O marido, que foi denunciado por impor multa para a mulher, prestou depoimento e afirmou que a situação não passou de uma "brincadeira". O caso teve repercussão e o advogado do suspeito pediu o afastamento da delegada Vilma Alves, titular da Delegacia da Mulher do Centro. Para Vilma, a atitude do suspeito é uma forma de "intimidação", já que o denunciado é um agente da Polícia Federal.

No início do mês, o agente da PF, José Henrique Almeida Moita, foi denunciado pela mulher, que contou à polícia que estaria pagando multa dentro de casa como forma de punição.

De acordo com as provas apresentadas na delegacia, as multas variavam de R$ 20 a R$ 50. Na lista de proibições estavam a de não deixar roupa suja fora do cesto, de não estragar saladas, por mau uso do banheiro e até por comidas queimadas.

Vilma Alves informou que por duas vezes, o denunciado foi convocado para prestar depoimento e não compareceu. "Na terceira vez, ele foi comunicado pela Corregedoria da PF e prestou depoimento. Ele estava bem tranquilo, negou tudo e disse que as multas não passava de uma brincadeira", disse a delegada.

Vilma diz que a lei é para todos

A delegada garantiu que não irá se intimidar com o pedido de afastamento do denunciado e que a lei é para todos.

"O pau que dá em Chico dá em Francisco. Não estou impedida de fazer meu trabalho. Não sou inimiga de ninguém, eu cumpro o que determina a lei. Não faço distinção de classe ou cor, atendo todo mundo", afirmou Vilma Alves.

Ela lembra que já encarou desafios ao longo de sua profissão como delegada. Entre os enfrentamentos está o de prender playboys que faziam racha na Raul Lopes e no Grande Dirceu.

"A Lei é para todos, já estou acostumada com essas intimidações", disse a delegada.

A reportagem tentou falar com o advogado do agente da PF, mas não conseguiu. O espaço fica aberto para qualquer esclarecimento.

A delegada diz que o inquérito segue e existem provas que o enquadra na Lei Maria da Penha. A vítima já prestou depoimento.

 

cv