A partir de segunda-feira (19), a OAB-PI e a Caixa de Assistência dos Advogados do Piauí (CAAPI) ampliarão o serviço do CAAPI Transfer com um novo percurso, fazendo o translado do estacionamento do Med Jockey (no cruzamento das ruas Antônio Tito e Francisco Azevedo, bairro Jóquei) à nova sede do Tribunal Regional do Trabalho da 22ª Região, localizada na Av. João XXIII, Bairro Noivos, em Teresina.

O objetivo é contribuir com o acesso da classe ao novo prédio através da disponibilização de vagas de estacionamento gratuitas. O profissional da advocacia deixará o seu carro em segurança no estacionamento da Med Jockey, por trás da Hyundai, e pegará o CaapiTranfer, recebendo o voucher para validar o estacionamento na volta. O serviço funcionará das 8h às 14h e a van passará a cada 20 minutos.

Além disso, a instituição firmou uma parceria com outro estacionamento, em frente ao prédio do TRT, e disponibilizará 15 (quinze) vagas gratuitas aos advogados. O estacionamento fica localizado na Av. João XXIII, 1517, com acesso pela Rua Eustáquio Portela, por trás do Hotel Água Limpa.

Para utilizar os serviços de estacionamento, o advogado deve apresentar a sua carteira da OAB ou CAAPI. A nova sede do TRT/PI reunirá em um mesmo local todos os órgãos administrativos e jurisdicionais de primeiro e segundo graus com atuação em Teresina – incluindo as quatro Varas de Trabalho da capital.


Ravenna Araújo
Assessora de Imprensa

Estudantes beneficiados pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) devem renovar os contratos até o dia 23 de novembro. O prazo, que terminaria hoje (16) foi prorrogado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Devem fazer o aditamento aqueles que contrataram o Fies até 31 de dezembro de 2017. Neste semestre, cerca de 890 mil contratos devem ser renovados, de acordo com o FNDE.

A renovação do contrato é feita pelo sistema SisFies. Segundo o FNDE, o prazo foi estendido para que nenhum estudante com contrato a ser renovado fique de fora. “Em virtude do feriado, decidimos dar mais prazo para que todos consigam concluir o processo de aditamento no sistema”, diz o presidente do FNDE, Silvio Pinheiro, em nota enviada pela autarquia.

O FNDE ressalta ainda na nota que é “fundamental que os alunos acessem o SisFies o quanto antes e não deixem para a última hora”.

Os contratos do Fies precisam ser renovados todo semestre. O pedido de aditamento é inicialmente feito pelas instituições de ensino para, depois, as informações serem validadas pelos estudantes no sistema.

Caso o aditamento tenha alguma alteração nas cláusulas do contrato, o estudante precisa levar a nova documentação ao agente financeiro, que é o Banco do Brasil ou a Caixa Econômica Federal, para finalizar a renovação. Já nos aditamentos simplificados, a renovação é formalizada a partir da validação do estudante no sistema.

FIES

Contratos de 2018

Os estudantes que aderiram ao Novo Fies e contrataram o financiamento em 2018 devem seguir o cronograma da Caixa, que é o Agente Operador do Novo Fies.. Segundo a Caixa, aproximadamente 50 mil estudantes assinaram contratos do Novo Fies no primeiro semestre de 2018. O prazo para esses estudantes vai até 30 de novembro. O aditamento é feito no site da Caixa. O novo Fies, lançado no ano passado, tem modalidades de acordo com a renda familiar.

A modalidade Fies têm juro zero para os candidatos com renda mensal familiar per capita de até três salários mínimos. Nesse caso, o financiamento mínimo é de 50% do curso, enquanto o limite máximo semestral é de R$ 42 mil e é bancado pelo governo.

A modalidade chamada de P-Fies é para candidatos com renda familiar per capita entre 3 e 5 salários mínimos. Nesse caso, o financiamento é feito por condições definidas pelo agente financeiro operador de crédito, que pode ser um banco privado ou fundos constitucionais e de desenvolvimento.

