vacinaCrianças que não apresentarem cicatriz vacinal após receberem a dose contra a tuberculose – conhecida como BCG – não precisam ser revacinadas. A recomendação foi divulgada hoje (5) pelo Ministério da Saúde e está alinhada com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Comitê Técnico Assessor de Imunizações.

Por meio de nota, a pasta informou que estudos comprovaram a eficácia da vacina também em crianças que não ficam com cicatriz após a aplicação. A orientação, segundo o governo federal, foi encaminhada aos estados e municípios na última sexta-feira (1º).

Prevenção

De acordo com o ministério, a principal maneira de prevenir a tuberculose em crianças é por meio da BCG, ofertada gratuitamente no Sistema Único de Saúde (SUS). A dose deve ser dada ao nascer, nas maternidades, ou na primeira visita da criança ao serviço de saúde, o mais precocemente possível.

A vacina também está disponível na rotina dos serviços para crianças menores de 5 anos e protege contra as formas mais graves da doença, como a tuberculose miliar e a meníngea.

Cobertura

Dados da pasta mostram que a BCG é uma das doses com maior adesão atualmente no Brasil. Em 2017, a vacina registrou 96,2% de cobertura em todo o país – acima do preconizado pelo ministério, de pelo menos 90%.

Em anos anteriores, a taxa ultrapassou os 100%, sendo 107,94% em 2011; 105,7% em 2012; 107,42% em 2013; 107,28% em 2014; e 105,08% em 2015.

“Os gestores têm até o mês de abril para atualizar, no Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização (SIPNI), a situação vacinal local, mas dados preliminares já indicam uma cobertura, em 2018, de 87,5%.”

 

Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Aqui vai uma boa notícia: um delicioso banho quente de imersão (daqueles em banheira) pode te ajudar a queimar algumas calorias enquanto você relaxa. Pode acreditar. É a ciência que diz!

De acordo com uma nova pesquisa da Universidades Nottingham Trent e Loughborough (Reino Unido), publicada no Jornal de Fisiologia Aplicada, é possível queimar até 140 calorias no conforto de sua própria casa. Segundo os pesquisadores, para isso acontecer, basta permanecer por uma hora imerso em uma banheira com água a 39ºC. Os resultados foram obtidos a partir de testes com dez homens acima do peso.


Mas por que, afinal, tantas calorias são queimadas? “Quando você entra em um banho quente, seu corpo tem que evitar o superaquecimento”, explicou ao site de notícias ShorList o pesquisador Steve Faulkner, da Universidade Nottingham Trent. “Os vasos sanguíneos se dilatam para tentar transferir parte do calor do sangue para a atmosfera circundante. Essa mudança, então, tem impacto na pressão sanguínea. Por isso, para manter a pressão estável, a frequência cardíaca também aumenta”, diz ele. E você já deve saber: quando os batimentos se aceleram, aumenta o gasto calórico.

O estudo também descobriu que o banho quente de imersão é capaz de trazer outros benefícios: ele ajuda a manter níveis saudáveis ​​de açúcar no sangue e ainda melhora a qualidade do sono. Mas não pense em desistir dos exercícios e ficar apenas com os banhos de imersão para queimar calorias! Os pesquisadores alertam que a água quente não funciona como um atalho para o bom condicionamento físico.

 

boaforma

comidahospA cena é comum: pacientes internados em hospitais deixando seus pratos quase intocados. Há muitos fatores que concorrem para essa situação, como o mal-estar do doente, ou a comida que não tem gosto, mas o que um amplo estudo realizado nos Estados Unidos mostrou é que se alimentar mal durante a internação traz riscos para a vida da pessoa. Se um adulto mais jovem já sente o impacto em sua recuperação, o que dizer dos idosos? A importância de uma boa nutrição no ambiente hospitalar é subestimada, de acordo com o levantamento publicado no “Journal of Parenteral and Enteral Nutrition”.

A robustez da pesquisa não deixa margem de dúvida: foram checadas informações relativas a dez mil pacientes de 245 hospitais norte-americanos. A maioria come no máximo metade do que está no prato e esse déficit nutricional coloca um em cada três adultos em situação de risco. Quem deixa o alimento intocado tem seis vezes mais chances de morte e, entre esses que se recusavam a comer, apenas 11% recebiam algum tipo de suplemento.


