borjaAs declarações de Mano Menezes na semana passada não apenas renderam um comunicado público do empresário de Borja como também levaram a uma conversa entre o técnico e o atacante na Academia de Futebol.

Na semana passada, em entrevista à ESPN Brasil, Mano Menezes disse que o colombiano "não tinha uma trajetória tão grande antes de chegar ao Palmeiras, em um clube de ponta da América Latina", e que ele "talvez não seja tão estrela".

– Falei com ele pessoalmente antes do jogo (de quarta-feira, contra o Vasco, no Rio de Janeiro), antes de sair o comunicado – revelou Borja, em entrevista à Blu Rádio, da Colômbia.


O atacante disse ter explicado que se tratava de palavras de seu agente, Juan Pablo Pachon, que naturalmente iria defendê-lo. Ele próprio, porém, admitiu ter ficado chateado com o que o atual treinador do Palmeiras disse a seu respeito.

– Quando vi, me surpreendi muito, me doeu na alma, porque (ele) disse que eu não tinha trajetória para chegar ao Palmeiras. O futebol dá muitas voltas, e hoje estamos em um lugar onde não estamos tão bem, mas passa o tempo e estaremos bem – comentou.

– Agora tenho que treinar bem para dar o melhor, o que sempre fiz. Seguramente, escutarei essas palavras antes de entrar em campo de agora em diante.

Possível retorno à Colômbia
Borja é a contratação mais cara da história do Palmeiras, que em 2017 pagou US$ 10,5 milhões (cerca de R$ 34 milhões, na cotação da época), com aporte financeiro da Crefisa, para tirá-lo do Atletico Nacional, pelo qual havia acabado de conquistar a Libertadores.

Atualmente sem espaço sob comando de Mano, que tem utilizado Deyverson na ausência de Luiz Adriano, o colombiano não descartou retornar ao seu país, sobretudo para defender o Junior Barranquilla, seu clube de coração. O contrato com o Palmeiras é válido até o final de 2021.

– Isso quem sabe melhor é Juan Pablo, meu agente é quem tem conhecimento. Eu só treino cada dia para melhorar, não quero seguir nessa posição em que estou. Estou trabalhando, dando o melhor nos treinos, para sair dessa situação – respondeu, inicialmente.

– Já disse muitas vezes que gostaria de jogar no Junior. Se for da vontade de Deus que seja em 2020, estarei disposto a fazê-lo. Só depende das diretorias.

 

GE

Foto: Ricardo Moreira/BP Filmes