Uma nova pílula anticoncepcional está em fase de aprovação na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e sua fórmula vem com o propósito de reduzir o risco de trombose e de não causar um impacto negativo ao corpo das mulheres. Segundo a “Veja Saúde”, esse novo fármaco já é utilizado, desde 2021, na Europa e a previsão é que ao Brasil entre 2023 e 2024 com o nome de Nextela, conforme informou a fabricante Libbs.

anticocpecional

A principal razão por trás de mulheres fumantes ou com predisposição genética correrem o risco de sofrer trombose ao tomar pílulas está ligada ao fato de anticoncepcionais, em determinadas situações, afetarem substâncias anticoagulantes naturais do organismo, como disse a jornalista Fabiana Schiavon em matéria da “Veja Saúde”. No entanto, a população feminina no geral, a possibilidade de acontecer uma trombose é pequena. O que há de novo no tal medicamento é o fato de este ser feito a base de estetrol, um hormônio integrante do grupo dos estrogênios que nunca havia sido utilizado antes. Além dessa novidade, a pílula também contém drospirenona, do grupo da progesterona.

O chamado estetrol 4 trata-se de um hormônio encontrado no fígado do feto, e que se desloca para o sangue da mulher grávida. O ginecologista César Eduardo Fernandes, diretor científico da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), explica: “Ele foi descoberto nos anos 1960 e era usado para medir a saúde do bebê. Quanto mais estetrol, mais o feto é considerado saudável”.

Mais recentemente, após as pesquisas terem sido abandonadas por anos, iniciaram tentativas para produzir um similar sintético desse hormônio e conseguiram chegar a um modelo bioidêntico em laboratório.

A ginecologista Paula Fettback, especialista em reposição hormonal, em São Paulo e no Paraná, avalia que: “Como esse novo tipo de contraceptivo tem um estrogênio bioidêntico ao produzido no fígado, os efeitos colaterais nesse órgão são menores. Com isso, caem o risco de trombose e outras doenças […] Mas é importante observar os efeitos dos novos métodos que vão surgindo no mercado para garantir prescrições seguras e que estejam adequadas às necessidades de cada mulher”.

A jornalista Schiavon aponta para o fato de que, apesar de ser algo animador, os médicos indicam que vem de estudos com grupos pequenos. As pesquisas foram publicadas nos Estados Unidos, Canadá, Rússia e também em países da União Europeia, e nesses testes, o novo fármaco apresentou uma baixa interferência na função endócrina do indivíduo, nos índices de glicemia e de coagulação se comparado a efeitos de outros hormônios.

Paula Fettback conta que esse medicamento vem, também, sendo utilizado para aliviar os sintoma da menopausa. Além disso, entre os benefícios da reposição estão a prevenção da osteoporose de determinados subtipos de câncer de mama.

Quanto aos efeitos colaterais, os estudos indicam possíveis alterações no humor da pessoa, leves dores de cabeça e incômodos abdominais. A ginecologista explica que “mesmo assim, ele se mostra menos invasivo quando comparado a outras formulações”. César Eduardo Fernandes lembra que “desde o início, elas foram eficazes para impedir a ovulação, mas havia ainda problemas de segurança”.

Foi só com o passar do tempo que agências reguladoras pediram por contraceptivos produzidos com menores doses de estrogênio. Fernandes explica que chegaram a uma redução aceitável de casos de trombose, porém afirma que o risco ainda existe e que novas soluções são bem-vindas.

Lorena R7

Foto: Reprodução/Twitter @RevistaISTOE

A diretoria do Rotary “Princesa do Sul” esteve reunida na manhã desta segunda-feira (15), com a secretária de saúde, Caroline reis, e técnicas da Secretaria de Saúde, para fechar parceria na realização do Dia D contra Pólio e Multivacinação que será realizada em Floriano no próximo sábado, dia 20. O Rotary trabalha para erradicar a Pólio há mais de 35 anos. 

rotar5

A Poliomielite, comumente chamada de Pólio, é uma doença altamente contagiosa causada pelo Poliovírus selvagem. A grande maioria das infecções não produz sintomas, mas de 5 a 10 em cada 100 pessoas infectadas com esse vírus podem apresentar sintomas semelhantes aos da gripe.

rotar4

Em 1 a 200 casos, o vírus destrói partes do sistema nervoso causando paralisia permanente nas pernas ou braços. Embora muito raro, o vírus pode atacar as partes do cérebro que ajudam a respirar, o que pode levar à morte.

