• Hospital Clinicor
  • Vamol
  • Roma

Uma nova pílula única diária para combater a Aids — que combina duas drogas já autorizadas — foi aprovada para adultos portadores do vírus HIV, informou nessa segunda-feira, 27, a agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos (FDA). Chamado de Stribild, este comprimido único diário proporciona um tratamento completo contra a Aids e faz parte de opções cada vez mais simples contra o HIV, destacou a Administração de Drogas e Alimentos (FDA, sigla em inglês).

 

"Através da pesquisa continuada e do desenvolvimento de medicamentos, o tratamento para os infectados com o HIV tem evoluído de múltiplas pílulas para apenas um comprimido" diário, destacou Edward Cox, diretor do Bureau de Produtos Antimicrobiais da FDA para avaliação de medicamentos.

 

"Novas combinações de medicamentos para o HIV, como o Stribild, ajudarão a simplificar os tratamentos".

 

O novo remédio, fabricado pela Gilead Sciences na Califórnia (oeste), foi testado em mais de 1.400 pacientes em dois testes clínicos e os resultados mostraram que o Stribild é tão eficaz ou mais que outras duas combinações de tratamentos, reduzindo o HIV a níveis indetectáveis em nove entre dez pacientes após 48 semanas de ingestão. Stribild combina Truvada - emtricitabina e tenofovir contra uma enzima que o HIV usa para se reproduzir - ao Elvitegravir, outra substância que combate uma enzima, associado ao Cobicistat, que potencializa os efeitos do Elvitegravir.

 

O medicamento foi testado em pacientes adultos não previamente tratados de Aids. A FDA afirma que serão necessários mais estudos para determinar a segurança entre crianças e mulheres e se há interação com outras substâncias.

 

Stribil tem alguns efeitos colaterais, que incluem problemas no fígado e nos rins, acúmulo de ácido láctico no sangue e enfraquecimento dos ossos, mas a Gilead afirma que durante os testes "a maioria dos efeitos adversos foi leve ou moderada".

 

O medicamento provoca enjôos e diarreia entre os pacientes.

 

"As terapias que atendem às necessidades individuais dos pacientes são fundamentais para melhorar a manutenção do tratamento e seu potencial de sucesso", afirmou o presidente da Gilead, John Martin.

 

Para que o medicamento chegue aos pacientes com HIV nos países com menos recursos, onde milhões de pessoas não têm opções efetivas de tratamento, estão sendo desenvolvidos genéricos com a autorização e a ajuda da Gilead, em parceria com várias empresas indianas e com a Medicines Patent Pool, organização sem fins lucrativos que promove a fabricação de medicamentos genéricos.

 

AFP

A deputada Flora Izabel, ao discursar nessa segunda-feira, 27,sobre os 50 anos de legalização da profissão de Psicologia, afirmou que os psicólogos piauienses estão lutando pelo desmembramento do Conselho Regional da categoria que funciona em Fortaleza, no Ceará. Com isso, o Estado passará a assumir a identidade de um Conselho Regional de Psicologia. No Brasil, a profissão só passou a ser regulamentada pela Lei 4.119, do dia 27 de agosto de 1962.

 

Segundo a parlamentar do PT, em 1994, durante o primeiro Congresso Nacional de Psicologia, foi deliberado sobre a estadualização dos Conselhos Regionais no país para os Estados com número superior a 1.000 psicólogos inscritos. “Com base nisso, o Piauí pode ser desmembrado do Ceará por já ter 1.500 psicólogos inscritos na seção do conselho”, explica Flora Izabel.

 

A deputada explicou que a seção Piauí do Conselho Regional de Psicologia se configura como um espaço importante de organização da categoria acerca do fortalecimento da psicologia e do compromisso com a profissão.

 

“Os psicólogos do Piauí entendem que a descentralização administrativa, política e financeira, dará uma identidade de Conselho Regional de Psicologia a seção Piauí. Com isso, haverá uma melhoria do acesso da categoria ao seu Conselho. Os processos terão uma melhor resolutividade em função da redução da distância geográfica entre os profissionais e sua representação de classe. Hoje, o volume de trabalho dos conselhos sobrecarrega o funcionamento de apenas uma sede, atualmente na cidade de Fortaleza”, explica a deputada Flora.

 

A parlamentar lembrou que outra importante ação dos psicólogos no Piauí, além das ações em defesa de políticas públicas nas áreas da Saúde, Educação, Assistência Social e da garantia de direitos das mulheres e das crianças e adolescentes, é a luta pela aprovação no Congresso Nacional da jornada de trabalho de 30 horas semanais e pela criação Sindicato dos Psicólogos do Piauí. “O projeto já foi aprovado no congresso recentemente e segue agora para outras comissões”, disse.

 

Foi através da lei 4.119 que o Psicólogo passou a ter o direito de usar privativamente os métodos e técnicas psicológicas com objetivos de diagnóstico psicológico, orientação e seleção profissional, orientação psicopedagógica e solução dos problemas de ajustamento. Em 1980, o Brasil tinha17 mil profissionais da Psicologia congregados em oito Conselhos Regionais. Agora, de acordo com estatísticas do Conselho Federal, o número de psicólogos no país já ultrapassou a casa dos 230 mil.

 

 

Alepi

piauinoticias.com

abdomenEstudo realizado nos Estados Unidos com 12,7 mil pessoas revela que ter gordura localizada na barriga é mais prejudicial à saúde do que ser considerado gordo ou estar acima do peso.

 

Mesmo que uma pessoa tenha um índice de massa corporal normal, ou seja, que esteja dentro do peso ideal, o risco de falecer por problemas do coração é quase três vezes maior se comparado às pessoas que não tem gordura acumulada na cintura, ainda que estas pessoas sejam consideradas obesas.