 

Fonte: Agência Brasil

 

Aprender a lidar com ansiedade, depressão e medo do fracasso não é tarefa simples. Imagine para quem acabou de entrar na faculdade e percebeu que a realidade é um tanto diferente do sonho que se tinha antes. Problemas como estes se refletem na alta taxa de evasão em alguns cursos, como é o caso de Engenharia de Materiais, da Universidade Federal do Piauí (UFPI). Dos 40 alunos que iniciaram na primeira turma, apenas oito se formaram.

Mas, quando os professores decidem intervir para ajudar os alunos, a situação muda de direção. Foi com esse objetivo que a professora, Doutora em Física, Carla Eiras propôs ministrar a Disciplina da Felicidade - ideia que foi imediatamente aceita pelo departamento de Engenharia de Materiais e já será implantada a partir do próximo semestre.

Com isso, a UFPI será a primeira instituição de ensino superior do Nordeste a incluir a Felicidade em sua grade curricular, e também a segunda do país. Até hoje, somente a Universidade de Brasília (UnB) tem a matéria.

"Além da questão da grande evasão do curso, a gente percebe que os alunos ficam muito isolados, ansiosos, com depressão. Alguns até me procuravam para conversar e chegavam a falar de suicídio", conta a docente, que é coach em carreira acadêmica e estudiosa da área de desenvolvimento humano.

Do que tratará a disciplina

Carla buscou referências no livro "O jeito Havard de ser feliz", de Shawn Achor, que explica como a Disciplina da Felicidade é ministrada na universidade americana e entrou em contato com o professor da UnB responsável pela matéria.

"A disciplina focará na inteligência emocional, que é extremamente esquecida no ambiente acadêmico, especialmente em cursos técnicos, como é o caso da Engenharia de Materiais. A gente vai trabalhar a conexão dos alunos com os outros e com eles mesmos. Isso é importante, mas ainda não estava sendo trabalhado. E, quando esses alunos tiram uma nota baixa, acham que não vão conseguir seguir em frente", afirma a professora.

Carla Eiras explica que, diante dos problemas, os alunos ficam introspectivos, o que dificulta a busca pela solução. "Eles se fecham dentro dos problemas, não mostram a vulnerabilidade. A disciplina vai trabalhar isso, tratar sobre resiliência, como enfrentar as dificuldades e se sentir grato. Eles sonham em entrar na faculdade, mas quando entram só enxergam as cobranças, não vêem mais o lado bom", considera a coach.

A professora acredita que ministrar a disciplina vai proporcionar mais qualidade de vida aos alunos. "Hoje em dia eu já tenho reservado um tempo na aula para conversar com eles e é incrível a transformação deles. Acho que os resultados serão praticamente imediatos", diz, confiante.

Disciplina Optativa

Carla Eiras ministra atualmente a disciplina Nanotecnologia e Biomateriais. A Disciplina da Felicidade será optativa, de 60 horas/aula e pode ser pega em qualquer período. "A ideia inicial seria para os calouros, mas há alunos do final do curso que demonstraram interesse em participar, o que mostra que as dificuldades estão em todas as fases", completa a professora.

A avaliação da disciplina será a frequência - serão quatro horas de aula por semana - e a realização de atividades de desenvolvimento de jogos, músicas, e outras coisas que gerem felicidade. "Será uma disciplina vivencial", acrescenta Carla.

Para explicar aos alunos os objetivos e práticas da disciplina, a professora Carla Eiras vai ministrar uma palestra sobre o assunto, na próxima sexta-feira (23), às 9h, no Centro de Tecnologia da UFPI, auditório de Pós-Graduação do curso de Engenharia de Materiais.

A professora doutora Rafaela Luiz dos Santos é uma das docentes que estão empolgadas com a nova realidade do curso a partir da implantação da Disciplina da Felicidade. "Essa disciplina foi toda desenvolvida com base em Havard e considero muito importante, principalmente diante da realidade do nosso curso e dos problemas psicológicos que nossos alunos enfrentam. O curso é pesado, tem uma carga horária extensa e os alunos de hoje se sentem desprezados, rebaixados quando não conseguem nota boa", frisa.

Professora Doutora Rafaela dos Santos acredita que a disciplina ajudará os alunos a lidar com as frustrações
E, ao que tudo indica, a Disciplina da Felicidade não vai ficar restrita ao curso de Engenharia de Materiais. Existem discussões avançadas sobre a implantação da disciplina em outros cursos da UFPI, inclusive fora da área da Engenharia.

