A estudante humilhada diante dos colegas pela diretora da escola em que estudava trocou de colégio depois da repercussão do caso. O momento foi registrado por alunos durante um evento que acontecia no CETI Professora Júlia Nunes, na Zona Sudeste de Teresina. Em entrevista à TV Clube, a jovem falou sobre o constrangimento que sofreu no dia 7 de agosto. A diretora foi afastada do cargo no dia seguinte ao ocorrido.

“Fiquei muito triste, nunca passei tanta vergonha na minha vida [como] naquele momento ali que eu passei. Ninguém queria tá ali. Nem eu”, disse a menina.

A mãe da aluna, que pediu para não se identificar para evitar que reconheçam a filha, se disse indignada porque segundo elas, nem a família e nem a aluna receberam qualquer apoio depois do acontecido.

“Esperava pelo menos que eles procurassem a família para falar alguma coisa, por que aconteceu, por que chegou nesse ponto. [...] Se a criança estava fazendo alguma coisa de errado, o correto era chamar os pais e comunicar o que estava acontecendo, o que a criança tava fazendo, e não eles tomarem esse tipo de atitude”, disse a mãe.

O vídeo em questão foi feito por alunos durante um evento na escola. Diante dos colegas da adolescente, a diretora constrange a aluna porque ela teve um baixo rendimento escolar. Nas imagens, os alunos estão sentados no pátio da escola e a diretora diz que não vai chamar a menina de aluna, mas de “criatura”.

"Não adianta você chorar lágrimas de crocodilo porque logo depois você vai chorar lágrimas de sangue", diz a diretora. A diretora diz ainda ter “quase certeza absoluta" de que a estudante será reprovada novamente e será a maior de todas. Diante da atitude da diretora, a estudante fica paralisada e chora. Enquanto os outros estudantes ficam perplexo. No vídeo, um dos alunos comenta que a atitude da diretora foi um "vacilo".

Para o psicopedagogo Renato Mendes, a atitude da diretora vai de encontro com o papel de educador, que seria de mostrar que práticas como essa, na verdade, estão erradas. “Quando o professor comete isso, está cometendo um equívoco. Porque ele tem formação, nas universidades, de ética, de moral, para tratar dessas questões”, comentou.

Ainda segundo o psicopedagogo, o ataque pode causar alterações na personalidade da aluna, apesar de não ter sido uma agressão física. “Essa agressão simbólica é muito perniciosa também. Ela pode deixar marcas por toda a vida e ter um reflexo muito negativo na vida da pessoa”, disse.

A promotora Flávia Gomes, do Ministério Público do Piauí, comentou que a hierarquia entre os alunos e quem dirige a escola é positiva, mas deve ser exercida com responsabilidade. “É preciso haver acima de tudo o diálogo, a aceitação do outro. E nisso os educadores, nós adultos, temos essa obrigação maior”, disse.

 

G1 PI

Na manhã desta terça-feira, 20, numa operação denominada de Remanescentes, oito pessoas foram presas durante em Teresina. De acordo com a Secretária de Segurança Pública (SPP), a operação tem como objetivo a repressão de crimes contra instituições bancárias no Piauí, mais especificamente na capital, com foco em roubos, armas e drogas.

A operação foi deflagrada pelo Grupo de Repreensão ao Crime Organizado (GRECO), da Polícia Civil, e conta com apoio das polícias Militar e Federal. No total, 15 ordens judiciais foram cumpridas.

Também participam da operação a Polinter e o Batalhão de Operações Especiais. Parte dos mandados foram cumpridos na Zona Sudeste de Teresina. A operação está em andamento e mais pessoas podem ser presas.

 

G1 PI

drgonibusUma abordagem, durante barreira num trecho urbano da BR 407, ao Sul do Piauí, prendeu um passageiro de um ônibus interestadual que fazia linha de Petrolina-PE a Teresina-PI, após o flagrante de substâncias análogas à maconha e cocaína. A ação ocorreu nessa segunda-feira, 19.

De acordo com a Força Tática da cidade de Paulistana, o passageiro informou que teria comprado o entorpecente na cidade de Petrolina-PE pelo valor de R$ 2.100 e levaria à sua terra natal, a cidade de Caridade-PI.

A PM informou ainda que foram apreendidos substâncias análogas à maconha e cocaína, um aparelho celular, uma passagem de Petrolina-PE a Patos-PI e R$ 35 em espécie.

O suspeito e o material apreendido foram encaminhados para a 12ª Delegacia Regional de Policial Civil de Paulistana.

 

cv

Foto: divulgação PM PI

Um foragido da Justiça foi preso na tarde desse domingo, 18, na cidade de Inhuma, por equipes da Força Tática de Valença.

Francisco de Assis Sousa (51), vulgo “Fico” foi preso em razão de haver um mandado de prisão expedido pela comarca de Inhuma pelo crime de estupro de vulnerável.

Conforme denúncia do Ministério Público, o crime teria ocorrido em 2000. Francisco de Assis era considerado foragido e após levantamentos do serviço de inteligência da Força Tática, o mesmo foi localizado, monitorado e preso ontem, em uma churrascaria.

Francisco de Assis Sousa é o 40° foragido preso em 2019 com a intervenção da Força Tática de Valença.

 

portalv1