Se a ótima atuação no empate amargo diante do Grêmio, na sexta-feira passada, não tinha sido suficiente para algum torcedor voltar a acreditar no futebol do Palmeiras, a goleada por 4 a 0 sobre o Corinthians desfez de vez as dúvidas criadas pelo River Plate na dramática semifinal da Libertadores.

Menos de 72 horas depois de ter desperdiçado muitos gols e deixado dois pontos escaparem, a equipe dirigida por Abel Ferreira voltou ao Allianz Parque para fazer outro jogo intenso na segunda-feira à noite. Desta vez, dominando o rival – o seu maior rival – durante praticamente os 90 minutos.


Apesar de finalista da Libertadores e da Copa do Brasil, o treinador português insistiu em não abrir mão do Campeonato Brasileiro e escalou o que tinha de melhor à disposição. Só que de um jeito diferente. De mais um (!) jeito diferente, provando repertório dentro do seu pouco tempo de trabalho no futebol brasileiro.

Não por acaso, uma das peças que o ajudou a mexer na estrutura foi o coringa de seleção brasileira Gabriel Menino. O veterano de 20 anos, que já jogou em quase todas as posições e exerceu as mais diversas funções, desta vez começou o jogo um pouco mais avançado, aberto pelo lado direito, mas não exatamente como um ponta. Chegava à linha de fundo ao mesmo tempo em que cuidava de fechar o meio e ajudar Mayke na marcação.

Mas a principal novidade na formação de Abel Ferreira foi a utilização de Willian e Luiz Adriano como titulares. Juntos, eles deixaram tonta a defesa corintiana. Sozinhos, cada um a seu modo, desequilibraram.

Willian fez um partidaço com a bola no pé, provavelmente para firmar de vez seu retorno entre os titulares. Luiz Adriano fez um partidaço com e sem a bola, participando direta ou indiretamente dos quatro gols.


Além dos dois que ele próprio marcou, o centroavante esteve envolvido nos dois gols de Raphael Veiga: puxou a marcação para deixar o meia livre no primeiro e brigou pela bola que sobrou limpa para a finalização do segundo.

Tirando o pé
Com 20 minutos do segundo tempo, estava definida a goleada histórica, um 4 a 0 que o Palmeiras não impunha ao Corinthians desde 2004. A partir dali, conforme relato do repórter Felipe Diniz, que trabalhava na transmissão do Premiere, os membros da comissão técnica davam comandos diferentes à beira do campo:
O chefe dela, Abel Ferreira, aparentemente estava ao lado daqueles que queriam simplesmente esperar o apito final e terminar com os 53% de posse de bola.

O português tratou de fazer as cinco alterações e descansar jogadores mais exaustos e menos substituíveis nos desafios pela frente, como o lateral-esquerdo uruguaio Matías Viña, que teve um gol corretamente anulado antes de sair. Qualquer tempo ganho a essa altura é bem-vindo.


O Palmeiras já tem mais um duelo importante na quinta-feira, frente ao Flamengo, em Brasília. Até a final da Libertadores (em 30 de janeiro, contra o Santos, no Maracanã), ainda enfrentará Ceará e Vasco pelo Brasileirão.

 

GE