Não há como fugir das estatísticas: 65% dos pacientes com câncer de estômago têm mais de 50 anos. É o terceiro mais frequente em homens e o quinto entre as mulheres, mas as chances de cura estão em torno de 70% quando é descoberto em estágio inicial. Conversei com o médico Raphael Araújo, cirurgião oncológico do aparelho digestivo e professor do Departamento de Gastroenterologia Cirúrgica na Escola Paulista de Medicina da Unifesp, que detalhou a relação entre a doença e um estilo de vida pouco saudável. “O câncer de estômago em pacientes jovens está muitas vezes associado à hereditariedade. Para os mais velhos, no entanto, décadas de estilo de vida pouco saudável contam muito, como fumar, beber em excesso e consumir carnes vermelhas e alimentos salgados ou embutidos, por exemplo”, explicou.


A presença da bactéria Helicobacter pylori desempenha papel relevante no surgimento do câncer. Apesar do meio ácido que caracteriza o estômago – feito sob medida para digerir os alimentos – a bactéria “se protege” abrigando-se na camada de revestimento da mucosa das reentrâncias do órgão. “Os sintomas não devem ser ignorados. A perda de peso pode indicar um estágio mais avançado da doença, mas antes disso há sinais importantes a serem observados. Entre eles estão o empachamento, que é aquela sensação de estar ‘cheio’ depois das refeições, além de queimação crônica ou refluxo”, afirma o cirurgião.

Nem todos com queixas desse tipo têm câncer, mas deveriam se submeter a uma endoscopia, exame eficiente através do qual o médico pode identificar a lesão e retirar um fragmento para comprovar a patologia. O hábito de tomar antiácidos pode mascarar os sintomas. Uma vez feito o diagnóstico, é preciso verificar o estadiamento, ou seja, o estágio da enfermidade, se está localizada ou se há metástase e ela atingiu outros órgãos. “Normalmente são pedidos exames complementares, como tomografia de abdômen, pelve e pulmões. A cirurgia para a retirada do tumor é o procedimento mais indicado, mas também avaliamos as vantagens de fazer quimioterapia antes, para controlar micrometástases, e depois. Há ainda a indicação eventual de radioterapia”, complementa o doutor Raphael Araújo.

Uma das maiores preocupações dos pacientes é de que forma vão se alimentar, como conta o médico: “na gastrectomia, às vezes retiramos dois terços do estômago, mas há casos em que é preciso retirar quatro quintos e até o estômago todo, quando a lesão é muito próxima do esôfago”. Quando isso acontece, o cirurgião interpõe um segmento entre o esôfago e o intestino delgado. Apesar de não haver mais a secreção do suco gástrico, o intestino produz enzimas que digerem as proteínas.

“O paciente vai se adaptando”, ele garante, acrescentando: “é necessário diminuir o volume ingerido e aumentar o número de refeições. Também é preciso repor vitaminas, como a B12, através de injeções”. Na sua opinião, a longevidade representa um desafio para os médicos: “os ensaios clínicos se referem a indivíduos até 65, 70 anos. Na prática, porém, vem crescendo o número de pacientes acima de 75, 80 anos, e o cirurgião oncológico com frequência vive um dilema, no qual tem que avaliar se a condição clínica do paciente suportará todos os procedimentos necessários para oferecer um tratamento com intenção curativa como os propostos nos estudos com pacientes mais jovens”.

 

bemestar