Na manhã deste domingo, o Brasil enfrentou a Jamaica na primeira partida das duas equipes na Copa do Mundo Feminina da França e venceu por 3 a 0.

Desde o início do jogo, a Seleção Brasileira adotou uma postura muito agressiva e ofensiva, e poderia ter conquistado um resultado ainda mais elástico se não fossem as chances desperdiçadas sobretudo no primeiro tempo, inclusive com um pênalti perdido por Andressa Alves. O grande destaque da partida ficou por conta de Cristiane, que marcou os três gols brasileiros, sendo um deles em cobrança de falta.

Com o resultado, o Brasil ocupa a liderança do grupo C, com os mesmos três pontos da Itália. A vantagem brasileira, portanto, fica no saldo de gols, uma vez que as italianas marcaram dois e tomaram um.

O Brasil volta a entrar em campo na próxima quinta-feira, dia 13/06, às 13h (horário de Brasília), diante da Austrália. A Jamaica, por sua vez, encara a Itália na próxima sexta-feira, também às 13h

Desde o início, a Seleção Brasileira deixou claro qual seria a estratégia: pressionar as adversárias. O time de Vadão optava por uma marcação alta, no campo da Jamaica, e muitas vezes conseguia tomar a posse de bola da intermediária para frente.

Logo aos sete minutos, o Brasil teve a primeira grande chance. Debinha recebeu ótima bola enfiada e ficou cara a cara com a goleira adversária. A camisa 9 tentou o drible para avançar livre para o fundo das redes, mas acabou desarmada.

Quando tinha a bola nos pés, as brasileiras apostavam muito nas jogadas de lado de campo e cruzamentos na área, e foi justamente dessa forma que o placar foi aberto. Aos 15 minutos, Andressa Alves recebeu na esquerda e levantou para Cristiane, que subiu mais que a zaga adversária para completar de cabeça e fazer 1 a 0.
Mesmo após o gol, a equipe manteve a estratégia ofensiva e seguiu criando. Aos 24, Debinha recebeu lançamento milimétrico de Andressa Alves e mais uma vez ficou cara a cara com a goleira Schneider. A camisa 9 ainda tinha Cristiane passando livre na direita, mas optou pelo chute e acabou desperdiçando a grande chance.

Aos poucos, muito timidamente, a Jamaica conseguia algumas chegadas. No entanto, todos os chutes vinham fracos de fora da área, evitando assim um trabalho maior para a goleira Bárbara. Enquanto isso, o Brasil seguia desperdiçando chances: aos 30 minutos, após cruzamento rasteiro na área, três jogadores apareceram livres, mas na tentativa de ajeitar a bola para quem chegava de trás, Cristiane errou o passe.

As brasileiras se mostravam muito superiores na partida, mas pecavam muito nos erros de passe sobretudo no terço final do campo. O 1 a 0 parecia pouco pelo volume de jogo apresentado, e aos 36 minutos surgiu a oportunidade ideal. Letícia tentou levantar na área e a bola parou no braço de Swaby, lance que, na visão da árbitra, configurou pênalti. Andressa Alves então foi para a cobrança, mas bateu fraco e a goleira Schneider foi buscar no canto esquerdo.

Após ir para o vestiário com um placar aquém do desempenho apresentado no primeiro tempo, o Brasil conseguiu o tão merecido segundo gol logo no início da etapa complementar. Aos quatro minutos, após cruzamento rasteiro na área, Cristiane apareceu na segunda trave para completar de carrinho. A zagueira jamaicana ainda interceptou, mas a bola já havia ultrapassado a linha.

Aos 11 e aos 15 minutos, a Jamaica conseguiu duas chegadas perigosas em cruzamentos. Nos dois casos, a goleira brasileira bárbara saiu mal do gol, mas conseguiu se recuperar na sequência.

