Os processos que foram abertos contra os traders Leonel Júnior, Jônathas Máximo e Péricles, esses três que estão escondidos por conta de alguns dos seus investidores terem feito ameaças, inclusive de morte, de acordo com as autoridades que atual no caso correm em segredo de Justiça.

Não sabe ao certo quanto em dinheiro os traders levantaram com as pessoas que se tornaram vítimas, mas milhões de reais estão em jogo e muitos dos investidores estão considerando os valores investidos, como perdidos.

As ameaças de investidores maranhenses contra Jônathas e Leonel, inclusive de morte, deixaram de ser destaques na mídia, pois o que se tem de informações são que ao valores que eles deviam aos maranhenses teriam sido pagos, mas isso são apenas especulações.

Agora, com a poeira um pouco mais baixa, mas com dezenas de investidores ainda em desespero por terem perdido muito dinheiro, o que chegou na redação do Piauí Notícias é que a dupla de traders identificada por Matheus e Pedro Gil (foto), esse último que mora em Brasília, está desfeita.

matheus

Matheus (Floriano) e Pedro Gil - Distrito Federal

Eles não trabalham mais juntos, mas os valores investidos por dezenas de pessoas não foram devolvidos ainda, ou seja, muita gente está no prejuízo e as ligações e mensagens de telefones feitos para os mesmos não são mais completadas. 

O Matheus era o homem que pegava os valores com os investidores e enviava para o Pedro Gil, isso ganhando uma comissão dos valores negociados.

O retorno para os investidores era anunciado entre 15% e 20% a cada mês, de acordo com  algumas das vítimas. E mais, há ainda as pessoas que ganhavam um percentual de 05% com alguns dos traders, por conseguir os possíveis investidores.

Há informação de que a dupla (Matheus e Pedro Gil) está desfeita chegou na redação do Piauí Notícias, por meio dos ex-sócios.

O Matheus mora em Floriano e o Pedro, como foi citado à cima, mora em Brasília.

O caso, quanto aos primeiros três traders citados na materia, está sendo investigado e no comando das investigações está a delegada Emily Kaynar, titular Delegacia Regional de Polícia Civil, que asumiu o lugar do delegado Bruno Ursulino que estava presidindo as investigações e que agora está na Central de Homicídios, em Teresina.  Os casos do Leonel, Jônathas e Perícles seguem em segredo de Justiça.

OUTRO LADO

Todas as pessoas citadas na matéria já foram procuradas para se manifestar e, algumas disseram que não, outras não  atenderam as ligações

ATUALIZADA AS 12:50h

O Piauí Notícias tinha errado o nome da delegada, pois quem está presidindo as investigações é a Dra. Emilly Kaynar e não a delegada Amanda Estevam, como estava na matéria.  

Da redação