pePerder peso é frequentemente o primeiro item da lista de desejos de muitas pessoas no início do ano. Porém, se a perda de peso é o seu objetivo para 2019, há grandes chances de que, à essa altura do ano, você provavelmente já enfrentou alguns desafios.

Isso porque manter uma dieta estritamente controlada por calorias não é uma tarefa fácil em ambientes modernos – nos quais os alimentos saborosos e de alta energia são atrativos e estão facilmente disponíveis.


Fazer dieta também é particularmente difícil devido à rápida resposta do nosso corpo às diminuições na ingestão de alimentos, e, em contrapartida, à falta de resposta aos nossos excessos alimentares. Isso é uma experiência familiar para muitos que experimentaram aumentos quase imediatos da fome quando fazem dieta restritiva.

A maioria das pessoas também já sabe como é fácil comer demais durante períodos de férias ou outras ocasiões mais cotidianas. Uma refeição em um restaurante de prato feito no Reino Unido, por exemplo, provavelmente contém mais da metade das calorias necessárias para um dia inteiro.

 

Comer demais? Não é detectado
Nossa recente pesquisa mostrou que comer em excesso mal é detectado em humanos, mesmo quando a ingestão de energia é aumentada para fornecer um excesso de mais de 1.000 calorias por dia.

Nesse estudo, comer demais com 150% das calorias diárias necessárias não alterou o apetite dos participantes.

Observamos as classificações de apetite e os níveis de hormônios específicos conhecidos para regular o apetite, e também verificamos a ingestão de alimentos dos participantes durante o dia seguinte.

Nossas descobertas mostraram que o corpo não se ajusta para responder a essas calorias adicionais.

Isso faz sentido a partir de uma perspectiva evolucionária: em ambientes com acesso limitado à comida, comer demais quando o alimento estava disponível para nossos ancestrais aumentaria suas chances de sobrevivência, mantendo-os abastecidos até que a comida estivesse disponível novamente.

Isso mostra que ter consciência das ingestões de calorias é importante, porque curtos períodos de excessos acidentais podem ser suficientes para causar ganho de peso ou prejudicar a perda de peso.

De fato, algumas evidências sugerem que aumentos no peso corporal durante o período festivo são mantidos durante o resto do ano. Eles também podem ser os responsáveis pelo aumento anual do peso corporal.

Da mesma forma, comer demais em um fim de semana pode facilmente cancelar uma dieta rigorosa que é mantida durante a semana.

Entender como é fácil comer demais não significa que a perda de peso não possa ser alcançada. Mas, de fato, saber disso pode ajudar na perda de peso -– por estar mais consciente das escolhas alimentares.


Não se esqueça do exercício
Apesar do viés do nosso corpo para ganho de peso, mudanças corretas na dieta e no estilo de vida produzirão e manterão a perda de peso se esse for o objetivo desejado.

O exercício físico muitas vezes pode ser negligenciado quando as pessoas procuram “a melhor dieta para perda de peso”. Mas ficar ativo continua a ser importante para quem quiser perder peso – e especialmente para manter a perda de peso durante períodos de tempo prolongados.

O exercício pode complementar as mudanças na dieta e ajudar a minimizar os aumentos da fome experimentados apenas com a restrição de alimentos.

Isso ocorre porque o exercício não causa um aumento da fome na mesma proporção que a dieta, apesar de também criar um déficit de energia para a perda de peso.

A fome é até mesmo reduzida quando o exercício é intenso, o que pode ajudar a evitar os desprazeres da fome ao mesmo tempo em que você aumenta o seu déficit de energia.

A importância do exercício para manter a perda de peso também foi recentemente destacada com participantes da competição de perda de peso televisionada dos EUA, The Biggest Loser. O rastreamento dos participantes por seis anos após o show revelou que as pessoas que mantiveram a perda de peso aumentaram sua atividade física em 160%. Enquanto aqueles que recuperaram o peso perdido, apenas aumentaram a atividade física em 34%.


Flexibilidade é necessária
Independentemente de qual abordagem de dieta você escolher, é provável que você precise de um grau de flexibilidade – uma vez que a maioria das dietas exigirá algum comprometimento.

