lei 5514/20, do deputado Fábio Henrique (PDT-SE), propõe a ampliação dos pagamentos até 30 de junho de 2021, com parcelas de R$ 600. “O pagamento do auxílio emergencial consecutivo possibilitará que a economia do País não entre em colapso na depressão causada pela pandemia de Covid-19”, defendeu.

Fábio Henrique reconheceu, no entanto, que os novos pagamentos dependem da prorrogação do estado de calamidade pública para que o governo federal possa gastar além das metas de endividamento.

Programa permanente
O Projeto de Lei 4715/20, do deputado Jesus Sérgio (PDT-AC), vai mais além: cria o Renda Básica de Cidadania, um programa permanente em substituição ao auxílio emergencial. O texto determina o pagamento de R$ 300 mensais a brasileiros maiores de 18 anos com renda familiar mensal per capita igual ou inferior a meio salário mínimo, limitado a dois benefícios por família.

Ele destaca que o auxílio emergencial se mostrou uma ferramenta de combate à pobreza. “O objetivo é reduzir o impacto social das últimas crises econômicas que afetaram o Brasil, notadamente aquela decorrente da pandemia de covid-19”, destacou.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Presidente da Comissão de Defesa do Meio Ambiente da Assembleia Legislativa do Piauí, a deputada estadual Teresa Britto (PV) vistoriou, nesta segunda-feira (11), as condições do Parque Zoobotânico de Teresina.

Durante a fiscalização, a parlamentar constatou a falta de limpeza do local há vários dias, além do abandono dos boxes da Praça de Alimentação e falta de abrigo para animais como os macacos.

alepisa
“Em vez de cuidar dos animais e de demandas urgentes que o Parque necessita, a secretária de Meio Ambiente manda pintar os portões e a fachada da entrada do Zoobotânico para maquiar a real situação do Parque. Encontramos muito lixo acumulado, falta de manutenção e até maus-tratos a alguns animais, já que alguns viveiros não têm abrigo”, diz.

A parlamentar havia recebido denúncias de falta de alimento para os animais, mas pôde constatar, durante a vistoria, que o fornecimento da alimentação está regular.

Teresa Britto afirmou, ainda, que irá encaminhar um relatório à Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semar) para contratação de mais profissionais para auxiliar na manutenção do Parque. “São necessários pelo menos dez pessoas para auxiliar na limpeza diária, dois zeladores, três tratadores de animais e dois veterinários. O Parque Zoobotânico é um patrimônio de Teresina e do Piauí e precisa ter a atenção necessária por parte do Poder Público”, conclui.

alepi

Subcategorias