opsiçaopecOs deputados estaduais querem ter conhecimento dos próximos reajustes das contribuições dos servidores para o Plano de Assistência Médica e Tratamento do Piauí (Plamta) e do Iaspi/Saúde antes desses percentuais entrarem em vigor. Este foi um dos encaminhamentos feitos hoje (4) pelos deputados Gustavo Neiva (PSB), líder da Oposição, e Teresa Britto (PV), vice-líder, na audiência pública sobre o Plamta, realizada na Comissão de Administração Pública e Política Social da Assembleia Legislativa.

Teresa Britto pediu à presidente do Instituto de Assistência à Saúde do Servidor Público do Piauí (Iaspi), médica Danielle Aita, que encaminhe à Alepi informações sobre o volume de recursos arrecadados com ascontribuições do Iaspi Saúde e do Plamta, bem como o total dos gastosefetuados com o atendimento dos segurados e seus dependentes.

Danielle Aita prestou esclarecimentos aos parlamentares sobre orecente aumento nas contribuições do Plamta, assinalando que a AgênciaNacional de Saúde (ANS) permitiu que os planos de saúde tivessem umaumento de até 17%. Ela assinalou que a proposta inicial do Iaspi erade um reajuste de 10%, enquanto os servidores apresentaram umacontraproposta de 5% e ficou acertado o reajuste em 6,5%.

Acrescentou a presidente do Iaspi que cerca de 300 mil segurados edependentes são atendidos pelo Iaspi Saúde e pelo Plamta e que asdespesas do órgão com atendimento médico-hospitalar sobem em média 15%ao ano. “A inflação da saúde é diferenciada e chega a atingir 18% aoano”, declarou ela, frisando que em 2018 não foi aplicado reajuste nascontribuições do Plamta e do Iaspi Saúde, o que ocorreu somente esteano.

Em relação ao pagamento das clínicas e hospitais credenciados,Danielle Aita disse que o Governo do Estado está cumprindo ocalendário de pagamento acertado com os diretores dos estabelecimentosde saúde. Ela afirmou que até o dia 14 deste mês serão efetuados ospagamentos referentes aos serviços prestados em agosto de 2019.

 

Alepi