O presidente do Detran (Departamento de Trânsito) do Piauí, José Antônio Vasconcelos, reconheceu que o Estado está "vivendo um caos no trânsito". O gestor também afirmou que a Saúde não tem estrutura para suportar o atendimento aos acidentados.

"No Brasil, a cada 100 mil pessoas, 30 morrem por acidente de trânsito. É um número muito alto. Isso também preocupa no Piauí, porque hoje temos 300 mil motos e grande parte desses condutores não tiraram a carteira", disse Vasconcelos, em entrevista a um programa de TV desta sexta-feira, 20.

O gestor afirmou que, com a inclusão social, as pessoas compram motocicletas com facilidade. "Boa parte dos proprietários de motos são pessoas que trocaram o jumento pela moto e que não tiveram a consciência da importância dos procedimentos que devem ser realizados".
Vasconcelos acrescentou que o Detran vai realizar uma nova campanha de preservação da vida e intensificar as ações de fiscalização.

Atendimento no Detran

O presidente rebateu as inúmeras críticas ao atendimento do Detran. "Tem um bom número de pessoas que tiram a carteira e depois não vão pegar e ainda reclamam que a gente não enviou. É um procedimento simples", destacou.


Vasconcelos ainda comentou que o Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) irá cancelar carteiras de habilitação que estiverem vencidas há mais de dois anos. "Aí os procedimentos serão mais complicados e demorados. Mas, nós queremos que as pessoas vejam o Detran como um órgão de atendimento, não como um bicho-papão", finalizou.

 

Fonte:cidadeverde

 

rosembauminteriorEm entrevista a ÉPOCA, o designer Marcelo Rosenbaum (foto) fala sobre a segunda fase do projeto "A Gente Transforma", que busca valorizar o artesanato produzido na Chapada do Araripe, uma das regiões mais pobres do Piauí

 

 

 

Em 2010, o designer Marcelo Rosenbaum criou um projeto para levar cor à periferia de São Paulo, no bairro do Capão Redondo. O projeto, batizado de "A Gente Transforma", deu certo, e Rosenbaum decidiu criar uma segunda edição, desta vez em uma das regiões com o menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do país: Chapada do Araripe, no interior do Piauí.

 

 

 

O objetivo de Rosenbaum, famoso por sua participação no quadro Lar Doce Lar, do Caldeirão do Huck (Rede Globo), é transformar a realidade de uma pequena comunidade que vive hoje do artesanato. "É uma comunidade que se pode dizer que está no século retrasado. Não tem saneamento básico, falta água, crianças trabalham na roça, mas ao mesmo tempo tem pessoas incríveis, de talento", diz. O projeto vai funcionar em duas frentes: designers vão trabalhar em conjunto com a população local para valorizar o trabalho de artesanato e gerar renda, e estudantes vão tentar resolver alguns dos problemas da região por meio de técnicas de permacultura, que consiste em construir usando materiais existentes no local em que a construção será erguida.

 

 

 

A ideia é ajudar a comunidade a criar um produto, aliando as técnicas de artesanato e a visão dos designers, para ser exposto em Milão (Itália). Depois, os objetos serão vendidos com valor agregado nas principais regiões do país, desta forma gerando renda e desenvolvimento para a comunidade. O projeto conta com apoio do Sebrae do Piauí, que vai dar suporte na qualificação da população e na continuidade do programa. Além disso, o designer apresentou sua proposta para o Ministério da Integração Nacional e para o governo do Estado do Piauí, mas por enquanto a segunda edição do "A Gente Transforma" não conta com patrocínio oficial.

 

 

 

ÉPOCA - O que é o projeto "A Gente Transforma"?

 

 

 

Rosenbaum - É um projeto que resume tudo o que eu acredito, e é também um momento de amadurecimento do nosso trabalho. Faz alguns anos que estamos trabalhando com comunidades, ONGs, fazendo sempre uma ponte para levar qualificação e um outro olhar para comunidades. Queríamos dedicar nosso tempo e talento para gerar renda para as comunidades. E foi assim que surgiu o projeto "A Gente Transforma".

 

 

 

ÉPOCA - Que está na segunda edição, certo? Como foi a primeira edição?

