Edmilson da Costa Ribeiro, natural de Rio Grande do Piauí, é o nome do homem que morreu na manhã de hoje, após receber uma descarga elétrica.

O acidente de trabalho fatal foi num trecho do bairro IrapuáII II, em Floriano-PI.

corpo

O corpo de Edmilson, após ser retirado do local e feito procedimentos legais, foi levado para uma funerária de onde será trasladado para a cidade de Canto do Buriti onde moram familiares.

Ainda de acordo com informações, nessa cidade citada estarão ocorrendo o velório e o sepultamento do corpo.

edmilson

 Homem que sofreu uma descarga elétrica está identificado por Edinaldo

Homem sofre descarga elétrica na região do bairro Irapuá, em Floriano

Da rerdação.

IMAGEM: Divulgação

Apesar da venda de produtos e serviços terem maior presença Black Friday, muita gente gostou de uma novidade:  a possibilidade de estudar pagando pouco por meio da Black Week do Educa Mais Brasil. É a primeira vez que o maior programa de incentivo educacional do país participou da campanha de descontos.

aaauakaks

A Black Week do Educa teve início no último dia 25. A novidade contempla as novas contratações para as modalidades de ensino básico, superior e técnico. Até segunda-feira (2), será possível conseguir bolsas com desconto de até 70% e começar a estudar pagando o valor fixo de R$100 na pré-matrícula.

Para conseguir uma bolsa de estudo de até 70% em cursos da educação básica, do ensino superior e técnico. Basta acessar o site da campanha e escolher o seu curso. 

A diretora de Expansão e Relacionamento do Educa Mais Brasil, Andreia Torres, ressalta a grande importância de descontos para motivar o sistema educacional do país “Mais e mais pessoas precisam da educação para transformar suas vidas para melhor. Este período é uma oportunidade para quem deseja estudar em uma instituição de ensino de qualidade a preços mais acessíveis”, considera.

A filha da Louise Priscila já é uma das contempladas com a Black WeeK, e vai conseguir estudar pela primeira vez em um colégio particular. Ela soube da Black Week do Educa Mais Brasil por meio de uma cliente que também garantiu uma bolsa de estudo. “Minha filha, de 15 anos, gosta de esporte e eu consegui, para ela, a bolsa de desconto de 50% em um colégio muito bom e que oferece aulas de vôlei. Minha filha, quando soube, até chorou de alegria. Já recomendei o Educa para várias pessoas”, conta a mãe.

Por meio também de uma indicação, Jovson de Lima ficou sabendo da oportunidade de conseguir bolsa de estudo para a filha cursar Farmácia. “Um primo conseguiu bolsa de estudo pelo Educa e recomendou. Graças a essa oportunidade, minha filha vai poder cursar uma faculdade. Se não fosse assim, ela não teria como iniciar a graduação”, comemora.

Fonte: Agência Educa Mais Brasil

A taxa de desemprego no Brasil ficou em 11,6% no trimestre encerrado em outubro, atingindo 12,4 milhões de pessoas, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Trata-se da primeira queda na série do indicador desde o trimestre encerrado em junho. No período entre maio e julho, a taxa estava em 11,8%. Já no trimestre encerrado em outubro do ano passado, a taxa foi de 11,7%. Veja gráfico abaixo:

ibge

Apesar de redução de 0,2 ponto percentual em relação ao trimestre que vai de maio a julho, o IBGE considera que houve que a taxa de desemprego segue estatisticamente estável.

De acordo com a analista da pesquisa Adriana Beringuy, a "estabilidade" está relacionada a um crescimento menor da população ocupada.

A população ocupada no país somou 94,1 milhões, o que representa um avanço de 0,5% (mais 470 mil pessoas) em relação ao trimestre anterior e de 1,6% (mais 1,4 milhão de pessoas) em relação ao mesmo trimestre de 2018.

O número de desempregados recuou em 202 mil na comparação com o trimestre anterior, mas aumentou em 58 mil frente ao mesmo período do ano passado, quando eram 12,309 milhões de trabalhadores brasileiros desempregados.


Trabalho sem carteira e por conta própria batem novo recorde
Apesar do desemprego ainda alto, os dados do IBGE mostram que o mercado de trabalho prossegue em trajetória de recuperação gradual, ainda que puxada pelo avanço da informalidade, que em 2019 atingiu nível recorde.

“Isso já está consolidado. Não tem como a gente não observar esse movimento de alta da informalidade. Quando abrimos a análise, vemos que o emprego sem carteira assinada e o trabalho por conta própria são os que mais impulsionam esse movimento”, destacou a pesquisadora do IBGE.

 

G1