A atitude do enfermeiro/vereador de Floriano, Ancelmo Jorge, de invadir o Setor COVID do Hospital de Floriano e medicado um paciente continua repercutindo e agora de no âmbito estadual.

O paciente Chagas da Oficina, dias após, acabou morrendo em consequencia da COVID.  Agora, chegou na redação do Piauí Notícias uma Nota que teria sido feita pela enfermeira Thays, que estaria no plantão no dia da invasão.

Nas colocações da profissional em Saúde, ela  que denuncia o enfermeiro quando esteve na direção do Hospital local, são feitas algumas revelações.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Muito me entristece esta entrevista do senhor Ancelmo Jorge.... Que sem argumentos comprovados vem denegrir a minha imagem... Enfatizo que sou uma profissional efetiva, que não devo favores ao mesmo e que não tenho nenhuma necessidade de promoção ao contrário do senhor que depende da populacão para estar onde está...... Enfatizo também que em nenhum momento houve negligência na assistência ao paciente uma vez q tudo está comprovado no prontuário.... O senhor Ancelmo é auxiliar de enfermagem efetivo do HRTN no qual no momento não está ativo.. Não fazendo assim parte do quadro de funcionários do HRTN no momento.. Ressalto que o mesmo não tem o direito de adentrar um setor sem permissão, sem uso de Epis adequados pondo em risco a segurança do paciente, pois assim aumenta o risco de infecção .. e realizar uma medicação sem autorização do médico e interferir na conduta de toda uma equipe causando assim transtorno e descontentamento... Além disso, não lhe concede o direito de me ameaçar... me agredir verbalmente, me desacatar enquanto servidora pública e retornar no dia seguinte pra me "jogar piadas" ... o qual, me deixa em dúvida, se o mesmo estava lá para ajudar ou para causar conflitos entre a equipe... Ressalto ainda que sua posição de agressor me confere total direito a recorrer da justiça e que em nenhum momento a assistência ao paciente ficou descontinuada,pois existe 3 enfermeiras diariamente e toda uma equipe competente e responsável que trabalha com os recursos que são ofertados para garantir uma assistência qualificada e segura ... fato comprovado na escala de enfermagem do setor covid... Ressalto também, que durante a entrevista concedida pelo hospital, os profissionais saíram de suas residências pra dar apoio aos demais , uma vez que todos nós estávamos entristecidos com tamanho desrespeito de toda ação do senhor Anselmo. Enfatizo q o senhor Ancelmo já foi enfermeiro da UTI adulta o qual em vários momentos abandonava o plantão e pedia pra mim comunica-lo por telefone em caso de qualquer intercorrencia.... Também o mesmo foi diretor do nosocomio , sendo o pior gestor., pois o mesmo se preocupava mais com "fuxicos" do que com o proprio hospital....tanto q não durou no cargo... enfatizo que esta postura antietica, de adentrar os setores, realizar alguns procedimentos sem autorização e causar desconforto entre os membros da equipe não são só queixas minhas... Também almejo relatar que o fato de perder dinheiro em traider em nenhum momento me fez ficar estressada ao ponto de discutir com o mesmo e/ou interferir na assistencia.... Fico até entristecida com este relato do vereador que não tem argumentos concretos e se apega de qualquer desculpa pra amenizar seu erro de invadir um setor, causar desconforto com a equipe, administrar uma medicação sem autorização e sem necessidade pois o paciente não estava com febre ou queixas algicas e isso está comprovado no prontuário, e sem ser membro do quadro de funcionários ativos do HRTN no momento .. Toda conduta do senhor Ancelmo nao me surpreende nem como profissional de enfermagem nem como vereador.. Que inclusive segundo seu relato, especulou vários erros e nao efetivou nenhuma queixa formal, nem pro Coren que é dever nosso, informar qualquer ato que infrinja nosso código de ética... e nem as autoridades competentes enquanto vereador... será por quê???Se houve negligência da minha parte porque o senhor não informou ao Coren??? Por conseguinte tudo está relatado em prontuário, estou tranquila enquanto minhas condutas , me solidarizo com toda família enlutada e aguardo o Coren e a Justiça tomarem todas medidas cabíveis.

Thaise Alves

Enfermeira

OUTRO LADO

O enfermeiro Ancelmo Jorge já foi procurado pelo Piauí Notícias, inclusive hoje via telefone, para se manifestar, mas o mesmo não atende as ligações. A entrevista que a enfermeira cita no começo da nota, não foi publicada pelo Piauí Notícias.

Da redação