Aos 18 minutos, o Brasil teve falta perigosa na entrada da área, e Cristiane, inspirada na partida, foi para bola. A camisa 11 bateu no canto da goleira, a bola explodiu no travessão, bateu no chão e saiu, mas, novamente, não houve dúvidas de que a linha havia sido ultrapassada, e a árbitra confirmou mais um gol brasileiro.
Com o jogo praticamente resolvido, o técnico Vadão passou a promover algumas alterações no time, a fim de preservar as jogadoras para a sequência da competição. Dona do jogo, Cristiane saiu para a entrada de Ludmila, enquanto Geyse substituiu Bia Zaneratto.

A dupla, inclusive, entrou colocando ainda mais gás na partida e quase foi responsável por ampliar a vantagem. Aos 33 minutos, Geyse pressionou a defesa jamaicana, recuperou a posse de bola e rolou para a chegada de Ludmila. A atacante, contudo, um pouco desequilibrada, chegou finalizando e mandou para fora.

Depois da pressão feita por Geyse, aos 41 foi a vez de Ludmila recuperar a posse de bola no campo de ataque. A camisa 19 realizou um desarme na intermediária, avançou e finalizou da entrada da área, mas a bola foi para fora e o placar ficou mesmo em 3 a 0 para o Brasil.

FICHA TÉCNICA

BRASIL 3 X 0 JAMAICA

Local: Estádio dos Alpes, em Grenoble (França)

Data: 9 de junho de 2019 (Domingo)

Horário: 10h30(de Brasília)

Árbitro: Riem Hussein (Alemanha)

Assistentes: Kylie Cockburn (Escócia), Mihaela Tepusa (Romênia) e Kateryna Monzul (Ucrânia)

VAR: Bastian Dankert (Alemanha)

Cartões amarelos: Plummer (Jamaica), Formiga e Daiane (Brasil)

Cartão vermelho:

Gols: Brasil: Cristiane, aos 15 minutos do primeiro tempo e aos quatro e aos 18 do segundo tempo

BRASIL: Bárbara, Leticia Santos, Kathellen (Daiane), Mônica e Tamires; Thaisa, Formiga e Andressa Alves; Debinha, Bia Zaneratto (Geyse) e Cristiane (Ludmila)

Técnico: Vadão

JAMAICA: Sydney Schneider, Bond-Flasza, Plummer, Allyson Swaby e Blackwood; Matthews (Brown), Solaun e Chantelle Swaby; Sweatman, Carter (Cameron) e Shaw

Técnico: Hue Menzies

 

Gazetaesportiva

copaA CBF sorteia na tarde desta segunda-feira os confrontos das quartas de final da Copa do Brasil. O evento terá início às 15h (de Brasília), na sede da entidade, no Rio de Janeiro. O GloboEsporte.com vai transmitir ao vivo e em Tempo Real.


Após o sorteio dos confrontos, serão definidos os mandos de campo, também através de sorteio. As datas definidas para as partidas são os dias 10 e 17 de julho, logo após o fim da Copa América, marcado para o dia 7.

As oito equipes classificadas são: Athletico-PR, Atlético-MG, Bahia, Cruzeiro, Flamengo, Grêmio, Internacional e Palmeiras.

 

 

 

GE

Foto: Twitter da CBF

brasA seleção brasileira não teve o menor trabalho para bater a fraca equipe hondurenha neste domingo (9), no último amistoso antes da estreia na Copa América 2019. Gabriel Jesus (2), Thiago Silva, Philippe Coutinho, David Neres, Roberto Firmino e Richarlison construíram o 7 a 0, no Beira-Rio, em Porto Alegre (RS). Foi o maior placar da Era Tite.

Agora, o time do técnico Tite se prepara para a abertura da competição continental. O Brasil estreia na sexta-feira, às 21h30 (de Brasília), contra a Bolívia, no Morumbi, em São Paulo. Ainda pelo Grupo A, a equipe enfrenta Venezuela e Peru na primeira fase.


