Neste sábado, 4, é celebrado o Dia Mundial de Combate ao Câncer. Com o lema “Juntos é possível”, a UICC (União Internacional para o Controle do Câncer) apelou para as redes sociais para disseminar a importância do diagnóstico precoce e das práticas saudáveis para prevenir a doença. A organização criou um aplicativo no Facebook, com a chamada “Faça alguma coisa”, e convocou manifestações em favor do combate à doença no Twitter.

 

 

 

No site oficial do Dia Mundial de Combate ao Câncer, há uma documento que recolhe assinaturas para um mundo livre da doença (http://www.worldcancerday.org/declaration/sign-world-cancer-declaration).

 

 

 

Todo ano, aproximadamente 12,7 milhões de casos de câncer são descobertos e 7 milhões de pessoas morrem ao redor do mundo em decorrência da doença, de acordo com a organização. O câncer mata mais gente no mundo que a Aids, malária e a tuberculose juntas, mas um em cada três casos poderiam ter sido prevenidos se diagnosticados com antecedência.

 

 

 

Para isso, a UICC recomenda exames de sangue regulares, uma dieta saudável, com muitas frutas, verduras e legumes e menos carne vermelha, um estudo sobre o histórico familiar das doenças e prática diária de exercícios físicos. Se a prevenção não ocorrer e impedir novos casos da doença, dentro de 20 ou 40 anos, o número de doentes deve dobrar. Até 2030, a UICC estima que serão descobertos 26 milhões de novos casos de câncer e aproximadamente 17 milhões de pessoas vão morrer.

 

 

 

Criada em 1993 e com sede em Genebra, na Suíça, a UICC é uma ONG e a maior organização mundial de combate ao câncer, com 400 entidades de 120 países associadas. O objetivo da organização é eliminar o câncer para as próximas gerações.


R7

 

 

acucarO açúcar é um veneno e deveria ter sua venda controlada assim como o cigarro e o álcool. A radical afirmação é a conclusão de cientistas americanos, que atribuem o consumo excessivo de açúcar em alimentos e bebidas ao crescimento de doenças como obesidade, câncer, problemas no coração e no fígado. As informações são do jornal britânico Daily Mail.

 

 

 

Eles acreditam que isso contribui para a morte de 35 milhões de pessoas por ano, em todo o mundo, o que na opinião dos pesquisadores é motivo suficiente para haver um maior controle e uma legislação mais rígida neste sentido. Em um artigo intitulado "A verdade tóxica sobre o açúcar", publicado no jornal Nature, os cientistas afirmaram: "um pouco não é um problema, mas muito mata - lentamente", sentenciaram.

 

 

 

Eles alertam, ainda, que a obesidade atualmente representa um problema maior do que a desnutrição em todo o mundo. Eles reforçam que o açúcar não só contribui para a obesidade, mas afeta o metabolismo como um todo, aumenta a pressão arterial, desequilibra os hormônios e faz mal ao fígado. Os danos causados também estão associados ao abuso do álcool - feito com açúcar destilado.

 

 

 

Os pesquisadores mostram que, assim como o álcool, o açúcar está disponível em larga escala, o que induz o abuso. Eles acreditam que a restrição seria mais efetiva do que educar as crianças sobre dietas ou exercícios físicos.

 

 

 

Sendo assim, o estudo sugere que a taxa sobre os refrigerantes seja dobrada, o que poderia reduzir sua venda; assim como regulamentações mais rígidas em escolas e lanchonetes. O artigo mostra também que o consumo de açúcar atual representa o triplo do que era consumido há 50 anos. Outras linhas de pesquisa se opõem a esta teoria, afirmando que a chave para a boa saúde está em uma dieta variada, incluindo atividades físicas.



Terra

 

lilianmartinsA secretária de Estado da Saúde, Lilian Martins, recebeu na manhã desta sexta-feira, 03, na sede da Superintendência de Assistência à Saúde (Supas), empresários da Alemanha, representantes da Tacbacon, que inova na tecnologia avançada na construção civil, em especial, na de Hospitais. Segundo os empresários, a tecnologia utilizada tem um custo cinco vezes menor, se comparado à construção de hospitais convencionais.
 
Estiveram presentes, além da secretária Lilian, o superintendente de Assistência à Saúde, Ernani Maia, o diretor da Unidade de Organização Hospitalar, Telmo Mesquita, e os empresários Bodo Tiburtius, sócio administrador da Tecbacon, Gino Leonhard, consultor de Turismo e Infraestrutura da Alemanha, e Uwe Weibrecht, presidente da Associação ProBrasil.
 
Numa apresentação em slides, o empresário Gino Leonhard explicou para a secretária Lilian Martins a nova tecnologia. O formato de construção dos edifícios é através de módulos, que abrangem uma variedade de utilizações e garantem mais rapidez na conclusão das obras. Segundo o empresário, já existem diversos hospitais pela Europa construídos com essa tecnologia, que garante um custo-benefício melhor para o tesouro público.
 
“O projeto se destaca pela rapidez na construção, podendo reduzir o calendário de conclusão em até 50%. Na edificação do interior, a montagem é independente, aumentando a eficiência do trabalho e evitando danos aos materiais de construção, além de levar ao gestor os registros da quantidade exata de materiais que são necessários para o determinado trabalho”, disse Gino Leonhard.
 
A secretária Lilian Martins, por sua vez, questionou os empresários sobre quesitos importantes e pertinentes para regiões com altas temperaturas, como no Piauí. Clima, durabilidade, acústica, entre outros pontos, foram abordados pela secretária da Saúde e prontamente respondidos pelos empresários, durante a apresentação dos slides.
 
A construção do Centro Materno-Infantil e Adolescente foi a obra colocada como proposta para os empresários, que garantiram a mesma rapidez e eficiência que outros Hospitais, do mesmo porte, tiveram em outros países. O Centro Materno-Infantil passará por novo processo de licitação e terá suas obras iniciadas ainda no primeiro semestre deste ano, como uma das metas da Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) para 2012.
 
Ao final da apresentação os empresários convidaram a secretária Lilian Martins para conhecer, in loco, os Hospitais que foram construídos com a mesma tecnologia proposta para o Centro Materno-Infantil.
 

 

Sesapi


 

alannahUma menina de nove anos se recupera bem depois de uma cirurgia na qual ela recebeu o transplante de seis órgãos de uma vez só no Hospital Infantil de Boston, nos EUA. Alannah Shevenell teve um tumor que se alastrou e atingiu o estômago, o pâncreas, o fígado, o baço, o intestino delgado e o esôfago. Na operação, todos esses órgãos foram trocados.

 

 

 

“Eles vêm juntos, então é quase como transplantar um órgão grande”, afirmou Heung Bae Kim, diretor do centro de transplantes do hospital, à rede de televisão "CBS". “A única forma de tirar o tumor era remover todos os órgãos atingidos”, completou.

 

 

 

Os médicos disseram que esse é o primeiro transplante de esôfago já feito na Nova Inglaterra, área que engloba seis estados no nordeste dos EUA. Segundo eles, é também o transplante com o maior número de órgãos já feito na região.

 

 

 

Alannah esperou um ano e três meses pelos órgãos até fazer a cirurgia, que durou mais de 14 horas. Depois, ela ainda ficou três meses internada antes de poder ir para casa. Desde a última quarta-feira, 1º, ela está com a família em Hollis, no estado de Maine.


G1 com informações da AP

 

Subcategorias