 

 

 

Rosenbaum - A primeira aconteceu no Parque Santo Antonio, no Capão Redondo, ano passado. Houve capacitação e criação de produto, mas o pilar, o mote da mobilização foi a pintura das casas do entorno do campo de futebol, pensando em conectar e empoderar a comunidade. Era uma comunidade com vários problemas, do saneamento básico ao tráfico, a realidade de uma favela de metrópole brasileira. E esse projeto teve um bom retorno, muito resultado, inclusive para a equipe, para os estudantes que participaram e aprenderam muito com a comunidade. Com isso, o Ministério da Integração Nacional nos convidou a expandir o projeto em outras áreas. Nós paramos para olhar as áreas de interesse do ministério, e logo nos chamou a atenção a Chapada do Araripe. A chapada tem um dos piores índices de desenvolvimento humano do país, mas é também um lugar cheio de talentos, com recursos para o artesanato. O artesanato que existe hoje é produzido por eles para eles mesmos, um consumo utilitário. Por exemplo, fazem cópias de chinelo Havaiana com borracha de pneu. Só que fazer uma borracha de pneu se transformar em uma sandália é uma escultura, um talento gigante. Por que não reaproveitar esse talento e criar um outro produto, que possa ser exportado, usado em grandes centros, comercializado, gerar renda? Outro exemplo é o trabalho com a palha de carnaúba, matéria-prima riquíssima, que eles fazem para vender na feira livre. Esse produto, com o olhar de pessoas que conhecem o mercado, pode ganhar um novo valor, e de repente esse produto está na Oscar Freire, Na Visconde de Pirajá, na praia de Boa Viagem, ou até em Milão.

 

 

 

ÉPOCA - Vocês visitaram a comunidade?

 

 

 

Rosenbaum - Nós conhecemos a região. Fizemos uma parceria com o Sebrae do Piauí, que tem um levantamento de comunidades que teriam potencial de artesanato, com produtos da região. A ideia é Chapada do Araripe mesmo, Piauí. Essa região pega a divisa de Pernambuco, Ceará e Piauí. Fizemos uma viagem inicial em várias comunidades, e a comunidade que teria mais condição de receber o projeto era Varzea Queimada. É uma comunidade que se pode dizer que está no século retrasado. Não tem saneamento básico, falta água, crianças trabalham na roça, mas ao mesmo tempo tem pessoas incríveis, de talento, tem matéria-prima. Acho que com visão, com um trabalho de troca de experiências, informações, integração, a gente consegue levar desenvolvimento para lá. Esse é o nosso grande desafio.

 

 

 

ÉPOCA - E vai ser criado um produto na comunidade?

 

 

 

Rosenbaum - Isso. Vamos levar dois grupos de design, um é liderado por uma designer carioca, Amanda Bernardes, que já trabalha com esse movimento de levar inclusão e auto-estima pelo design. Vamos levar também dois designers portugueses, da Universidade de Lisboa, que trabalham com o resgate da cultura popular portuguesa. Esse produto que vamos criar, será levado para Milão. O ponto final do projeto é fazer o artesanato ser valorizado como um produto de design. Estar em Milão é uma forma de valorizar esse produto, para que volte ao Brasil com uma posição de destaque. Será o olhar, a orientação dos designers, aliado ao saber e à tradição da comunidade. Na outra parte do projeto estamos selecionando 15 estudantes para pôr a mão na massa e trabalhar com a técnica de permacultura, uma técnica de construção com a própria natureza dos materiais que existem no local. E vamos tentar resolver alguns dos problemas que existem, por exemplo de saneamento básico, iluminação, levar um pouco de conforto e bem-estar para as pessoas da comunidade.

 

 

 

ÉPOCA - Quando o projeto começa?

 

 

 

Rosenbaum - Já começou. Vamos para lá no dia 1º de fevereiro e, na primeira parte ficamos até o dia 15 de fevereiro. Mas mesmo depois disso o projeto terá continuidade, com o apoio do Sebrae no trabalho de capacitação e produção. Estamos nos conectando também com um grupo de venda online, para fazer a distribuição dos produtos. E trabalhar com a divulgação, levando o produto pra exposições, para Milão, fazendo contato com decoradores para o artesanato entrar como um elemento de valorização para a decoração brasileira, especialmente para as pessoas que estão comprando, decorando casas.

 

 

 

ÉPOCA - Vocês já fazem planos para expandir o projeto para outras comunidades da região?