Para mais uma partida sem grandes dificuldades — o time também não foi verdadeiramente testado contra o Qatar — o Brasil precisava se livrar da sombra de Neymar. Não só pela ruptura de tendão que o tirou da Copa América (o Paris Saint-Germain falou em ‘torção’), como também pela acusação de estupro do jogador à modelo Najila Trindade. David Neres ocupou a posição de Neymar, e correspondeu com seu primeiro gol pela seleção.


Desde os primeiros minutos não haveria dúvida de que seria um passeio. Restava saber se esse passeio superaria aqueles 8 a 0 sobre a China, ainda em 2012, com Mano Menezes de técnico. No primeiro tempo, Gabriel Jesus, Thiago Silva, Philippe Coutinho e Richarlison balançaram as redes. Pelo lado de Honduras, o atacante Quioto foi expulso por falta dura em Arthur.

Já na etapa final, Gabriel Jesus, David Neres, Roberto Firmino e Richarlison fizeram a alegria para o público aquém do esperado no Beira-Rio: 16.521 pessoas estiveram presentes, para uma renda de R$ 1.202.890.

A Copa América será disputada de 14 de junho a 7 de julho, em cinco cidades brasileiros (Belo Horizonte, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo). Além das dez seleções do continente, Japão e Qatar são os convidados.
BRASIL 7 x 0 HONUDRAS

Data/Hora: 09/06/2019, às 16h (de Brasília)
Local: Beira-Rio, Porto Alegre (RS)
Público/Renda: 16.521/ R$ 1.202.890
Árbitro: Andrés Cunha (URU)
Auxiliares: Gabriel Popovits (URU) e Carlos Barrero (URU)
Árbitro de vídeo: Daniel Fedorczuk (URU)
Cartões amarelos: Casemiro (BRA); Rojas (HON)
Cartão vermelho: Quioto, 28’/1ºT (HON)

Gols: Gabriel Jesus (7’/1ºT, 1-0 e 1’/2ºT, 4-0), Thiago Silva (12’/1ºT, 2-0), Philippe Coutinho (36’/1º T, 3-0), David Neres (10’/2ºT, 5-0), Firmino (19’/2ºT, 6-0), Richarlison (24’/2ºT, 7-0)

BRASIL: Alisson; Daniel Alves, Marquinhos (Éder Militão, intervalo), Thiago Silva (Miranda, 31’/2ºT) e Filipe Luís; Casemiro (Fernandinho, intervalo), Arthur (Allan, 31’/1ºT) e Philippe Coutinho (Everton, 20’/2ºT); David Neres, Gabriel Jesus (Firmino, 8’/2ºT) e Richarlison. Técnico: Tite.

HONDURAS: Luis López; Crisanto, Henry Figueroa, Maynor Figueroa e Izaguirre (Alvarado, 34’/2ºT); Bryan Acosta (Jorge Alvárez, intervalo), Garrido (Castellanos, 26’/2ºT) e Alexander López (Beckeles, 26’/2ºT); Elis, Rojas (Chirinos, 2’/2ºT) e Quioto. Técnico: Fabián Coito.

 

R7

Foto: Diego Vara/Reuters

O Náutico numa disputa nesse domingo se sagrou-se campeão da II Copa Sul de Futebol que estava sendo realizada no interior de Floriano. A disputa foi com o Internacional.

5e54391c eaf8 4a17 8be5 665894088f83

A decisão foi nos pênaltis, após um empate em 0 x0 no tempo de jogo. O placar dos pênaltis foi de 4 x 2 para o Náutico.

O campeão ganhou o valor de R$ 2.000, mais troféu. Foram 11 equipes que tiveram na competição.

O goleiro menos vazado é Poquemon e os dois jogadores que se destacaram como artilheiros com o mesmo número de gol foram Rubinho e Edilson. O internacional ganhou uma premiação de R$ 1.000,00.

 18237253 8088 4f87 9288 512cf906413d

Da redação