Foi determinado em despacho nesta segunda, 2, pelo desembargador  Raimundo Nonato da Costa Alencar  a inclusão em pauta do Inquérito Policial que apura possíveis crimes supostamente praticados pelo prefeito de Parnaíba, José Hamilton Furtado Castelo Branco, e pelo ex-presidente do Instituto de Previdência do município de Parnaíba, Suleyman Alves Santana.

A 1ª Câmara Especializada Criminal deverá deliberar sobre o recebimento ou não da denúncia para que seja instaurada a ação penal. O Ministério Público pediu o afastamento e prisão do prefeito no recebimento da denúncia, com base no art.2º, inciso II, do Decreto Lei 201/67.
 
 
O gestor José Hamilton está sendo investigado em inquérito Policial por suposta prática dos crimes tipificados no parágrafo 1º do art.168 – A (apropriação indébita previdenciária) e art. 299 (Omitir, em documento público ou particular, declaração que dele devia constar, ou nele inserir ou fazer inserir declaração falsa ou diversa da que devia ser escrita, com o fim de prejudicar direito, criar obrigação ou alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante), ambos do Código Penal.  Caso condenado o prefeito pode pegar até 05 anos de cadeia.
 
 
Entenda
 
O prefeito foi investigado pela Delegacia Especializada de Crimes Contra a Ordem Tributária - DECCOTERC por causa de informação inverídica prestada pelo município de Parnaíba no Acordo de Parcelamento firmado com o Instituto de Previdência do Município de Parnaíba que possibilitou o parcelamento em 240 prestações mensais e consecutivas das contribuições devidas e não repassadas ao regime próprio de previdência social dos servidores públicos municipais, quando no máximo o débito só poderia ter sido parcelado em 60 meses.


Em razão da informação foi reduzido o valor da parcela mensal de R$ 36.591.11 para R$16.612,73. Também foi denunciado como incurso nos mesmos artigos do Código Penal o ex-presidente do Instituto de Previdência do Município de Parnaiba, Suleyman Alves Santana.
 
 
 
Com informação do GP1


Num contato com o piauinoticias.com  esta manhã o vice-prefeito de Floriano, Oscar Siqueira Procópio, que pediu desfiliação do PTB, partido do qual vinha fazendo parte ao lado do prefeito Joel Rodrigues, confirmou que está pronto para o encontro que estará ocorrendo logo mais a noite na sua casa, bairro Irapuá.
 
 

O vice-prefeito disse que a reunião deverá ser iniciada as 19:30h e qualquer pessoa poderá participar.  “Se trata do anúncio sobre qual direcionamento iremos tomar após o que ocorreu no grupo do qual fazíamos parte. Gostaríamos que de contar com amigos em geral nesse momento”, disse a liderança.
 


Ex-integrantes da administração atual que é liderada pelo prefeito Joel Rodrigues (PTB) devem comparecer, entre os quais: Edilberto Araújo (ex-secretário de governo), Honorato Sergio (ex-secretário de Comunicação), dentre outras lideranças.  Informações confirmam que o vice-prefeito Oscar Procópio já teve contatos com grupos políticos que fazem oposição ao grupo petebista.
 
 
 
Da redação

De acordo com os autores da ação, a presidente do Grupo Matizes, Marinalva Santana, Maria Madalena Nunes e o ex-vereador de Teresina, Jacinto Teles, a nomeação de Lílian Martins, seria ilegal, pois ofenderia os princípios da legalidade, moralidade pública, segurança jurídica, boa-fé, impessoalidade, simetria e isonomia, determinados pela Constituição Federal.


“Este ato sugere a prática de um nepotismo. É questionável o fato de a esposa do governador julgar as contas do governo do marido. Estamos contestando a legalidade desse processo. É para cumprir meu papel de cidadã que participo dessa ação”, explicou Marinalva Santana.


No último dia 28 de abril, Lílian foi eleita, tendo disputado a cadeira com outros 13 candidatos e mesmo precisando de apenas 16 votos para se eleger, recebeu 25 votos dos 29 deputados presentes no plenário da Assembleia Legislativa. O jornalista Zózimo Tavares obteve três votos da bancada tucana e o advogado José Arimateia Dantas recebeu um voto do deputado Cícero Magalhães (PT).


No dia 25 de abril, o juiz Reinaldo Araújo Magalhães Dantas, da 2ª Vara dos Feitos da Fazenda Pública do Estado, suspendeu a eleição, alegando inconstitucionalidade e acatando, assim, os argumentos do promotor Fernando Santos, do Ministério Público Estadual. Uma decisão posterior do desembargador Edvaldo Moura permitiu a continuidade do processo eleitoral sob a alegação de que a escolha estava de acordo com o regimento da Assembleia Legislativa do Piauí.



Sávia Barreto

Francisco Emerson, condenado por porte ilegal de arma em Teresina, foi preso nesse domingo, 01, na cidade de Coivaras ao tentar assassinar três pessoas usando uma faca. Ele chegou a perfurar duas vítimas.


Os feridos foram levados para o Hospital de Urgência de Teresina, um deles um homem de 61 anos, que estava em uma convenção partidária, segundo a polícia. Ainda de acordo com a autoridade policial, o acusado estava sob efeito de entorpecentes.



meionorte.com