• Hospital Clinicor
  • Vamol
  • Roma

cataporaUma criança de nove anos morreu de catapora na noite da última quinta-feira, 19, em Teresina. Por conta disso, nesta sexta-feira, 20, a escola particular onde a criança estudava suspendeu as aulas da turma da 4ª série.

 

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) afirmou que até o momento não foi notificada do caso, mas comunicou que irá investigar a situação.

 

Caso raro

O médico infectologista, Pedro Leopoldino, explicou que uma morte por catapora é rara, mas pode ocorrer, quando a doença se torna hemorrágica. "O percentual é muito baixo, é o mesmo vírus, mas ao entrar no organismo a vesícula se torna sangue, em vez do aparecimento dos caroços comuns e é muito rápido cerca de quatro ou cinco horas para o quadro se agravar", destacou.

 

Ele disse ainda que normalmente a doença é mais perigosa em adultos que perdem a defesa com o passar do tempo. "Nas crianças, por conta de receberem antticorpos ainda das mães são mais comuns e menos graves. À medida que vai crescendo, essa defesa vai reduzindo", esclareceu.

Existe vacina, mas tem um alto custo, já que os casos hemorrágicos são muito raros.

A doença

A catapora se manifesta com maior frequência em criança e na maioria das vezes apresenta-se de forma benigna. O principal sintoma da doença é o surgimento de pequenas feridas de cor avermelhada e número variável.

 

A transmissão se dá por meio de gotículas ou secreções nasais, contendo o vírus, mesmo que os sintomas ainda não tenham surgido. Além disso, a secreção das feridas também é contaminante, até mesmo quando já formaram as “casquinhas”. Há, também, a possibilidade de transmissão de mãe para filho, durante a gestação.

Pelo alto grau de transmissibilidade, é importante que os pacientes permaneçam em casa, de repouso, por pelo menos uma semana, para evitar que outras pessoas sejam afetadas.

Pessoas que já contraíram esse vírus se tornam imunes a essa doença. Entretanto, por permanecer, de forma latente, no organismo, o H. varicellae pode provocar a manifestação da herpes-zóster.

 

cidadeverde

Foto: Divulgação

 

 

O suco tem o poder de curar e evitar muitas doenças. A combinação de vegetais com frutas é perfeita para a saúde. Isso porque os vegetais são ricos em vitaminas, minerais, fibras e substâncias que ajudam a equilibrar o organismo.

 

Doenças crônicas como a diabetes tipo 2 e a hipertensão têm seu efeito amenizado com um bom copo de suco. Os sucos possuem uma grande concentração de vitaminas e devem ser consumidos frescos, assim que estiveram prontos, para que não percam seu valor nutricional.

 

A ciência comprovou os benefícios de algumas misturas. Confira o que cada suco pode proporcionar à sua saúde:

 

Berinjela com laranja Ajuda a reduzir o índice de colesterol.

 

Uva Previne problemas no coração

 

Laranja Excelente para quem é alérgico, pois controla as alergias

 

Agrião com laranja Ajuda a recuperar o organismo de um estresse excessivo

 

Maçã Por ter substâncias antioxidantes, ajuda a melhorar o sistema imunológico e fica perfeita se for misturada a beterraba ou a cenoura.

 

Agência Estado

viniciusO projeto “Promoção da Saúde Itinerante”, idealizado pela IV Regional de Saúde, com sede em Teresina, foi apresentado durante o 5º Congresso Latino Americano de Promoção da Saúde e Educação em Saúde, na Cidade do México, pelo coordenador da IV Regional, Vinícius Oliveira.

Durante o evento houve troca de experiências e estabelecimento de parcerias com outros países, a exemplo da Espanha e dos Estados Unidos. O projeto apresentado conta com total apoio da Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi).

 

“Foi um importante momento para a nossa saúde pública. Tivemos a oportunidade de apresentar o nosso projeto e conhecer outras ideias. Do Piauí foi uma comitiva com oito profissionais. A expectativa agora é para o próximo Congresso, que acontecerá na Tailândia”, disse Vinícius.

