sapatãoÉlcio Nogueira da Silva, conhecido popularmente como Sapatão, está internado em um hospital da Bahia em estado grave. O ex-zagueiro vinha tratando de problemas renais, através de hemodiálise, quando acabou sofrendo uma parada cardíaca. Ele está na UTI.

"Foi atleta meu durante sete temporadas e sempre se destacou como atleta tecnicamente de alto nível. Possuidor de qualidades invejáveis nas capacidades tática, moral e psicológica. A sua chefia e liderança aliada a essas capacidades ajudaram ao ECB sagrar-se campeão inúmeras vezes. Que Nosso Senhor do Bonfim lhe ajude a recuperar sua saúde", disse Nersival Menezes, ex-funcionário do Bahia nas décadas de 70 a 80.


Sapatão, 72 anos, começou a carreira no Flamengo e passou por clubes como Fluminense de Feira, Bahia, e Santa Cruz. Foi heptacampeão estadual pelo Tricolor.
Como treinador, começou no Ypiranga-BA e rodou por Camaçari, União São João, América-SE, e Botafogo-BA.

 

 

Futebolinterior

messiMessi treina diariamente em casa com o programa passado pelo Barcelona. Mesmo distante do cenário ideal, ele acredita que o pior é não ter jogos, portanto, as equipes vão precisar de um tempo a mais de trabalho conjunto para voltar a competir.

No Barcelona, Messi é campeão de tudo. Na Seleção Argentina principal, só bateu na trave. Após a eliminação para o Brasil na semifinal da Copa América de 2019, o craque foi um dos mais revoltados com possíveis erros de arbitragem, dizendo que o torneio estava armado para a seleção de Tite. A chance de levantar um caneco com a alviceleste seria na Copa América de 2020, que seria na Argentina e na Colômbia. O adiamento do evento para o ano que vem foi uma grande decepção para o camisa 10.

“A Copa América seria muito importante pra mim neste ano e eu estava extremamente animado para competir novamente. Foi um golpe duro quando soube que seria adiado, mas entendi completamente”.

A Copa América será disputada de 11 de junho a 11 de julho de 2021. O Campeonato Espanhol deve retornar na primeira quinzena de junho deste ano. Faltando 11 rodadas para o fim, o Barcelona é o líder da competição, com 58 pontos, dois a mais que o Real Madrid, segundo colocado.

 

Radio Naciona de Brasília/Agência Brasil

Foto: Reuters direitos reservados

veronO Palmeiras aguarda as determinações e protocolos de saúde para retomar os treinamentos presenciais, em São Paulo. Depois das férias antecipadas, os jogadores estão trabalhando de forma remota, ainda com restrições.


Retomamos o trabalho agora em maio numa boa condição à distância. Temos uma plataforma virtual, onde todos os jogadores e membros da comissão técnica se conectam e trabalham, passando uma carga física que é ministrada pelos nossos três profissionais de preparação, completamente municiados por todas as ferramentas que lhe dão segurança. Tudo é monitorado e nos mantém unidos, com um discurso único, mantendo a ideia de união, de família e com uma capacidade de interação de todos os participantes.

Você acha que existe uma forçação de barra para voltar com o futebol?

Estou feliz em estar num clube onde a voz de comando, desde o primeiro dia, foi em favor da saúde. Desenhamos três pilares e vamos respeitar o tempo de cada um deles. Nossa grande bandeira é saúde. Num segundo momento, a rediscussão financeira e num terceiro momento, será o técnico, com um condicionamento remoto e estudos de calendário. Existem realidades distintas e julgar os outros não compete a nós. O Palmeiras acha que a volta do futebol só deve ocorrer quando todas as questões de saúde estiverem sanadas.

Você faz alguma previsão?

Se o futebol em nível de competição, a partir de 14 de junho, não haverá um cenário igual para todos os Estados. Pegando 01 de julho como um data fictícia, jogando futebol todo domingo e quarta até 23 de dezembro, serão 51 datas e precisamos de 76. Se não mudarem as fórmulas das competições, os times jogarão a cada 48 horas, invadiremos janeiro de 2021. Meu foco está mais na busca por soluções para o retorno do que acreditar que não teremos competência para acharmos o reequilíbrio como Nação.

Há muitos prejuízos sem futebol?

O prejuízo financeiro é muito grande. Na ponta do lápis, aumenta todo dia. Tivemos perda na cota de TV em relação ao Brasileiro e ainda falta uma cota do Paulista. A receita do sócio-avanti caiu 20%, ainda assim é um dos times que mais conservou sua base de sócios. Nossas franquias das lojas passam por vendas baixas e isso afeta nossos royalties. Ter a receita zerada das rendas dos jogos nos dá um baque muito grande. Buscamos um acordo com os atletas de uma redução de 25% nos dois últimos meses com uma postergação de pagamento nos direitos de imagem. Por outro lado, temos um patrocinador master que manteve seus pagamentos intactos em toda sua integralidade. Tem perdas, mas trabalhamos diariamente para minimizá-las.

Palmeiras precisa negociar um jogador? Gabriel Verón tem propostas?

Essa necessidade vai passar por um estudo no final do segundo semestre. Uma das possibilidades é a venda de seus atletas. Ao Gabriel Verón, não existe nenhuma proposta oficial na mesa do Palmeiras, Sondagens, sim. Propostas, não.

Palmeiras quer o equatoriano Cazares, hoje no Galo?

Não.

E o lateral colombiano Daniel Muñoz?

Nosso rastreamento sul-americano nos dá algumas opções de mercado. Realmente, foi cogitado, mas não existe nenhuma operação no momento. Financeiramente, fazer contratações neste período, não é algo inteligente. Não estão em pauta neste momento.

 

yahooesporte

Foto: Bruno Ulivieri/AGIF

piaContratada em julho de 2019 para liderar uma 'reconstrução' da Seleção Brasileira Feminina - visando especialmente a próxima edição dos Jogos Olímpicos -, a sueca Pia Sundhage passa longe de estar na inércia durante o período de paralisação do calendário. O hiato tem sido de muito estudo, reuniões/encontros virtuais e até de premiações para a comandante.

Como destaca o Terra!, Pia participou ao longo da semana de diversas conferências virtuais com jogadoras e membros de comissões técnicas dos clubes brasileiros. O diálogo constante com as equipes nacionais é uma das formas de monitorar e ajudar no desenvolvimento da modalidade no país, além mostrar para as atletas que a distância para a Seleção Brasileira não é irreal, muito pelo contrário: todas estão sendo monitoradas de perto.


Em bate-papo com o elenco da Ferroviária - equipe que conquistou o Brasileirão Feminino em 2019 -, Pia revelou uma de suas principais preocupações neste primeiro ano de trabalho no país: "Precisamos entender o estilo que jogamos, que maneira o futebol brasileiro vem jogando. Posso trazer a mentalidade vencedora das americanas e a organização das suecas, mas não posso tirar o que as brasileiras têm de melhor. Precisamos entender isso e passar a informação da melhor maneira para que as atletas consigam ter o melhor aproveitamento. E entender que a sua responsabilidade é para trazer o melhor para o grupo. O fundamental é pensar no grupo", afirmou.

Pia ainda foi escolhida para receber o prêmio de 'Mulher Sueca de 2020', condecoração distribuída pela SWEA International, organização que acompanha o trabalho de mulheres públicas do país e suas contribuições.

 

esporteyahoo