vascbragaMudança de esquema, escalação diferente, time apático, equívocos individuais, apostas em jogadores que não vinham sendo relacionados e reclamação da arbitragem. Uma coleção de erros marcou a noite de quarta-feira do Vasco, que, com a acachapante derrota de 4 a 1 para o Bragantino, viu o risco de rebaixamento aumentar na reta final do Brasileirão.


Sem Henrique e Bruno Gomes, suspensos, Vanderlei Luxemburgo mudou peças e a forma de o time atuar. Sacou Pikachu e, ao dar chance a Caio Lopes, trocou o esquema com três atacantes por um com o meio mais povoado - Andrey e Neto Borges foram os substitutos da dupla de ausentes. Não deu certo.


O Vasco foi presa fácil. Levou o primeiro gol aos 14 minutos, Fernando Miguel evitou o segundo aos 22 e, sete mais tarde, a estratégia ruiu. Luxa teve o mérito de não demorar a agir, mas pouco adiantou: trocou Juninho por Pikachu, e o time continuou dominado. Marcava mal, não combatia e tampouco ameaçava o gol adversário.

Até o intervalo, além do 1 a 0, o Bragantino finalizou dez vezes e teve 61% de posse de bola. Claudinho e Arthur confundiram a marcação com intensa movimentação e troca de passes. O Vasco sempre corria atrás da bola.

Luxa, então, mudou de novo. Assim como no terceiro jogo neste retorno a São Januário abriu mão da forma de atuar, mexeu em um jogador que tem convicção desde 2019. Talles, pela segunda vez, foi substituído no vestiário - a primeira ocorreu na derrota para o Coritiba, uma rodada depois da boa atuação diante do Botafogo, a qual parecia indicar a volta da boa fase. O treinador, na coletiva pós-jogo, disse que a promessa precisa retomar a motivação e a vontade. Caio Lopes, a novidade na escalação, também não voltou para o segundo tempo.

As escolhas do técnico foram por dois jogadores que não entraram nas duas últimas rodadas. Com Carlinhos e Vinícius, o Vasco levou o 2 a 0, mas melhorou. Diminuiu com Pec, que aproveitou falha de Cleiton e ensaiou uma pressão, que acabou de existir com o terceiro gol. Aqui houve reclamação da direção por uma suposta falta em Andrey no começo do lance, o que contrasta com a baixa produção do time.

Com o 3 a 1 adverso, o Vasco perdeu as poucas forças que tinha. Os erros de Andrey na saída de bola ficaram evidentes, a falta de força física e de articulação ofensiva de Leo Gil saltaram aos olhos e Cano morreu de fome na frente.

Com a goleada, o Vasco estacionou nos 32 pontos e está em 16º lugar. Pode entrar no Z-4 caso o Fortaleza, que é o 17º e tem a mesma pontuação, não perca para o Santos. No sábado, recebe o Atlético-MG e, conforme anuncio de Luxa, terá Benítez como titular. Mas será preciso mais para melhorar, somar pontos e evitar aumentar ainda mais o risco de queda.

 

GE

Foto: Rafael Ribeiro/Vasco

A 30ª rodada do Campeonato Brasileiro será encerrada nesta quinta-feira com quatro jogos. Destaque para os finalistas da Libertadores que terão que "mudar a chave", além do atual campeão nacional que quer seguir na briga pelo título.


REEDIÇÃO DA "FINAL"!
O Flamengo, aliás, reeditará a "final" do Brasileirão do ano passado contra o Palmeiras. Por causa da decisão da Libertadores no Maracanã, o Mengo será obrigado a mandar o jogo no Mané Garrincha, em Brasília, às 19 horas.
O time do técnico Rogério Ceni vem de vitória, por 3 a 0, sobre o Goiás e soma 52 pontos, um a mais do que o Palmeiras, finalista da Liberta e animado pelos 4 a 0 sobre o rival Corinthians. O Verdão não perde há quatro rodadas.

FOCADO?
Um pouco abaixo está o Santos com 45 pontos, após duas vitórias seguidas, sendo a última sobre o Botafogo (2 a 1). O Peixe também deixa a Libertadores de lado para focar no Brasileirão. O desafio será contra o ameaçado Fortaleza, às 19 horas, no Castelão. Derrotado pelo Internacional, por 4 a 2, e sem vencer há oito jogos, o Tricolor soma 32 pontos.


Em São Paulo, às 21 horas, o Corinthians tentará se recuperar para seguir na briga pelo G6. O Timão, que nunca perdeu em seu estádio para o Sport, acumula 42 pontos. O Sport, enquanto isso, tem 32 pontos, e vem de duas derrotas consecutivas após apanhar do Fluminense por 1 a 0.

ALERTA LIGADO!
Em Goiânia, às 19 horas, o Goiás quer se levantar após duas derrotas seguidas. Na zona de rebaixamento com 26 pontos, o Esmeraldino receberá o Ceará. O Vozão perdeu do Red Bull Bragantino e parou nos 39 pontos.

 

futebolinterior

interspA goleada sofrida por 5 a 1 para o Internacional vai deixar duras marcas na história do São Paulo. Isso porque a derrota é a pior da história do Tricolor no Brasileirão e também na história do Morumbi.


A última vez que o São Paulo tinha sofrido cinco gols no Morumbi havia sido em 2000, quando o Tricolor perdeu por 5 a 2 para o Flamengo, depois de abrir uma vantagem de 2 a 0, segundo o historiador Alexandre Giesbrecht.


Na história do Brasileirão, esta foi a 12ª vez que o São Paulo sofreu cinco gols ou mais na mesma partida. O maior revés sofrido foi um 7 a 2 para a Portuguesa, em 1998.

Das doze goleadas sofridas, somente duas aconteceram no estádio do São Paulo. Em 1969, o Atlético Mineiro goleou por 5 a 2, mas a derrota sofrida para o Internacional por 5 a 1 quebrou o recorde doloroso.

 

 

Lançe

O secretário Marcos Fernando, da área de Cultura, Esportes e Lazer, de Arraial-PI, concedeu nessa quarta-feira, 20,  uma entrevista, por telefone, ao Piauí Notícias.

Uma das novas autoridades da cidade arraialense que é um desportista está com planos e projetos que visam dar um novo rumo a questão da prática de várias esportes na cidade.

marcos

Após estudos, o secretário Marcos (à direita) vem procurando ter reuniões com possíveis parceiros e discutindo meios que possam ajudar a gestão com projetos.

Já nesta semana o Marcos teve uma reunião com o secretário de Esportes, Cultura e Lazer o senhor Júnior (à esquerda), da cidade de Francisco Ayres

Arraial vem sendo administrada, após assumir a Prefeitura em 1º de janeiro passado, pelo prefeito Aldenes Barroso e pelo vice-prefeito que é um profissional em saúde o Dr. Borges.  Ouça a entrevista com o secretário Marcos.

Da redação