• Hospital Clinicor
  • Vamol
  • Roma

bebeOs bebês que nascem prematuros por apenas algumas semanas têm um risco ligeiramente maior de ter problemas de saúde na infância, indica uma pesquisa.


Os autores do estudo dizem que ele desafia visões estabelecidas de que os bebês nascidos depois de 37 semanas têm um desenvolvimento de longo prazo semelhante àqueles nascidos no período normal de 40 semanas de gestação.


A pesquisa, publicada na revista científica British Medical Journal, foi realizada junto a 14 mil crianças, nascidas há dez anos, até atingirem 5 anos de idade. O estudo verificou as condições de saúde dos bebês, incluindo internações hospitalares e doenças como asma.


Trabalhos anteriores se concentraram em bebês nascidos muito prematuramente, antes de 32 semanas de gestação.


Mas este estudo indica que a maioria dos prematuros, composta por crianças nascidas com poucas semanas de antecedência, também precisa de uma atenção extra.


A pesquisa aponta que os bebês nascidos antes de 39 semanas têm um risco ligeiramente maior de ter problemas de saúde até os 5 anos. Quanto mais cedo o bebê nasce, segundo o estudo, maior é o risco.


Por exemplo, enquanto 15% dos bebês nascidos após uma gestação completa apresentaram asma ou chiado no peito, o número sobe para 17% para aqueles nascidos prematuros de algumas semanas. Além disso, estes bebês desenvolveram uma tendência levemente maior de parar no hospital.


Os autores do estudo, no entanto, afirmam que os pais não devem ser preocupar com o que consideram uma chance modestamente maior de seus filhos prematuros contraírem doenças. Para os cientistas, o trabalho deve ser usado para questionar o nível de cuidado dado a essas famílias.


"Gradiente de risco"

A pesquisa foi realizada pelas universidades de Leicester, Liverpool, Oxford e Warwick, além da Unidade Nacional de Epidemiologia Perinatal da Grã-Bretanha.


"Nós descobrimos que não é mais apropriado, como fizemos anteriormente, considerar os bebês como ou nascidos no tempo certo ou prematuros", diz a médica Elaine Boyle, da Universidade de Leicester.


- O que nós descobrimos é que existe um gradiente de risco crescente para a saúde com a crescente prematuridade, mas o risco se estende até pouco antes do tempo em que o bebê deveria ter nascido.


O executivo-chefe da instituição de caridade britânica Bliss, Andy Cole, recebeu bem a pesquisa.


"Este estudo lança luz sobre a necessidade de dar o melhor cuidado possível a todos os bebês prematuros", disse.


- Os bebês nascidos antes do tempo estão sob maior risco de contrair doenças como asma na infância, e devem ser submetidos a exames regulares para garantir que continuem saudáveis.




BBC

O lúpus é uma doença autoimune (quando o sistema de defesa do corpo produz anticorpos contra células, tecidos ou órgãos do próprio corpo), que costuma ser mais comum em mulheres jovens.


Conhecida no meio médico como LES (Lúpus Eritematoso Sistêmico), ela é uma doença inflamatória crônica pouco frequente que pode acometer múltiplos órgãos e apresentar alterações da resposta imunológica, com presença de anticorpos dirigidos contra proteínas do próprio organismo, de acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia.


Embora a causa do LES não seja conhecida, admite-se que a interação de fatores genéticos, hormonais e ambientais podem desencadear a doença.


Entre os principais sintomas, estão lesões na pele, caracterizadas por vermelhidão nas maçãs do rosto e no nariz; dor e inchaço nas articulações; inflamação de pleura ou pericárdio (membranas que recobrem o pulmão e coração); inflamação no rim. Além de inflamações em pequenos vasos sanguíneos, causando lesões avermelhadas e dolorosas nas palma de mãos, planta de pés, no céu da boca ou em membros;


Há ainda possibilidade de aparecer alterações no sangue em mais da metade dos casos, como diminuição de glóbulos vermelhos (anemia), glóbulos brancos (leucopenia), dos linfócitos (linfopenia) ou de plaquetas (plaquetopenia).


Em casos menos frequentes, podem acontecer inflamações no cérebro, causando convulsões, alterações do comportamento (psicose) ou do nível de consciência e até queixas sugestivas de comprometimento de nervos periféricos.
De difícil diagnóstico, ele costuma ser feito depois de analisado exames de sangue junto ao conjunto de sintomas.