Mais do que transmitir conhecimento, os professores estão abrindo os olhos para um grave fenômeno, que não é só local, mas mundial - a saúde mental é um problema que ultrapassa o campus da UFPI. Estudos mostram que 16% dos estudantes universitários de todo o mundo sofrem com algum tipo de transtorno psicológico.

ufpi

 

Fonte: Cidade Verde

O Piauí tem um bom motivo para ter orgulho dos estudantes do interior do Estado. Todos os quatro finalistas da primeira etapa da 5º Seleção Nacional do Parlamento Juvenil do Estado são alunos do Instituto Federal do Piauí (IFPI), dos campi Uruçuí e Paulistana. Os finalistas são Cassia Coelho Rodrigues e Gabriela Coelho, de Paulistana, além de Vinnycius Sandes e Jhonattas Duarte, de Uruçuí.

Serão escolhidos um jovem por Estado, para representarem o Brasil no Parlamento Juvenil do Mercosul no biênio 2019 a 2020. “Os jovens escolhidos participarão de formação e poderão implementar seus projetos em sua região. Esta iniciativa estimula tanto o protagonismo juvenil como o enfrentamento dos problemas no cotidiano escolar”, explica a professora Raquel dos Anjos, do campus de Uruçuí.

A primeira etapa é a seleção de projetos. “Os estudantes devem idealizar e escrever um projeto que possa ser desenvolvido na sua escola e região. Na avaliação os critérios para a escolha são a originalidade, justificativa e relevância do projeto, viabilidade, linguagem e estruturação. Nesta etapa são escolhidos os 4 melhores projetos por Estado, num total de 108 projetos”, conta a professora.

Na próxima etapa os jovens que tiveram seus projetos selecionados devem confirmar a candidatura e fornecerem mais informações sobre si e sobre suas propostas no site do Parlamento Juvenil do Mercosul: pjm.mec.gov.br. “Na última etapa é aberto o período de eleições no site. Jovens de 14 a 18 anos podem escolher o candidato e o projeto que irá representar seu Estado”, aponta Raquel dos Anjos.

Segundo o Edital de regulamentação, haverá uma premiação para o jovem, a escola e o professor orientador, quando o projeto for implementado e os resultados esperados forem obtidos com êxito. “Não citam valores, mas, para mim, se o projeto for implementado de fato e atingir o público que queremos, já vai ser uma grande vitória por si só. Ao final do período de atuação do jovem parlamentar, que equivale a 2 anos de mandato”, frisa Raquel.

alunos

Expectativas positivas e esperança renovada

A professora Raquel dos Anjos está muito contente com o resultado dos alunos. “Estou feliz e de esperança renovada. Sugeri a participação de alguns alunos, dois me procuraram e apresentaram seus projetos, nos inscrevemos e quando o resultado saiu quase não acreditei. É a primeira vez que participo, sou professora há pouco tempo. Tenho uma realidade de também ter vindo de escola pública e do interior do estado”, lembra a docente.

Hoje contribuindo com o futuro profissional e social dos alunos, a professora Raquel louva o projeto. “Uma iniciativa desta na minha época não havia. Incentivar desta maneira ações pensadas e executadas por jovens, de fato é um reconhecimento do valor e importância deles na sociedade”, acrescenta.

O intercâmbio cultural dos alunos é o maior ganho. “A troca de saberes com outros jovens do Brasil e da América Latina, o próprio exercício de pensar sobre sua realidade e propor algo de bom que possa transformar sua realidade local, e depois se multiplicar em ações que possam atingir outros lugares no Brasil e no Mundo. Participar desta seleção nos fez acreditar que é possível e real, independente do resultado. Já decidimos que iremos implementar os projetos na região. Eu realmente desejo que um dos meus alunos seja escolhido porque sei da vontade deles de fazerem algo. Eles têm essa energia da juventude, essa disposição, essa alegria. Mas independente, os quatro alunos do Instituto e seus projetos já representam bem o nosso Estado”, revela Raquel dos Anjos.

