karimO diretor cearense Karim Aïnouz se pronunciou nesta terça-feira, 10, sobre a proibição imposta pela diretoria da Ancine à exibição do seu último filme, A Vida Invisível, em um programa de capacitação de servidores da agência. Por meio de uma postagem na rede social Instagram, Aïnouz afirmou que recebeu a notícia com “muito pesar e indignação”. Ele declarou que existe um processo de “aniquilamento da cultura” no Brasil e classificou o episódio como um ato de censura.

“Digo pesar, pois é triste testemunhar os desdobramentos de uma política tóxica e covarde, perpetrada por um governo catastrófico, que põe deliberadamente em xeque a cultura de um país tão abundante quanto o nosso. Digo indignação, porque as ameaças serão apenas ameaças e porque acredito, faço e continuarei fazendo de tudo para que a cultura circule à revelia dos que se apequenam e temem seu poder emancipador. Infelizmente já vi esse filme antes”, escreveu Aïnouz.

A Vida Invisível foi o filme brasileiro inscrito para a disputa do Oscar em 2020. O veto à exibição foi revelado por VEJA nesta segunda-feira, 9. O evento seria realizado na quinta, 12, e contaria com um debate entre os servidores da agência e um produtor do filme. A Secretaria de Gestão Interna da Ancine atribuiu a proibição a problemas técnicos com o projetor da sala de exibição. Mas, ao ser procurado por servidores, o funcionário responsável pela manutenção do local disse que o aparelho não estava quebrado.

Em sua postagem, Aïnouz fez críticas ao governo de Jair Bolsonaro e à condução das políticas públicas voltadas para a cultura. Ele disse que ‘A Vida Invisível’ é parte de uma safra de filmes que servem “como prova inconteste de que o fomento à cultura tem frutos grandiosos” e que representam a “diversidade do Brasil de maneira poderosa e positiva”.


“Não há meias-palavras para a censura – velada ou não – e para o aniquilamento da cultura. Não há meias-palavras para um governo do ódio, do boicote, do desmonte e da morte. Não há meias-palavras para uma política covarde que tenta se escorar na própria incapacidade e ignorância. Não há meias-palavras para a desinformação deliberada e a mentira como tática de um governo irresponsável que se agarra nas beiras de tudo que é falso”, afirmou.

Aïnouz considerou que a ameaça à vida do setor cinematográfico é uma ação criminosa. “Não só nos termos da importância da indústria pujante que é o cinema nacional hoje, gerando milhares de empregos, mas também e, principalmente, se entendermos a importância crucial que a cultura exerce na sociedade. A cultura é o que nos possibilita acreditar na dignidade coletiva. Ela desarma o horror”, declarou.

Entre as atrizes que atuam em A Vida Invisível está Fernanda Montenegro, que foi xingada de “podre” e “mentirosa” pelo atual secretário de Cultura, Roberto Alvim. Ele hostilizou a atriz em setembro, quando exercia o cargo de diretor do Centro de Artes Cênicas da Funarte. Alvim havia se irritado com uma capa da revista ‘Quatro Cinco Um’, na qual Fernanda Montenegro aparecia vestida de bruxa e em cima de uma fogueira de livros.

O filme de Aïnouz já foi premiado nos festivais de Munique e Lima e ganhou o título de melhor filme da mostra paralela Un Certain Regard (Um Certo Olhar) na edição deste ano do Festival de Cannes.

 

Veja

Foto: Loic Venance/AFP

Algumas vítimas do acidente que ocorreu na madrugada de ontem, 09, na região de Bertolina-PI, continuam sendo observadas pelos profissionais em saúde do Hospital de Floriano, bairro Manguinha, para onde foram  trazidas  a maioria.

hospi

De acordo com o Dr. Justino Moreira, diretor Clínico do Tibério Nunes, dos 18 pacientes que deram entrada no HRTN, três ficram internados.

"Um senhor que teve fratura de bacia, uma senhora com um TCE grave e um outro senhor, que também é idoso, inspira cuidados e está na sala vermelha. Os demais foram liberados, após terem passado por curativos e suturas", disse o Dr. Justino.

O acidente foi com um ônibus da empresa Princesa do Sul que tem escritório em Floriano.

 listahrtn

Da redação

Final de ano é quase sempre a mesma programação para milhares de pessoas: come-se e bebe-se muito nas confraternizações. Poucos conseguem escapar dos excessos, porque é tempo de festa e até mesmo manter a dieta do ano inteiro fica complicado. Como ninguém quer deixar de participar dos eventos com colegas do trabalho, amigos da faculdade, amigos do futebol, clube das mães e tantas outras festas, é preciso ficar atento aos pratos, porque o mês de dezembro é recheado de festas e nelas sempre há muita comida e bebida.

Lilian Nutricionista

Só que os especialistas alertam que comer e beber em excesso a qualquer época do ano coloca as dietas e a saúde em risco. Este é um dos alertas que faz a nutricionista Lilian Lopes, do Hapvida.

A mesma regra que vale para todo o ano vale para o mês de dezembro: tentar fazer pratos balanceados com a presença de todos os grupos alimentares.

"O correto é comer em pequenas quantidades e assim não terminar se privando daquilo que gosta durante as comemorações", acrescenta. Para quem gosta de consumir  bebidas, como o vinho, por exemplo, tentar intercalar com a ingestão de água, pois ajuda a diminuir os efeitos da bebida e hidratar o corpo.

Veja algumas dicas para tentar fugir da comilança de fim de ano

  1. 1. Faça um prato gostoso e saudável com salada, frutas e carne assada. Dá até para comer um pouco daquela sobremesa deliciosa que só aparece nas festas de fim de ano;
  2. 2. Tente comer pequenas porções acompanhadas de vegetais e frutas;
  3. 3. No dia seguinte a comilança, volte rapidinho para a dieta;
  4. 4. Fuja dos alimentos gordurosas e bastante calóricos, como salgadinhos, biscoitos, bolos, pães de queijo e pizzas;
  5. 5. Comece a servir seu prato com os alimentos mais saudáveis, assim sobrará menos espaço no prato para as comidas gordurosas.

ai comunicação