A cãibra é uma dor causada por uma contração involuntária do músculo e está relacionada à diminuição do nível de alguns minerais, como potássio, magnésio ou sódio.

Exercícios exaustivos também podem produzi-la. O acúmulo de metabólitos ou substâncias que são liberadas durante o trabalho dos músculos como o ácido lático e a amônia também podem colaborar para o surgimento de cãibra.

A deficiência de minerais é provocada pela elevada eliminação de água por meio do suor que faz o corpo perder o cloreto e o sódio e também potássio.

A elevada perda hídrica e de sódio devido ao calor excessivo são os principais fatores que desencadeiam as cãibras.

Para evitá-las, recomenda-se:
- Fazer uma boa hidratação antes, durante e depois dos exercícios.
- Aumentar a ingestão de sódio e cloreto com o consumo de alimentos salgados

- Fazer durante os treinos uma alimentação rica em carboidratos, potássio e cálcio para não diminuir o rendimento e causar cãibras.

 

Agência Brasil

Ouvir e falar são capacidades que envolvem funções distintas no cérebro. Quando participamos de uma conversa, usamos as duas simultaneamente.

A leitura também é um processo que exige integração entre as duas partes. Afinal, ainda que seja em voz baixa, a leitura nada mais é do que uma história que o leitor conta para si mesmo.

O que fazemos com naturalidade não é tão simples assim para todos. Nos casos de autismo em que a pessoa nem consegue conversar, a dificuldade reside exatamente em relacionar as duas habilidades. É o que explica Douglas Greer, da Universidade Columbia, em Nova York, nos EUA, especialista em análise de comportamento verbal, que veio ao Brasil para participar do congresso ESPCA Autismo.

Uma das habilidades que o especialista considera importantes para desenvolver a comunicação é a capacidade de nomear os objetos. É quando uma criança vê um cachorro e diz “cachorro”, ou aponta para o animal se algum adulto falar “olha o cachorro” ou algo parecido.

“As crianças precisam chegar ao estágio em que elas sabem palavras o suficiente para entender o que estão falando em torno delas”, avalia. Na língua inglesa, ele estima que uma criança precise saber entre 55 mil e 86 mil palavras para ter bom desempenho na escola.

“Nomear resulta na expansão exponencial do vocabulário, ou mais especificamente, na junção das funções de ouvir e falar diante de estímulos observados”, afirma Greer, em um estudo de 2010, em co-autoria com sua colega Jennifer Longano.

Os especialistas têm isso em vista quando criam métodos para ensinar a linguagem para crianças que têm essa dificuldade.

“Há procedimentos que permitem o progresso das crianças. Algumas conseguem se beneficiar de todos eles, e algum deles vão servir para a criança, mas nem todas as crianças se beneficiam de todos os tratamentos”, avisa Greer.

 

 

G1

A Secretaria de Controle Externo no Piauí, do Tribunal de Contas da União, recebeu, no dia 15 de dezembro de 2011, representação feita pelo Ministério Público Federal em razão da dispensa indevida de certame licitatório de nº. 290/2011 da Secretaria de Saúde do Estado do Piauí.


A representação foi feita pelo Procurador da República, Marco Aurélio Adão, através do ofício nº315/2011/MAA/GAB/PRPI. O relator da representação é o Ministro José Jorge de Vasconcelos Lima.


Entenda o caso


A Secretaria de Saúde do Estado do Piauí publicou no Diário Oficial de 08 de novembro de 2011, a compra, sem licitação, em “caráter de urgência”, de R$ 9.954.795,02 em medicamentos em cinco distribuidoras, são elas: Remac Odontomédica Hospitalar Ltda (R$ 713.301,00), Dismahc Comércio e Representações (R$ 6.406.478,02), Jorge Batista Ltda (R$ 154.823,00), Expressa Distribuidora de Medicamentos (R$ 914.383,00) e Serrafarma Distribuidora de Medicamentos (R$ 1.765.810,00).


A justificativa da Secretaria de Saúde para a compra é a "aquisição de medicamentos em caráter de urgência para suprir a demanda das unidades de saúde do Estado."

 

 

GP1

O uso regular da linhaça pode diminuir o risco de algumas doenças e reduzir o ritmo de envelhecimento celular.

A linhaça é composta de 41% de gordura, 28% de fibras, 21% de proteína, 4% de resíduos e 6% de outros carboidratos (açúcares, ácidos fenólicos, lignana e hemicelulose).

A gordura encontrada nela é rica de ácidos graxos do tipo ômega 3, usados no combate a obstruções em artérias, responsáveis pelas doenças do coração.

Um estudo do Instituto Científico para Estudo da Linhaça do Canadá e dos Estados Unidos aponta o poder da linhaça na prevenção e cura de numerosas doenças degenerativas.

Por causa de suas fibras solúveis, ela ajuda a baixar os níveis de colesterol.

A semente também auxilia no sistema digestivo e ajuda no funcionamento do intestino e assim, deixa a pele mais saudável.

A casca da linhaça contém uma mistura de minerais, proteínas e vitaminas. Ela possui uma substância chamada lignana, que exerce o mesmo papel do estrógeno, o hormônio feminino. Por isso, seu consumo é indicado na fase da menopausa, quando a mulher deixa de produzir o hormônio.

 

 

Agência Estado