A nutricionista Gail Gewirtz, fundadora e presidente da Nutrition Day, organização sem fins lucrativos, afirma que o problema, apesar de largamente disseminado, parece “invisível” nos hospitais: “sintomas como perda não intencional de peso e diminuição de energia muitas vezes são atribuídos ao diagnóstico inicial do paciente, mas podem estar relacionados a uma nutrição deficiente”.

Justamente porque é comum que os pacientes não tenham apetite durante o período de internação, é fundamental criar um ambiente favorável que os motive. No caso de limitação de mobilidade – ainda mais frequente entre idosos – o ideal é que alguém esteja presente para preparar os utensílios e até alimentar a pessoa. Também é importante checar a possibilidade de um plano B, como alternativas nutricionais ou algum tipo de suplemento. O assunto não pode ser subdimensionado e deve ser discutido com o médico e a equipe de nutrição, porque embute riscos de agravamento do quadro e redução nas chances de recuperação.

 

G1

Foto: https://commons.wikimedia.org/wiki/Category:Hospital_food#/media/File:Plateau_repas_hopital.JPG

 

poluiçaoA poluição relacionada ao tráfego é um grande problema nos centros urbanos, e uma grande parcela da população fica vulnerável aos seus efeitos à saúde. Um artigo publicado no Cadernos de Saúde Pública identificou potencial associação entre as internações hospitalares por câncer do aparelho respiratório com a densidade de tráfego veicular no município São Paulo. A pertinência do tema decorre neste Dia Mundial de Combate ao Câncer.

De acordo com a pesquisa na qual se baseou o artigo Influência da densidade de tráfego veicular na internação por câncer do aparelho respiratório no Município de São Paulo, Brasil, a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (International Agency for Research on Cancer - IARC), que está vinculada à Organização Mundial da Saúde (OMS), concluiu que a exposição à poluição do ar e ao material particulado presentes no ambiente externo é carcinogênica para humanos, reclassificando-a do Grupo 2 para o Grupo 1.

Para os autores do artigo, Adeylson Guimarães Ribeiro, Oswaldo Santos Baquero, Samuel Luna de Almeida, Clarice Umbelino de Freitas, Maria Regina Alves Cardoso e Adelaide Cassia Nardocci, da Universidade de São Paulo, é evidente que o risco relativo da poluição do ar para a ocorrência do câncer de pulmão é muito menor quando comparado com o risco entre os fumantes ativos, contudo, a poluição do ar afeta toda a população.

Segundo o artigo, alguns trabalhos têm mostrado o impacto da poluição atmosférica para a saúde da população no município de São Paulo, Brasil, mas há carência de estudos nacionais e internacionais que busquem investigar a associação entre a poluição do ar e o câncer do aparelho respiratório, utilizando dados de internação hospitalar.

Neste estudo ecológico relatado no artigo do Cadernos de Saúde Pública foram considerados os dados de internações hospitalares por câncer do aparelho respiratório oriundos dos sistemas público (Autorização de Internação Hospitalar - AIH) e particular (Comunicação de Internação Hospitalar - CIH), obtidos junto à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Compreende os anos de 2004 a 2006, em razão de ser o único período em que se teve acesso aos dados do sistema privado. Foi utilizada no estudo somente a primeira internação de cada indivíduo residente com idade acima de 20 anos, codificada conforme a 10ª revisão da Classificação Internacional de Doenças (CID-10): C32 - neoplasia maligna da laringe, C33 - neoplasia maligna da traqueia, C34 - neoplasia maligna dos brônquios e dos pulmões.

