advogado copyUm jovem advogado, conhecido como Gilberto Júnior, que havia colocado seu nome como candidato a vice-prefeito nestas Eleições 2012 na cidade de Dirceu Arcoverde, morreu em um grave acidente por volta das 5:00h deste sábado, 07, quando dirigia na rodovia estadual que liga as cidades de São Raimundo Nonato a Dirceu Arcoverde.


Ele teria perdido o controle e capotou o veículo várias vezes. O carro nem chegou a sair da pista. GIlberto Júnior morreu na hora. A família está abalada com a tragédia e o assunto chocou os populares da cidade de Dirceu Arcoverde. Natural de São Raimundo Nonato, ele morava em Teresina, era casado e tinha 29 anos de idade.


Bastante popular entre amigos na capital piauiense, ele recebe homenagens através de sua página no Facebook.



180graus

A campanha eleitoral nem começou e o clima já esquentou em Picos. Na sessão da última quinta-feira, 05, os vereadores Iata Anderson Rodrigues de Alencar Coelho (PSB), presidente da casa, e Edilson Alves de Carvalho (PTB), do bloco de oposição, baixaram o nível, trocaram farpas em plenário e somente não foram às vias de fato devido à intervenção dos colegas.


Como de costume, a sessão transcorria num clima morno, com os vereadores defendendo na tribuna seus projetos, a maioria dando nomes à rua; quando Edilson Carvalho denunciou a falta de merenda na unidade escolar municipal “Joaquim Rodrigues de Sousa Martins”, no povoado Gameleira dos Rodrigues.


Como a região onde a escola está instalada é um dos redutos eleitorais de Iata Rodrigues, ele reagiu bruscamente e de forma rígida e demonstrando descontrole emocional, passou a fazer ataques pessoais contra Edilson Carvalho, que revidou respondendo no mesmo nível. O bate boca causou mal estar entre as poucas pessoas presentes e repercutiu negativamente junto aos que acompanhavam os debates pelo rádio.


Durante a discussão, o vereador Iata Anderson atacou duramente a vida pessoal do colega Edilson Carvalho. Dentre outras acusações, disse que o mesmo cometeu crime ambiental ao retirar areia do Rio Guaribas na região da Prainha, além de criticar a gestão do colega quando foi presidente da Casa em 2005.


Iata Rodrigues ainda acusou o vereador Edilson Carvalho de tentar cooptá-lo para votar no candidato da oposição na eleição da Câmara Municipal de Picos realizada em 16 de dezembro de 2009. Segundo ele, naquela época o petebista teria enviado um emissário para lhe oferecer 70 mil reais em troca do voto na escolha dos membros da mesa diretora, quando o próprio Iata acabou sendo eleito presidente.



Edilson Carvalho desmentiu a acusação e comentou que alguém até poderia ter procurado Iata Rodrigues com a proposta, mas, negou o envio do emissário. Edilson arrematou acusando o colega de lhe dever e não querer pagá-lo.


Quando estava sendo atacado por Iata Rodrigues, o vereador Edilson Carvalho pediu para o colega parar com aquilo, ressaltando que o plenário não era o lugar adequado, mas, lá fora, pois não se tratava de assuntos de interesse da comunidade e sim de coisas pessoais.


Rotina

Esta não é a primeira vez que os vereadores picoenses faltam com o decoro e trocam acusações pessoais durante o trabalho. Na sessão do último dia 23 de junho no povoado Gameleira dos Rodrigues, Iata Rodrigues e Edilson Carvalho já havia trocado farpas.


No dia 12 de abril deste ano, na sessão itinerante realizada no bairro Morada do Sol, os vereadores Francisco Gonçalves Filho, o Chico de Chicá (PMDB), do bloco de oposição, e José Luís de Carvalho (PSB), líder do governo Gil Paraibano, bateram boca em plenário e somente não se agrediram fisicamente devido à intervenção dos colegas.



GP1


O governo vai cortar o ponto dos servidores federais em greve. A Assessoria de Comunicação Social do Ministério do Planejamento confirmou a expedição da ordem da Secretaria de Relações de Trabalho do ministério a todos os gestores de recursos humanos do governo federal.


O governo disse que as negociações com os servidores não serão interrompidas, pois trabalha com uma data limite de 31 de julho para concluir os estudos sobre a possibilidade de conceder o reajuste salarial, embora considere que o prazo final é 31 de agosto, data final para enviar o projeto do Orçamento para 2013 ao Congresso Nacional.


Hoje pela manhã mais de 500 servidores de doze órgãos federais em greve participaram de assembleia na Esplanada dos Ministérios, em Brasília. A reunião, organizada pelo Sindicado dos Servidores Públicos Federais no Distrito Federal (Sindsep-DF), deliberou sobre a intensificação e ampliação da greve, por causa de um comunicado do Ministério do Planejamento que anunciou o corte do ponto de todos os servidores desde o dia 18 de junho, dia que foi iniciada a paralisação.


De acordo com o sindicato estão em greve: Funasa, Ministério da Saúde, Ministério do Planejamento, Ministério do Trabalho e Emprego, Ministério da Integração Nacional, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Ministério do Desenvolvimento Agrário, Ministério da Justiça, Fundação Nacional do Índio (Funai), Ministério da Agricultura, Arquivo Nacional, Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi) e Hospital das Forças Armada (HFA).


Os servidores reivindicam novos concursos públicos, contratação de servidores, a criação de plano de carreira, criação e estabelecimento de data-base no dia 1º de maio, melhores condições de trabalho e equiparação de salário e benefícios com os servidores do Legislativo e Judiciário.



Acesse Piauí

O parlamentar disse que o Congresso Nacional vai ter que votar uma Lei Complementar e se estima que não haja tempo para isso, devido à polêmica do tema, porque tem estados que perdem e outros que ganham.


“Fizemos a proposta de emenda a LDO para uma distribuição provisória, sendo que distribuem 90% do FPE e 10% vá para o fundo de reserva. E temos fortes argumentos para manter isso assim. Vamos defender isso na reunião da comissão e depois no plenário, porque precisa de aprovação nas duas casas”, explicou o deputado Júlio César.


Segundo Júlio César, esse critério de partilha do FPE está congelado desde 1989, e o STF tinha considerado isso inconstitucional. Em 2010, os dados da tabela foram flexibilizados, de acordo com os indicadores como população, renda e área. “Desde de 1989 a população e a renda variou muito nos estados. Se subir a renda, reduz o fundo, porque é inversamente proporcional.”, informou.


Pelos cálculos do deputado, a perspectiva é que o Estado do Piauí tenha um aumento de R$ 800 milhões por ano no repasse do FPE, porque tem renda baixa. “Com nosso projeto, o repasse deve ser três vezes maior do que estava sendo previsto para ser repassado com a distribuição dos royalties do pré-sal.”, finalizou Júlio César.



Ascom