As Máquinas do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) que foram doadas pelo Governo Federal aos municípios Brasileiros com o objetivo de melhoria de estradas vicinais, que ligam o perímetro urbano à zona rural estão trabalhando de forma ilegal em Bom Jesus-PI.

cacamba

Na manhã de hoje (21),  houve um denúncia de um internauta que flagrou por volta do meio dia, uma das caçambas do programa, colocando areia na frente de uma construção particular na saída da cidade.

O proprietário do galpão que fica às margens da BR-135, Roberto Barros Feitosa, aluga veículos para a prefeitura.

O empresário e o prefeito são investigados pela GRECO e pelo Tribunal de Justiça por crimes na lei de licitações públicas conforme o processo http://www.tjpi.jus.br/e-tjpi/consulta_processo.php?num_processo_consulta=201600010037997 que tramita junto ao Tribunal de Justiça do Estado do Piauí onde se apura a locação de veículos para a Prefeitura Municipal de Bom Jesus e suas secretarias sem o devido processo de licitação.

Pela foto é possível perceber que o serviço que foi feito pela caçamba (descarregar areia) não é nem de longe sua função, tendo em vista que o veículo deveria ser utilizado para o bem comum da população e não apenas para particulares.

 

OUTRO LADO

Espaço aberto para as colocações a respeito do caso.

 

poralgurgueia

A Prefeitura de Floriano está empenhada em proporcionar à população da Princesa do Sul melhores condições de vida e, consequentemente, desenvolver um trabalho de preservação do meio ambiente. Diante desta preocupação o time da gestão municipal visitou na última quarta (18) um moderno sistema de aterro sanitário em Timon – MA, e dando continuidade à ação de atenção ao lixo urbano, os secretários de Governo, James Rodrigues; de Infraestrutura, Marcony Allison, realizaram uma visita, na quinta-feira (19), às instalações do aterro sanitário da cidade de Senador Pompeu, no Ceará.

visitamarco

O principal objetivo da visita foi acompanhar in loco como se dá o funcionamento de um aterro sanitário conduzido totalmente por meio de uma empresa privada, a DSL – Serviços Urbanos, além de compreender os benefícios dessa iniciativa para os seis (06) municípios que são contemplados por esse aterro. De acordo com o secretário de Infraestrutura de Senador Pompeu (CE), Erinágero Costa, esse modelo vem atendendo a expectativa do município, além de propiciar uma parceria com a cooperativa dos catadores de lixo, que trabalham no setor de triagem. Sobre o antigo aterro sanitário, que não seguia as normas nacionais de cuidado com o lixo e solo, este foi desativado, e está com 90% da sua área recuperada, tendo em vista um projeto de arborização para o local.

visitamarcon

“Essas visitas são essenciais para conhecermos de perto como os municípios vêm administrando o lixo urbano, a partir dessas ações diferenciadas, iremos organizar e adaptar um projeto que conduza com maestria nosso interesse em cuidar da população e do meio ambiente em Floriano”, disse o secretário de Governo, James Rodrigues.

 

 

ascom

O Dr. Pessoa que vem afirmando que estará disputando as eleições de outubro próximo voltou a fazer uma visita a Floriano. O deputado, que foi a Rádio Santa Clara AM, esteve na cidade a menos de 30 dias.

drpessoa1

Hoje filiado do Solidariedade o Dr. Pessoa está como líder do partido no Estado.

“Temos a pretensão de disputar um cargo majoritário, seja ao Senado da República ou de governador”, disse ele afirmando que tem sido bem recebido em Floriano.


Sobre o partido no município, ele disse que há uma equipe que está organizando o Solidariedade no Estado e isso, inclui a cidade florianense.

Dr. Pessoa citou que conversou com o ex-prefeito Jose Leão, de Floriano, e que espera uma resposto do mesmo. O objetivo, disse ele, é caminhar junto com o ex-prefeito.

"Conversei pessoalmente com ele e estou aguardando uma resposta e, talvez ele também esteja esperando uma resposta da minha decisão," disse o deputado que é pré-candidato.

O tambem ex-vereador José se Leão foi candidato a vereador de Floriano, nas eleições de 2016, pelo PSD na coligação PDT, PSD e PT do B e obteve nas urnas 369 votos.

 

Da redação

A seis meses das eleições, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) minimiza o fato de o pré-candidato de seu partido ao Palácio do Planalto, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, aparecer estagnado nas mais recentes pesquisas de intenção de voto, na faixa dos 8%.

fhc

“Geraldo é um corredor de maratona, não de 100 metros”, disse FHC nesta quarta-feira, 18, ao jornal O Estado de S. Paulo, em seu escritório na capital paulista.