Para efeito de informação do espaço de pesquisa, o município de São Paulo ocupa uma área de 1.521,110km2 e tem uma população estimada em torno de 12 milhões de habitantes, sendo sua densidade demográfica em 2010 de 7.398,26 habitantes/km2. É a capital do Estado de São Paulo, considerado o principal polo industrial nacional, e apresentou um Produto Interno Bruto (PIB) per capita em 2014 em torno de 52 mil Reais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística de 2017. Conta com uma frota de cerca de 8,4 milhões de veículos que circulam diariamente nos seus 18 mil quilômetros de vias, segundo dados do Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo de 2017. A distribuição das vias e do volume de tráfego é variada, apresentando grande adensamento de ambos na região central da cidade, além de extensos corredores e rodovias que cruzam a área urbana do município.

Sobre o Dia Mundial do Câncer

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o Dia Mundial do Câncer foi criado em 2005 pela União Internacional para o Controle do Câncer (UICC), com o apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS), e acontece todo ano, em 4 de fevereiro. Trata-se de campanha de utilidade pública a qual visa tentar evitar milhões de mortes a cada ano por meio do aumento da consciência e educação sobre doença, além da pressão sobre governos e indivíduos em todo o mundo para que se mobilizem pelo controle do câncer.

O Inca informa 11 dicas para prevenir o câncer:

Não fume

Essa é a regra mais importante para prevenir o câncer, principalmente os de pulmão, cavidade oral, laringe, faringe e esôfago. Parar de fumar e de poluir o ambiente é fundamental para a prevenção do câncer.

Alimentação saudável protege contra o câncer

Uma ingestão rica em alimentos de origem vegetal como frutas, legumes, verduras, cereais integrais, feijões e outras leguminosas, pode prevenir o câncer.

Mantenha o peso corporal adequado

Estar acima do peso aumenta as chances de desenvolver câncer. Por isso, é importante controlar o peso por meio de uma boa alimentação e realizar atividade física. Cerca de um terço de todos os casos de câncer podem ser evitados com esta atitude.

Pratique atividades físicas

Caminhar, dançar, trocar o elevador pelas escadas, levar o cachorro para passear, cuidar da casa ou do jardim ou buscar modalidades como a corrida de rua, ginástica, musculação, entre outras. Experimente, ache aquela modalidade que você goste!

Amamente

O aleitamento materno é a primeira ação de alimentação saudável. A amamentação até os dois anos ou mais, sendo exclusiva até os seis meses de vida da criança, protege as mães contra o câncer de mama e as crianças contra a obesidade infantil.
Mulheres entre 25 e 64 anos devem fazer o exame preventivo do câncer do colo do útero a cada três anos

As alterações das células do colo do útero são descobertas facilmente no exame preventivo (conhecido também como Papanicolaou), e são curáveis na quase totalidade dos casos. Por isso, é importante a realização periódica deste exame.

Vacine contra o HPV as meninas de 9 a 14 anos e os meninos de 11 a 14 anos

A vacinação contra o HPV, disponível no SUS, e o exame preventivo (Papanicolaou) se complementam como ações de prevenção do câncer do colo do útero. Mesmo as mulheres vacinadas, quando chegarem aos 25 anos, deverão fazer um exame preventivo a cada três anos, pois a vacina não protege contra todos os subtipos do HPV.

Vacine contra a hepatite B

O câncer de fígado está relacionado à infecção pelo vírus causador da hepatite B e a vacina é um importante meio de prevenção deste câncer. O Ministério da Saúde disponibiliza nos postos de saúde do País a vacina contra esse vírus para pessoas de todas as idades.

Evite a ingestão de bebidas alcoólicas

Seu consumo, em qualquer quantidade, contribui para o risco de desenvolver câncer. Além disso, combinar bebidas alcoólicas com o tabaco aumenta a possibilidade do surgimento da doença.

Evite comer carne processada

Carnes processadas como presunto, salsicha, linguiça, bacon, salame, mortadela, peito de peru e blanquet de peru podem aumentar a chance de desenvolver câncer. Os conservantes (como os nitritos e nitratos) podem provocar o surgimento de câncer de intestino (cólon e reto) e o sal provocar o de estômago.

Evite a exposição ao sol entre 10h e 16h

Use sempre proteção adequada, como chapéu, barraca e protetor solar, inclusive nos lábios. Se for inevitável, use chapéu de aba larga, camisa de manga longa e calça comprida.

 

portalfiocruz

Imagem: Gudella / iStock / Getty Images Plus