Um dia movimentado para os fiscais da Vigilância Sanitária de Floriano e policiais do Terceiro Batalhão da Polícia Militar de Floriano. As ações de fiscalização, para garantir o cumprimento dos decretos Estadual e Municipal, de prevenção contra o coronavírus, chegaram a toda a cidade. 

fiscalização

60 estabelecimentos foram inspecionados, grande parte depois de denúncias da população, através do 190 da PM, de que empresas estariam abertas e obras em execução, contrariando as regras. Entre as empresas inspecionadas estavam lojas de material de construção, oficinas mecânicas, lanchonetes, armazéns, lojas de confecções, veterinárias, depósitos de bebidas, empresas de peças para bicicleta e de peças automotivas, vendedores ambulantes de confecções, lojas de conveniência, além de padarias, 5 supermercados e 1 hotel, que receberam orientações para intensificar a higienização. Alguns desses casos foram frutos de denúncias de clientes, que reclamaram da falta de higienização em carrinhos de supermercado, máquinas de cartões e outros objetos. Uma obra, a do novo fórum de Floriano, onde estavam vários operários, foi interditada pela fiscalização. Ao todo 54 estabelecimentos foram fechados. 

O trabalho segue nesta terça-feira. Segundo o coordenador da Vigilância Sanitária, Jussinaldo Duarte, neste primeiro momento houve o fechamento das empresas com as devidas orientações. Se persistirem no descumprimento dos decretos, as empresas serão notificadas e podem perder sofrer as sanções do Decreto Municipal 038, que no seu Art. 6º prevê, em caso ode descumprimento, multa, interdição total da atividade e cassação de alvará de localização e funcionamento.

ascom pmf

O presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ), equivoca-se redondamente ao tentar amenizar as críticas ao governo chinês, responsável direto pela calamidade do colonavírus no mundo.

O deputado muitas vezes extrapola as suas limitações  de alçada como  um dos chefes do Poder Legislativo - para se comportar como se fosse o próprio presidente da República.

 

O deputado Rodrigo Maia não tem competência constitucional para pedir desculpas às autoridades chinesas. Isso caberia ao chefe do Executivo, se fosse necessário.

O parlamentar devia se colocar no lugar  daqueles que foram mortos ou estão sendo atingidos pelo coronavírus e se filiar aos que desejam indenização do governo chinês pelo grande mal que está  causando ao país e ao mundo.

É inaceitável a censura do deputado Rodrigo Maia às críticas corretíssimas de Eduardo Bolsonaro, que teve a coragem de chamar à responsabilidade o governo chinês.

Vamos deixar de hipocrisia e frouxidão. Afinal, não é nenhuma inverdade que a China é a verdadeira culpada pela pandemia do coronavírus. Portanto, ela tem de pagar pelas mortes, pelos doentes e pelos prejuízos causados aos países.  

Na contramão do posicionamento do deputado Rodrigo Maia, leiam o artigo do Brasil Agora: "O deputado Jim Banks (R-IN) declarou, nesta segunda-feira (16), que os Estados Unidos deveriam começar a forçar a China a “pagar a carga e o custo incorridos” devido ao coronavírus de Wuhan.

O congressista do estado da Indiana, EUA, disse durante uma aparição no Tucker Carlson Tonight, da FoxNews, que os EUA deveriam colocar o ônus financeiro, causado pelo coronavírus, à China, e apresentou várias maneiras de fazer isso:

“Precisamos começar forçando a China a pagar a carga e o custo incorridos nos Estados Unidos da América devido ao coronavírus. Eu acho que existem muitas maneiras de fazer isso”, disse Banks.

Ele continuou:

“O presidente poderia forçar a China a aliviar grande quantidade de dívida americana. Ele poderia instituir tarifas à China e designar as verbas para um fundo de auxílio às vítimas de coronavírus para pagar os custos incorridos aos americanos e aos contribuintes, devido à negligência da China, que levou à crise que a América está enfrentando.”

Ao ser questionado se ele acredita que o governo Trump seguirá nessa direção, Banks respondeu afirmativamente:

“Espero que sim […]. Não tenho dúvidas de que o presidente Trump fará tudo o que puder para responsabilizar a China pelo que causou aos americanos. A China precisa pagar, e o Congresso trabalhará com membros do governo Trump para decidir a melhor maneira de responsabilizá-los”, acrescentou.

O vírus, que se originou em Wuhan, na China, (omitido por muito tempo pelo governo chinês), já infectou mais de 189.000 pessoas em todo o mundo. Atualmente, o número de casos nos Estados Unidos supera os 5.100 casos."

E mesmo assim,  o deputado Rodrigo Maia, do alto de sua empáfia,  ainda deseja lamber as botas dos comunistas chineses?

Júlio César Cardoso

Servidor federal aposentado

Balneário Camboriú-SC