O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para pessoas privadas de liberdade mudou de data. O exame que estava agendado para os 18 e 19 de dezembro será aplicado nos dias 11 e 12 de dezembro, de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

O exame é destinado a pessoas submetidas a penas privativas de liberdade e jovens sob medida socioeducativa que inclua privação de liberdade. De acordo como Ineo, os participantes, com idade a partir de 18 anos, poderão utilizar o desempenho no exame como mecanismo único, alternativo ou complementar para acesso à educação superior. Já os participantes menores de 18 anos, considerados treineiros, só poderão utilizar os seus resultados individuais do Exame para a autoavaliação de conhecimentos.

No primeiro dia do Exame, no dia 11 de dezembro, serão aplicadas as provas de linguagens, redação e ciências humanas. A aplicação terá cinco horas e 30 minutos de duração. No segundo dia do Exame, no dia 12 de dezembro, serão aplicadas as provas de ciências da natureza e matemática. A aplicação terá cinco horas de duração.

O Enem pode ser usado para pleitear vagas no ensino superior público pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), para concorrer a bolsas no ensino superior privado pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) e para obter financiamento pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

No caso do Enem PPL, cada Unidade Prisional ou Socioeducativa tem um responsável pedagógico. Ele é responsável pela realização e acompanhamento das inscrições; ensalamento; transferência de participantes entre as unidades, se for o caso, dentro do prazo previsto para inscrição; exclusão de participantes que tiverem sua liberdade decretada.

O responsável pedagógico também acessa os resultados obtidos pelos participantes, e pode inscrevê-lo nos programas de acesso ao ensino superior.

 

Agência Brasil

Final de ano chegando, muitos já começam a alinhar as metas do ano que está por chegar. Principalmente, na área financeira. Sejam planos para comprar um carro, uma casa própria, e também, o de investir na educação. Muitos estão deixando ou adiando o sonho de ingressar na faculdade por um fator muito importante: a dificuldade financeira para encaixar a mensalidade no já apertado orçamento familiar.   

Faculdade

Separamos aqui algumas dicas para você conseguir começar o ano de 2019 cursando uma faculdade. Vale lembrar que o ingresso no Ensino Superior pode ser feito por meio dos vestibulares tradicionais, pelos programas do governo (Sisu, Prouni e Fies) ou por iniciativas de inclusão educacional, a exemplo do Educa Mais Brasil.

A economia pode chegar a 70%. Na cidade de São Paulo, existem disponíveis bolsas de estudo para o curso de Direito, na modalidade presencial cujas mensalidades caem de R$ 1.542 para R$ 731. Na área da Comunicação com habilitação em Jornalismo, as mensalidades sem as bolsas de estudo custam, em média, R$ 737,78. Já com o desconto passaria a custar somente R$ 368,89. Ou seja, ambos com uma economia de 50%, um desconto bastante significativo.  

As bolsas de estudo são cada vez mais procuradas por proporcionar novas oportunidades para aqueles que não têm condições de arcar com a mensalidade integral. Foi assim que Sarah Lelis Strauch, graduanda em bacharelado de Ciências Biológicas, conseguiu ingressar em uma instituição particular do Ensino Superior. “Entrar na faculdade por meio de descontos da bolsa de estudo foi muito importante, a princípio eu não poderia. Encontrar um programa como esse foi muito bom. Sinto-me privilegiada. Já indiquei também para vários amigos, inclusive para uma amiga que veio do Japão e também não tinha como ingressar sem esse desconto”.

Saiba a diferença entre Prouni, Fies e bolsas de estudo

Prouni

Programa do Governo Federal que oferece bolsas de estudo integrais e parciais em universidades particulares. Para conseguir o benefício é preciso atender a algumas exigências. Os candidatos devem ter uma renda familiar de até três salários mínimos e, ao ser contemplado com uma bolsa, devem comprovar junto à instituição de ensino as informações sobre renda familiar e histórico escolar. Vale ressaltar que quem conseguir uma bolsa parcial (50%) terá que pagar a outra metade do valor do curso à faculdade.

FIES

É também um auxílio do Governo Federal que funciona como um financiamento estudantil para permitir o ingresso em faculdades particulares. A taxa de juros é de 6,5% ao ano para todos os cursos e o programa oferece financiamentos de até 100%. Durante o curso, o estudante irá pagar, a cada três meses, uma taxa de R$ 150 referente aos juros. Ao concluir a faculdade, continuará pagando essa taxa em um período de mais um ano e meio e, posteriormente, irá quitar o saldo devedor.

Bolsas de Estudo pelo Educa Mais Brasil

Um dos programas de iniciativa privada que oferta bolsa de estudo é o Educa Mais Brasil. Em parceria com milhares de faculdades, centros universitários e universidades, o projeto oferece descontos que podem chegar a 70% para cursos de graduação. Então, por que não começar agora mesmo sua faculdade com bolsas de estudo pelo Educa Mais Brasil? Você pode ingressar já em 2019 e começar o ano com o pé direito. Entre os cursos estão Medicina Veterinária, Direito, Enfermagem, Fisioterapia, Nutrição, Arquitetura e Urbanismo e Serviço Social. Acesse o site parceiro do programa: http://www.educamaisbrasil.com.br/piauinoticias

Vanessa Casaes – Ascom Educa Mais Brasil

Os Cursos de Letras-Inglês, Letras-Português, Geografia e História do Centro de Educação a distância - CEAD recebem nota acima de 4,0 na avaliação feita pelo Ministério da Educação (Mec) e Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Os critérios de avaliação foram didática pedagógica, corpo docente tutorial e estrutural.

Segundo o Prof. Dr. Gildásio Guedes, as notas foram mais que satisfatórias, e trouxeram para a instituição reconhecimento em todo o Brasil e também para a comunidade onde os cursos estão inseridos no interior do PI, exemplo de Oeiras que já tem implantado o PIBID que agrega conhecimento ao ensino básico da cidade.

Cerca de 20 alunos se deslocaram de seus polos para a avaliação dos seus cursos, e tiveram nota mais que satisfatória, mostrando a força de vontade e defesa dos seus cursos feitos pelo ensino a distância.

Para a próxima avaliação o professor fala que estão sendo preparados os cursos de Ciências da Natureza e Ciências da Computação, e a expectativa é de superação, para que assim venham títulos não só para o ensino a distância da UFPI, mas sim para a Educação Brasileira.

 

Ufpi

sdsdsdsds