Embora o último caso confirmado de Poliomielite por Poliovírus selvagem na região das américas tenha ocorrido em 1991, a ameaça continua. Apesar dos esforços para sua erradicação, atualmente, em alguns países asiáticos, ainda existem crianças com paralisia permanente provocada por este vírus. Devido ao risco de importação, o principal fator de risco para que crianças menores de 5 anos adquiram a doença é a baixa cobertura vacinal.

Com informações da Organização Pan-Americana da Saúde.

A Secretaria de Estado da Saúde(Sesapi) confirmou mais dois casos de Varíola dos Macacos que estavam em investigação, totalizando três casos positivos no estado, sendo que um deles é de uma pessoa de São Paulo e deve ser registrado no estado de origem. Os novos casos confirmados são referentes a dois homens, sendo um deles residente em Teresina e o outro em São Paulo, mas que estava passando férias na capital piauiense.

variolmacaco

Com esses novos resultados, o Piauí passa a contabilizar seis casos descartados, dois casos positivos, um caso provável e mais 26 casos em investigação. As amostras que ainda seguem em investigação estão em análise no laboratório de referência do estado na Fiocruz.


Segundo o relatório da coordenação de epidemiologia da Sesapi, 17 municípios, de norte a sul do estado, já notificaram casos suspeitos, sendo Teresina e Parnaíba os municípios com maior número de registros até o momento. O Centro de Informações Estratégicas e Vigilância em Saúde do estado do Piauí (Cievs) segue acompanhando e monitorando todos os casos suspeitos notificados. “

Nós verificamos algumas informações baseadas nos dados de casos suspeitos notificados aqui no estado. Primeiramente, a maioria dos casos suspeitos estão em pessoas do sexo feminino, 21 casos. Além disso, quando olhamos a faixa etária, possuímos casos suspeitos em diversos grupos, mas 60% dos casos notificados estão na faixa etária de 15 a 39 anos “, fala a coordenadora do Cievs, Amélia Costa.

Segundo ela, com a confirmação dos novos casos é de fundamental importância a população ficar atenta aos sinais e sintomas da doença, e procurar os serviços de saúde do município caso a pessoa comece a detectar sintomas como febre, dor de cabeça, dor muscular e o surgimento de vesículas pelo corpo. “ Esses são os principais sintomas observados da doença nos casos já confirmados pelo mundo”, destaca Amélia. Ao mesmo tempo, caso seja confirmada a infecção, é essencial seguir o período de isolamento recomendado de 20 dias”, diz a coordenadora.

A epidemiologista destaca ainda que é essencial que todos os 224 municípios fiquem atentos a questão dos vínculos epidemiológicos.

“As vigilâncias dos municípios precisam acompanhar os casos suspeitos e confirmados, além de verificar constantemente os contatos que essas pessoas tiveram, alem de viagens e visitas realizadas, para que as medidas epidemiológicas adequadas sejam adotadas, buscando evitar o aumento de casos. Além disso, é preciso que a população continue adotando as medidas higiênico sanitárias já aprendidas durante a pandemia, evitar aglomeração, higiene pessoal, uso de máscara são modos de prevenir mais casos dentro do estado”, disse a coordenadora.