 

O projeto prevê uma reorganização da saúde na maior regional, que compreende Teresina, e uma reavaliação das necessidades sociais da população dos 31 municípios que compõem a regional. O trabalho é desempenhado por profissionais de saúde e técnicos de quatro laboratórios (malária e doença de Chagas, dengue, esquistossomose e entomologia).

 

Além disso, a ideia é implementar políticas estaduais de promoção da saúde a nível regional, aconselhar a organização dos serviços de saúde nas regiões, coordenar e monitorar as atividades e fomentar as relações com a Estratégia Saúde da Família dos municípios.

 

“As atividades começaram em 2011 em escolas públicas e eventos organizados pelos departamentos de saúde locais, tendo alcançado, em apenas quatro meses, cerca de 2.000 pessoas”, finalizou.

 

Sesapi

dançakuduroVocê já dançou kuduro? Talvez o nome seja estranho para você, mas o ritmo já faz parte da abertura da novela das 21:00h da TV Globo, “Avenida Brasil”, e das baladas do país e do mundo.


Essa é uma dança africana que surgiu em Angola há quase 20 anos. Na língua “kibundo”, falada em Angola e Luanda, significa “bumbum parado”. E o que determinou a disseminação do kuduro foi à prática de competições entre grupos de amigos, para premiar quem se saísse melhor.


Hoje, o ritmo já se mistura a outros sons, como sertanejo, zumba e charme. Segundo o coreógrafo Dudu Neves e o preparador físico José Rubens D'Elia, para começar, é preciso respeitar os seus limites, hidratar-se e alimentar-se bem, e escolher uma roupa e um calçado confortáveis.


No Brasil, essa dança angolana foi trazida pelo cantor luso-francês Lucenzo, compositor da música “Vem dançar kuduro” em Portugal. De lá para cá, a faixa ganhou versão no país, com o cantor Latino, em sua “Dança kuduro”. No tema da novela, a adaptação é “Vem dançar com tudo”. Todas estão nas paradas de sucesso das rádios brasileiras e são pedidas obrigatórias nas festas.


O kuduro traz influências do soul americano e do R&B (rhythm and blues). A ginga da música brasileira é diferente da que se faz em Angola. Em uma comparação simples, poderíamos dizer que essa é uma dança de rua, que fica entre o que aqui se chama de funk e hip hop.


Vantagens do "kuduro" :


1 – Melhora a capacidade cardiovascular

Dançar é um ótimo exercício, que beneficia o coração e os batimentos. Para se ter uma ideia, é uma atividade de intensidade média que exige 70% do potencial do músculo cardíaco. É o equivalente à natação e mais do que uma pedalada.


2 – Ajuda a coordenação motora

Na dança, os membros superiores e inferiores trabalham de forma coordenada. Isso é ótimo para melhorar a coordenação motora, em especial para pessoas mais velhas ou com algum tipo de dificuldade.


3 – Fortalece os membros

Ao trabalhar com o quadril parado e aumentar o volume de movimentos nos braços e pernas, o kuduro dá resistência aos músculos dos membros e os fortalece.


4 – Queima calorias

Em uma prática moderada, cerca de 300 kcal são queimadas a cada meia hora. A vantagem é que, quanto mais se avança para os passos seguintes, mais o gasto aumenta. Isso se deve ao fato de que os passos iniciais são básicos, enquanto os seguintes são mais complexos e exigem mais do corpo.


5 – Garante bem-estar

Endorfina e serotonina, dois hormônios relacionados com as sensações de prazer, têm sua descarga aumentada no momento em que dançamos o kuduro. A música, em si, já tem o poder de contagiar, mas, quanto mais as pessoas entram no ritmo e começam a dançar, mais esse processo tende a crescer.


Kuduro em oito passos

No refrão da versão de Latino, a marcação usada na dança vai de 1 a 8:

1 - Mãos pra cima
2 - Cintura solta
3 - Dá meia volta
4 - Dança kuduro
5 - Não se canse agora
6 - Começou a festa
7 - Mexe a cabeça
8 - Dança kuduro




G1

Subcategorias