Uruçuí - Os estudantes do Campus Uruçuí estão no 1º ano do curso Técnico integrado ao Médio em Administração. “Gostaria de ressaltar a minha felicidade das 4 vagas dos finalistas nesta edição pertencerem a estudantes do Instituto Federal do Piauí, para mim esse fato só fortalece e reconhece essa iniciativa da educação profissional e a necessidade de descentralizar o conhecimento e a educação. Aqui no campus Uruçuí estamos há quase 500 km da capital e oferecemos uma ótima estrutura física e um corpo de profissionais extremamente capacitados possibilitando que jovens tenham acesso à educação gratuita e de qualidade”, defende a professora.

É preciso fortalecer a educação pública. “Estamos garantindo a todos o direito à educação, e mostrando que esses jovens também podem e merecem uma chance. Eu como professora me realizo nessas ações, em vê-los acreditando, desejando e buscando essas oportunidades. Mas eis a questão, as oportunidades precisam existir. Nosso campus possui 8 anos de existência e nós estamos acertando uma dívida com esse país. É necessário garantir que todos tenham acesso à educação e em todos os estágios, da educação básica ao ensino superior. Vamos conseguir, já estamos no caminho”, aponta.

  jonatas duarte Jhonattas Duarte            vinicius sandes  Vinnycius Sandes                                                                               

Protagonismo juvenil busca novos horizontes

Vinnycius Sandes, aluno do IFPI Uruçuí, não esconde a alegria de participar da final. “É uma grande satisfação, este projeto representa minha visão da atuação dos jovens na nossa sociedade, realidade esta que quero mudar com este projeto. Este projeto aumentará minha experiência, irá me ajudar a conhecer melhor os jovens de minha região, o que também acarretará em mais conhecimento”, afirma.

A expectativa é de vitória. “Espero ganhar esta eleição, pois tenho uma vontade imensa de representar cada jovem do Piauí, todavia, se um dos outros candidatos for o vitorioso, também saberei aceitar e parabenizar suas conquistas”, acrescenta.

Sandes quer ampliar o projeto na prática. “Com a experiência que ganharei, pretendo aumentar ainda mais minha relação com os jovens e toda a sociedade, sempre procurando agir de maneira benéfica. Além disso quero também utilizar desta experiência para participar de outros projetos. Quero utilizar desses conhecimentos adquiridos na minha futura profissão, Medicina, principalmente no melhor convívio no ambiente de trabalho e discussão constante, para sempre ser tomada a melhor decisão”, considera.

Para Jhonattas do Nascimento, a participação no projeto é muito importante. “Não só para mim, mas para toda a sociedade, pois o projeto visa a melhoria da educação, e como sabemos bem a educação transforma o homem. O projeto que proponho tem como foco o protagonismo juvenil, através da atuação dos jovens dentro das escolas em grupos de aprendizagem cooperativa, este é o ponto principal do mesmo, pois a partir da interação entre os jovens poderemos diminuir a evasão escolar e ampliar nossos conhecimentos além daqueles aprendidos em sala de aula”, explica.

O também estudante de administração frisa que é preciso construir o conhecimento a partir do diálogo. “Como sabemos, todo conhecimento que temos é adquirido a partir do compartilhamento de ideias, então um projeto que visa este compartilhamento de forma que jovens são os mediadores destas ideias, ajuda muito, além da oportunidade de propor algo real que tenha impacto na realidade em que eu vivo. Me possibilitou ampliar meu olhar e perceber minha realidade e de que maneira eu posso contribuir para melhorá-la”, aponta Jhonattas.

O estudante tem uma visão altruísta do resultado. “Eu espero sempre o melhor, não só para mim, mas para todos do estado do Piauí. O projeto visa a melhoria da educação, com ele estou confiante pois sei que fiz e vou fazer um ótimo trabalho para a melhoria da educação, esta porta que abre muitas possibilidades para todos que usufruem dela. Pretendo utilizar todos os conhecimentos obtidos nessa experiência para alcançar meus objetivos, pois todo saber é bem vindo. E esta experiência me possibilitou ter mais autonomia em relação aos meus sonhos”, finaliza Jhonattas do Nascimento.

 

Fonte: Meio Norte

sdsdsdsds