Tratamento

Apesar de o lúpus não ter cura, o tratamento, que deve ser individualizado, permite o controle da doença e a diminuição dos sintomas e efeitos colaterais dos medicamentos. Com tudo isso, o portador pode ter qualidade de vida. No Brasil são indicados o uso de anti-inflamatórios e imunosupressores (que reduzem a atividade do sistema imunológico).


Para evitar crises, os médicos recomendam evitar fatores que desencadeiam a doença. São eles: evitar tomar sol e outras formas de radiação ultravioleta, tratar infecções, evitar o uso de estrógenos (anticoncepcionais) e outras drogas (hidralazina, hidrazida, a procainamida) e evitar o estresse.


O reumatologista é o especialista mais indicado para fazer o tratamento e acompanhamento de pacientes com LES, e, quando necessário, outros especialistas devem fazer o seguimento em conjunto.




R7

A rede de atendimento em urgência e emergência do Piauí ganhou um reforço de quatro novas bases descentralizadas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu/192), nesta quinta-feira, 1.

Duas dessas Bases foram inauguradas no território Chapada das Mangabeiras, beneficiando cerca de 16 mil habitantes das cidades de Julio Borges e Parnaguá, ambas no extremo sul do Piauí. Foi inaugurada ainda a Base de Curimatá, localizada no território Serra da Capivara e que atenderá os mais de 10.700 habitantes do município e Simplício Mendes.
 
Nas quatro cidades o Samu foi inaugurado pela secretária de estado da Saúde, Lilian Martins, pela coordenadora Estadual do Samu, Christianne Rocha, pelo deputado estadual Gustavo Neiva e demais autoridades municipais.
 
Para Julio Borges e Parnaguá foram enviadas duas ambulâncias de Suporte Básico (USB). Cada equipe, composta por oito profissionais entre técnicos, enfermeiros e auxiliares atenderá a população das duas cidades. Já em Curimatá, serão dois veículos de Suporte Básico que deverão dar mais agilidade aos atendimentos daquela região.
 
Em Julio Borges, o coordenador do Samu, Eduardo Henrique, afirmou que agora a população terá mais qualidade no atendimento. Segundo ele, antes só se ouvia falar em Samu pela televisão. “Antes as cidades pequenas só ouviam falar de Samu no rádio e na TV, mas o trabalho da secretaria Lilian Martins vem expandindo este serviço de extrema importância para o interior do Estado”, frisou.
 
 
Em Curimatá, o Samu também foi recebido por festa pela população. O prefeito Reidan Oliveira agradeceu o empenho das duas gestoras estaduais. “Sabemos que quando se trata de saúde, a população quer que os serviços venham logo, e o trabalho que a doutora Lilian vem fazendo na Sesapi mostra que aos poucos os serviços, que antes dependiam de um vereador ou de um prefeito, agora são levados de forma democrática. Sem distinção”, pontuou.
 
Em Simplicio Mendes, Lilian Martins pediu mais empenho da equipe já que a população a ser atendida é bem maior. São 9 ambulâncias que darão suporte a cinco cidades, além de Simplício Mendes, como Queimada Nova, Santo Inácio, Campo Alegre do Fidalgo, Conceição do Canindé e Paes Landim. "Estou muito feliz por estar vendo o empenho dos gestores da região. O serviço vai diminuir os custos do SUS para os pacientes daqui", afirmou.
 
"Aqui em Simplício Mendes ficaram duas ambulâncias de suporte avançado e nas outras cidades, uma de suporte básico em cada", afirmou Christianne Rocha.
 
Antes da solenidade, aconteceu pelas ruas da cidades uma carreata com as nove ambulâncias. Para o secretário de saúde de Simplicio Mendes, a chegada do SAMU foi uma grande conquista. "Foi árduo, mas valeu a pena. Nossa população hoje tem mais acesso ao atendimento de urgência", disse.


Fonte: Sesapi

Uma noite de sono não é capaz apenas de descansar o corpo e a mente, mas também de combater a obesidade. Segundo um estudo americano, o sono ajuda a emagrecer. O estudo analisou pessoas que dormiam apenas quatro horas por noite e outras que dormiam até nove horas.


A conclusão foi que as que dormem menos ingerem em média 300 calorias a mais por dia do que as que passavam mais horas na cama.

A explicação é que durante o sono, o corpo busca energia e, nessa procura, as calorias da comida ingerida servem como combustível para o organismo.
Os médicos aconselham para aqueles que querem perder peso uma noite com oito horas de sono.



R7

Subcategorias