 

 

 

Rosenbaum - Eu não quero parar mais de fazer isso! Mas precisamos de apoio, até do governo. Eu vejo um grande sucesso no projeto e, tendo sucesso, terá interesse de outros. Queremos continuar esse caminho: levar desenvolvimento para a comunidade, e fazer o artesanato entrar na decoração brasileira com o seu valor, e multiplicar isso com os estudantes. Estamos indo de coração aberto e vamos trabalhar com muito cuidado e com muito afinco.


Portal da Clube e Revista Época

 

acidente1Na noite dessa quinta feira, 19, de janeiro, por volta das 20:30h um grave acidente fez uma vitima fatal na BR 343 na cidade de Lagoinha, Amarildo de aproximadamente 30 anos que residia no conjunto Sol Nascente, colidiu violentamente de frente com um ônibus da UESPI que vinha de Floriano para Teresina, Amarildo estava visivelmente embriagado e o mesmo conduzia uma motocicleta Bros, segundo informações de vizinhos Amarildo tomava remédio controlado e não podia beber.

 

 

180 graus

 

O Piauí é o quinto estado do Nordeste que mais registrou pagamentos de indenizações por morte no trânsito em 2011. As estatísticas mostram que o Estado recebeu 8% das verbas indenizatórias pagas através do seguro DPVAT (Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre) no Nordeste e está entre aqueles com maior incidência de mortes no trânsito. O seguro também é válido em casos de invalidez permanente ou mesmo para cobrir as despesas médicas de vítima de acidentes.

 

 

 

No ano passado 366.356 pessoas receberam o Seguro DPVAT no Brasil, totalizando mais de R$ 2,287 bilhões pagos. O número representa um recorde de indenizações pagas, representando um aumento de 45% em relação ao ano de 2010. O que chama atenção nas estatísticas é que 51% dos acidentados tem entre 18 e 34 anos, justamente onde se concentra a maior parte da população economicamente ativa. Nessa semana, o Governo do Estado do Piauí divulgou uma pesquisa atestando que por ano o impacto econômico dos acidentes de trânsito chega a R$ 500 milhões.

 

 

 

Se não bastasse os gastos com assistência hospitalar, muitas vítimas - quando não morrem - ficam com seqüelas, que alguns casos são irreversíveis. Uma matéria veiculada pela Folha de São Paulo mostra que os casos de invalidez permanente entre trabalhadores vítimas de acidentes de trânsito se multiplicaram entre 2005 e 2010, passando de 31 mil para 152 mil por ano. Nos primeiros nove meses de 2011, houve novo aumento de 52%, para 166 mil, segundo números do DPVAT, seguro obrigatório pago por proprietários de automóveis.

 

 

 

O quadro preocupa a Previdência Social, que teme ter de arcar com os custos de uma geração de jovens aposentados por incapacidade. Projeções apontam que o INSS gastou R$ 8,6 bilhões com benefícios gerados por acidentes de trânsito. A cifra representa 3,1% de todas as despesas previdenciárias. A gerência do INSS no Piauí, afirmou que em 2011 foram concedidas 83 aposentadorias por invalidez causada por traumas, onde também estão incluídas as vítimas de acidentes de trânsito.

 

 

 

Para a Seguradora Líder DPVAT, administradora do Seguro, o aumento expressivo do número de indenizações é resultado de uma combinação de fatores, a exemplo da abertura de novos pontos de atendimento. As estatísticas apontam que 58.134 pessoas receberam indenização por morte no período. Outras 68.484 pessoas também receberam reembolso de despesas médicas em 2011. Levando em conta que os acidentados têm um prazo de três anos para solicitar o benefício do Seguro DPVAT, esses números ainda podem aumentar, tendo em vista que para acidentes ocorridos a partir de 2009 ainda cabe solicitação de indenização.

 

 

 

Em 2011, considerando os casos de invalidez permanente, os acidentes com motocicleta representaram 72% das indenizações no período. As estatísticas apontam ainda que em cerca de 77% dos casos envolvendo todos as categorias de veículo e diversos tipos de dano, a vítima é homem, sendo, na maioria das vezes, o próprio motorista. Considerando as indenizações pagas por Região, as estatísticas apresentam particularidades em cada parte do país. No Sudeste foi registrado o maior número de casos de acidentes de trânsito que causaram morte. Ao todo, 38% das indenizações resultantes de ocorrências fatais foram destinados a vítimas da Região. Já no Nordeste estão concentrados 30% dos casos de indenização por invalidez permanente e, no Sul, o maior número de reembolsos por despesas médicas - 43%.

 

 

Diário do Povo