 

O risco de morte por outras doenças em geral é duas vezes maior, ou seja, não basta mais estar dentro do peso para garantir a boa saúde, a distribuição da gordura no corpo também é muito importante.

 

Jornal Hoje

Por trabalharem com instrumentos cortantes e perfurantes, sob constante risco de contato com sangue de clientes, manicures e tatuadores são alguns dos profissionais mais vulneráveis a contrair hepatite. De acordo com o Ministério da Saúde, cerca de 33 mil novas pessoas são infectadas anualmente no Brasil por hepatites virais.

 

De olho na proteção dessas pessoas, o Ministério da Saúde abriu o concurso cultural Arte, Prevenção e Hepatites Virais para Tatuadores e Manicures. As inscrições podem ser feitas até o dia 20 de setembro.  Os prêmios vão de televisões a quantias de R$ 2 mil e R$ 5 mil.

 

Confira o edital! 

 

Cada vez mais, esses profissionais se tornam conscientes de que devem reforçar a proteção contra a doença, especialmente com o uso de luvas e óculos de proteção, além de realizarem a vacinação. Mesmo conhecendo os riscos, entretanto, nem todos seguem integralmente as recomendações.

 

“No momento que estou fazendo as unhas do cliente, tomo sempre cuidado, mas não uso luvas, embora sei que tenho que usar. Não consigo ficar com elas por muito tempo, acho desconfortável. Após fazer as unhas [das clientes], lavo as mãos  e passo álcool gel”, disse a manicure Gleiziane Abrantes, 28 anos.

 

Atualmente, existem três principais tipos identificados de hepatite, uma doença do fígado: A, B e C. Entre 1999 e 2011, foram registrados 120 mil casos da hepatite B e 82 mil da C. A hepatite A tem tido queda de incidência, com 3,6  mil casos em 2011.

 

A dona de um salão de beleza em Brasília, Marina Praia, entrou em contato com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para saber como proceder para garantir a segurança de clientes e empregados do empreendimento. Ela recebeu como orientação o uso de autoclave, um equipamento que esteriliza materiais metálicos, como aço e inox, a altas temperaturas.

 

“Tomo todos os cuidados necessários para evitar as doenças muito divulgadas, desde micose até hepatites e outras doenças mais graves”, explicou Marina.

 

Cada tipo de hepatite tem diferentes tipos de contágio, sintomas e tratamento. No caso da hepatite A, o tipo mais brando da inflamação no fígado, a doença é transmitida via oral, por meio de água ou alimentos contaminados. É um vírus autolimitado, que as próprias defesas do corpo do portador conseguem combater. O principal sintoma é diarreia.

 

De acordo com a médica infectologista do Hospital Universitário de Brasília (HUB), Celeste Silveira, muitas pessoas contraem a hepatite A e não sabem que estão contaminadas. Celeste explicou que o principal tratamento é repousar, para estimular as defesas do organismo.

 

As hepatites B e C são transmitidas sexualmente ou pela via sanguínea. O contágio é feito por meio de sexo sem preservativo e do uso de materiais não esterilizados e de uso compartilhado – como agulhas, alicates e instrumentos cirúrgicos e odontológicos. Os principais sintomas são febre, icterícia (aspecto amarelado na pele e nos olhos) e mal-estar. A faixa etária mais atingida por esses tipos é entre 20 e 39 anos.

 

A principal diferença entre os tipos B e C de hepatite é o risco de a doença se tornar crônica.  Os sintomas são semelhantes, assim como o tratamento, feito com imunomoduladores – como o interferon – e outros antivirais administrados concomitantemente.

 

O objetivo do medicamento é estimular as defesas do paciente para que o sistema imunológico combata o vírus. Segundo a médica, cerca de 70% dos casos de hepatite C não são curados e voltam a incidir. O que diferencia as hepatites B e C são testes laboratoriais.

 

A reincidência da hepatite pode comprometer as funções do órgão e causar câncer ou cirrose – cicatrizes que se formam no fígado, causando um endurecimento do tecido, prejudicando seu funcionamento.

 

Não há vacinas contra a hepatite A, tipo mais benigno da doença e mais incidente em crianças. Para o tipo C, também não há vacina. Contra a do tipo B, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece vacina, administrada em três doses.

 

“Eu tomo muito cuidado na hora de fazer a tatuagem para não pegar doenças e também tomo as vacinas recomendadas pelo governo. O profissional que não fizer isso pode contaminar a pessoa e se contaminar. Eu fiz um curso de prevenção contra doenças e caso aconteça algum acidente, sei  quais procedimentos tomar até chegar ao hospital”, disse o tatuador Bruno Pessoa, 38 anos.

 

Para evitar a contaminação da hepatite C, a médica Celeste Silveira orienta para o uso de preservativos, a realização de exames pré-natais (para evitar o contágio de mãe para filho)  e o não compartilhamento de materiais perfurantes descartáveis, como agulhas e seringas.

 

Para o tratamento por meio de acupuntura, a opção é manter kit individual de agulhas.  No caso de materiais cirúrgicos e odontológicos, deve ser feita esterilização. Em salões de beleza, deve-se dar preferência ao uso individual de alicates e outros instrumentos. Em estúdios de tatuagem, deve-se observar se são usadas agulhas descartáveis.

 

“Eu fiz um treinamento que orienta [tatuadores] a trabalhar. Vi os riscos que corremos, todo cuidado é pouco. O curso serve para reduzir ou mesmo eliminar, os riscos de contaminação especificamente na área de tatuagem. Hoje está melhor para trabalharmos, há no mercado os materiais descartáveis. O preço ainda é alto, mas é mais seguro”, informou o tatuador Cláudio Ferreira, 38 anos.

 

Fonte: Agência Brasil

Subcategorias