Talvez, por exemplo, você seja convidado a participar de um almoço ou jantar em um restaurante para uma ocasião especial ou então a uma comemoração de feriado com alimentos especiais.

Estar ciente de que seu corpo provavelmente não responderá ao aumento da ingestão de calorias significa que você pode ajustar seu comportamento para evitar ou compensar qualquer excesso de comida, por exemplo, tendo mais consciência das escolhas alimentares nos dias antes ou depois de uma ocasião, ou aumentando seus níveis de exercício para combater os excessos.

O que tudo isso mostra é que, em última análise, não devemos confiar nos sinais de feedback do nosso corpo para detectar níveis de ingestão de calorias. Em vez disso, o monitoramento consciente da dieta e do estilo de vida é mais do que suficiente para contrabalançar o viés natural do corpo em relação ao ganho de peso.

E, ao apreciar essa necessidade de monitoramento consciente, isso pode ajudá-lo a alcançar as metas de perda de peso tão desejadas ao longo do ano.

 

Exame

Foto: reprodução

enchenteAs dramáticas cenas de pessoas desamparadas que perderam familiares ou seus bens em enchentes infelizmente viraram rotina no noticiário nacional nos meses de verão.

Ninguém escapa: crianças, idosos ou gestantes. Para muitas pessoas não sobra outra alternativa a não ser a de serem obrigados a ter contato íntimo com as águas imundas e contaminadas; seja para se locomoverem, seja para limpar a própria casa ou para ajudar alguém. Resultado: depois de um tempo, podem adoecer.

As águas das chuvas contaminam-se com esgoto e/ou com fezes de animais como ratos, cães ou gatos, por exemplo, que podem conter microrganismos causadores de doenças que podem ser fatais.

O grande problema é que algumas destas doenças, como a hepatite A, por exemplo, podem demorar mais de 30 a 45 dias para se manifestar.

Por isso, se alguém que teve contato com água suja da chuva apresentar um ou mais dos seguintes sinais e sintomas, deve procurar um médico:

Febre, que pode ser alta ou baixa, persistente e durar mais de 3 dias consecutivos, com cansaço, mal-estar, dores pelo corpo e principalmente dor de cabeça.
Vômitos, diarreia com ou sem sangue nas fezes, inapetência
Manchas vermelhas ou roxas pelo corpo
Sangramento de mucosas como gengiva ou nariz
Icterícia (pele amarelada)
Xixi escuro
Dor na panturrilha (batata da perna)
Rigidez do pescoço
Fiquem atentos. Não hesitem em procurar um médico se um ou mais de um destes sinais e sintomas aparecerem.

Importante: estejam com suas vacinas em dia. Lembrem-se que há vacinas para tétano, febre amarela e hepatite, que estão entre estas doenças que podem ser transmitidas pelas águas sujas das chuvas.

 

G1

Foto: GloboNews

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusets (MIT) criaram um comprimido de insulina capaz de substituir as aplicações diárias de injeção entre diabéticos do tipo 1. O estudo foi publicado nesta sexta-feira, 8, no site da revista científica americana Science.

A cápsula, entitualada aplicador de escala milimétrica auto-orientável (Soma, na sigla em inglês), possui o formato do casco da tartaruga leopardo, encontrada na África, para que, assim como o animal, seja capaz de se orientar nas paredes do estômago. Dentro da pílula existe uma agulha feita de insulina, que é presa por uma mola e é contida por um revestimento de açúcar.


Quando o comprimido é ingerido, o revestimento de açúcar se dissolve e a agulha se acopla na parede do estômago, liberando a substância. Depois, o restante do comprimido, feito de material biodegradável e componetes de aço inoxidável, passa pelo restante do sistema digestivo e é eliminada pelas fezes.

No estudo, os pesquisadores fizeram os testes em porcos, oferecendo 300 microgramas de insulina e, depois, cinco miligramas, dose equivalente a que um paciente de diabetes tipo 1 precisaria. Segundo os cientistas, demorou cerca de uma hora para que toda a insulina fosse injetada na corrente sanguínea.