MN

Com o propósito de desenvolver vacinas eficazes para o combate a doenças como dengue e zika, pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP) têm explorado abordagens inovadoras. Os estudos, ainda em fase pré-clínica, contam com apoio da FAPESP por meio de diversos projetos.

arboviroses

No caso da dengue, tem sido desenvolvida uma “vacina de subunidade”, técnica que consiste em usar partes específicas do vírus para desencadear a resposta imune. Nesse caso, a subunidade escolhida foi a proteína viral NS1, já usada em testes diagnósticos e em outras formulações vacinais. Na pesquisa conduzida pelo grupo da professora Sílvia Boscardin, a NS1 do vírus da dengue foi guiada especificamente para as células dendríticas (também conhecidas como células apresentadoras de antígeno), que são potentes ativadoras do sistema imune.

Outra inovação é a aplicação pela via transcutânea, feita por meio de adesivos contendo antígenos do patógeno. “A estratégia de direcionar as proteínas para as células dendríticas fez com que a resposta de anticorpos anti-NS1 fosse potencializada nos camundongos imunizados e mantida por mais tempo nas amostras de sangue”, conta Lennon Ramos Pereira, pós-doutorando no ICB-USP e primeiro autor de um estudo divulgado na revista Vaccines.

Segundo o pesquisador, os resultados apontaram uma melhora da resposta imune sem que houvesse efeitos colaterais. “Além disso, as formulações desenvolvidas, principalmente quando administradas pela via intradérmica, evitaram a produção de anticorpos com potencial de causar danos teciduais, aumentando a segurança do imunizante.” Pereira também assina um artigo que descreve o desenvolvimento de uma vacina genética contra o vírus zika – possível de ser adaptada para o combate à dengue. Os dados foram divulgados no periódico Frontiers in Medical Technology.

“De forma inédita, desenvolvemos uma vacina de DNA baseada na sequência da proteína NS1 do zika fusionada geneticamente a outra proteína viral [a glicoproteína D do vírus herpes simples tipo 1], com potencial para ativar o sistema imunológico. Essa estratégia foi capaz de aumentar a resposta imunológica e dobrar a proteção contra a infecção pelo vírus zika em animais imunizados. Além disso, a tecnologia é plenamente adaptável para outras doenças”, conta Pereira.

Em um terceiro artigo, divulgado na revista Viruses, os pesquisadores do ICB-USP relatam que a vacina transcutânea que utiliza o vírus da dengue como antígeno alcançou uma eficácia de proteção entre 80% e 100% nos testes com camundongos.

“A pele é um órgão imunologicamente ativo, ou seja, é capaz de responder a uma infecção tão bem quanto o tecido intramuscular, local onde as vacinas geralmente são injetadas”, explica o pós-doutorando Robert Andreata-Santos, primeiro autor do estudo.

Segundo ele, trata-se de uma técnica promissora para diminuir o déficit vacinal entre pessoas que se recusam a receber vacinas por meio de injeções com agulhas. Além disso, poderia reduzir custos relacionados com a aquisição de insumos, como seringas e agulhas. Plataformas tecnológicas

O professor do ICB Luís Carlos de Souza Ferreira afirma ser muito importante ter diferentes plataformas tecnológicas para se alcançar o mesmo objetivo de vacinação.

“Isso ajuda a suprir a demanda e possibilita a utilização sinérgica das vacinas”, afirma ele, explicando que essas tecnologias podem ser aplicadas de maneira conjunta, intercalando entre as doses necessárias, a exemplo do que ocorre nas imunizações contra a Covid-19.

Segundo Ferreira, há várias iniciativas no mundo e no Brasil que buscam uma vacina contra a dengue. “A Dengvaxia, da fabricante Sanofi-Pasteur, é a única aprovada em território nacional, mas por ter baixa eficácia em indivíduos que não tenham sido expostos ao vírus da dengue previamente vem sendo aplicada apenas em instituições privadas”, conta.

Outros imunizantes mais eficazes estão em estágio avançado de desenvolvimento, lembra o pesquisador. “As vacinas da fabricante Takeda, a TAK-003, e do Instituto Butantan, em parceria com o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos, já se mostraram bem-sucedidas em testes clínicos e foram submetidas à aprovação da Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária].”

Agência Fapesp

Foto: Divulgação ICB/USP