Atualmente, o Brasil é o quarto país com maior número de diabéticos, segundo o IDF (International Diabetes Federation), ficando atrás da China, com 114 milhões de diabéticos, em seguida figura a Índia, com quase 73 milhões, e os Estados Unidos, com 30 milhões. De acordo com o Ministério da Saúde, 12,5 milhões de brasileiros são portadores da condição.

 

r7

dorescostasLombalgia: A lombalgia é o termo médico para definir qualquer dor na região lombar. De acordo com o ortopedista Rodrigo Sasson, do Hospital Samaritano da Barra da Tijuca, essas dores são um dos motivos mais frequentes nos atendimentos de emergência. Essas dores podem ser causadas por hérnias de disco, fraturas, alterações posturais, fadiga, estresse e contrações erradas da musculatura.

Bico de papagaio (artrose): O bico de papagaio trata-se, na verdade, da artrose na coluna vertebral, que desenvolve formações ósseas em formato de ganchos (osteófitos). De acordo com o ortopedista Edmond Barras, da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, após os 50 anos, é provável que a maioria das pessoas desenvolva artrose na coluna. Barras afirma que a dor só aparece quando essa artrose inflama.

O tratamento para o bico de papagaio é feito com anti-inflamatórios, calor local e fisioterapia. Para prevenir a dor da artrose, Barras recomenda que as pessoas tenham um fortalecimento dos músculos que sustentam a coluna, praticando atividades físicas desde jovem. O problema pode ser identificado por meio de um exame de raio X, tomografia computadorizada e ressonância magnética da coluna.

Nervo ciático: As dores no nervo ciático, maior nervo do corpo humano, são causadas pela compressão desse nervo, seja por uma hérnia de disco ou por contrações musculares erradas. De acordo com Sasson, as dores começam na região lombar e irradiam para a parte de trás do quadril e da coxa, podendo dar formigamentos e alterações na força muscular. O tratamento do problema dependerá da identificação da causa da inflamação do nervo.

Hérnia de disco: A hérnia de disco é um problema que ocorre pela desidratação ou deslocamento do disco intervertebral, estrutura parecida com uma bolsa que fica entre as vértebras da coluna. Quando o líquido desses discos vaza, a cartilagem que fica ali dentro sai e acaba comprimido alguma terminação nervosa. As ocorrências mais comuns são na região da cervical e na região lombar, e as dores podem se estender para os braços ou para as pernas, além das sensações de formigamento e choques.

Para evitar a hérnia de disco e a maioria dos problemas de coluna, Barras recomenda a prática de exercícios físicos e evitar carregar muito peso. O tratamento na fase aguda é feito com medicamentos anti-inflamatórios. A longo prazo, o problema pode ser tratado com programas de exercícios determinados por médicos e fisioterapeutas de maneira a fortalecer a musculatura de sustentação da coluna.

Hiperlordose: A hiperlordose é o problema em que a coluna lombar fica "funda" nas costas e deixa bumbum empinado. Geralmente, o problema é detectado nas crianças em fase de crescimento, podendo ser genético ou por algumas posturas comuns entre praticantes de ginásticas.

A dor por hiperlordose ocorre porque o excesso de curvatura na região lombar faz com que haja uma pressão maior em algumas partes das vértebras. Segundo Barras, o problema é resolvido com correção da postura, fisioterapia e fortalecimento da musculatura de sustentação da coluna.

Escoliose: A escoliose é um problema de desvio da coluna para a lateral, podendo formar a letra "S". Segundo Barras, o problema é comum durante a fase de crescimento, principalmente entre adolescentes. A escoliose raramente causa dores nos adolescentes,sendo mais comum entre os adultos por conta do desgaste que ocorre entre as vértebras da coluna e piora em função da curvatura.

A progressão da escoliose deve ser observada e acompanhada, pois a condição pode se agravar com o crescimento, precisando do uso de coletes ou cirurgia para correção, na qual são colocados pinos para correção da postura. Quando a cirurgia é indicada, é estritamente necessária, pois a postura errada pode comprometer outros órgãos.

 

R7

Foto: Freepik