O tucano, de 86 anos, cita como exemplo sua própria campanha em 1994, quando só decolou em junho na esteira do Plano Real. Sobre uma eventual candidatura do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa, Fernando Henrique afirma: “Foi um juiz competente, teve coragem, mas isso qualifica você para presidente? Por isso só, não”. “Não sei o que ele pensa.”

Questionado se o fato de o senador Aécio Neves (PSDB) ter se tornado réu pode contaminar a campanha tucana, Fernando Henrique cita o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva: “Qual foi o impacto na inclinação pelo Lula? Até agora nenhum”. Ao comentar a prisão do petista, condenado na Lava Jato, ele rebate a tese do partido adversário, dizendo que não se trata de um preso político. “É um político preso.”

Fernando Henrique lança nesta sexta-feira, 20, o livro “Crise e reinvenção da política no Brasil”, pela Companhia das Letras. Leia abaixo os principais trechos da entrevista:

No seu livro, o sr. fala que um líder deve ser capaz de explicar passar uma mensagem. Que mensagem é essa e quem seria capaz de transmiti-la hoje?

Sempre fomos um País que achávamos que daria certo, grande pela própria natureza. Somos, mas não basta. Temos que ser grandes pela criatividade, tecnologia, capacidade. Tem que ter um rumo, essa é a mensagem. Para melhorar a vida das pessoas, com segurança, garantida a liberdade, crescendo a economia, emprego e bem-estar.

Para isso, é preciso um governo que funcione. É simples, mas é preciso que quem emita a mensagem, tenha chama, toque no outro. O povo, por enquanto, não está nem aí. Política é assim, estamos aquecendo os motores.

O livro fala ainda em uma “nova onda de direita”. Quem representa esse movimento?

No Brasil, temos gente que não é nem de direita nem de esquerda, é atrasada. O nome mais falado agora é o de (Jair) Bolsonaro. Não sei o que ele representa. Um sentimento de ‘quero ordem, mata bandido?’ É um sentimento que não tem expressão política. O que significa na economia, na vida social? É só uma explosão.

Sobre o Judiciário, o sr. diz que teria se tornado mais consciente da sua autoridade e mais “permeável” à sociedade. O STF tem sido alvo de críticas por isso.

Fomos nós da Assembleia Constituinte que demos esse poder ao Supremo. Você pode requerer ao tribunal que, no vácuo da lei, ele legisle. Ele tem abusado? Não creio. Nas áreas comportamentais, como o Congresso fica receoso de avançar, às vezes o Supremo avança.

E nos casos da Lava Jato?

A Lava Jato fez simplesmente o que todo mundo queria que se fizesse, pegou poderosos e ricos. O Supremo às vezes dá um habeas corpus e a população reclama, mas é que a lei permite liberar. Não acho que a Lava Jato tenha, no geral, extrapolado. E muito menos que ela seja facciosa, pegue um só partido. Estamos vendo agora, pegou os partidos que estavam no poder. Os que não estavam é natural que tenham menos foco na Lava Jato, porque não estavam metidos na cumbuca. Não é que a Justiça favorece os tucanos, favorece porque não estão no poder. Lava Jato foi um fato político muito importante, mas não dota aquele que foi o protagonista de qualidades para ser líder político. Mas há uma tentativa também de atacar o (juiz Sérgio) Moro. Acho que ele é apenas um juiz correto, tenta aplicar as leis tal qual ele entende.

O STF tornou réu Aécio Neves e, na próxima semana, Eduardo Azeredo, outro ex-presidente do PSDB, pode ser preso. Qual o reflexo disso na imagem do partido do qual é presidente de honra?

Eu não posso ficar contente quando vejo personalidades importantes sendo julgadas e presas. O Lula, você acha que eu fico satisfeito? Não, mas não vou contra a Justiça. No caso do Aécio, foi apenas iniciado o processo. Ele disse que vai demonstrar que não havia dinheiro público envolvido. Eu não sei. Agora, eu não posso ser contra o que a Justiça decidiu. Nem num caso, nem no outro. Tem efeito claro, prejudica os partidos. Mas juiz não tem de ver se tem efeito político, tem de ver os autos. Tem indício de crime, abre o processo. Tem crime, condena. Foi o que eles fizeram.

Isso pode ter algum impacto na candidatura do ex-governador Geraldo Alckmin?

Digo isso até com constrangimento, mas qual foi o impacto na inclinação pelo Lula (nas pesquisas)? Até agora nenhum. Eu acho que devia ter, mas não sei se vai. É provável que as lideranças (tucanas) discutam esse assunto. Como ele (Aécio) tem direitos políticos, ele que vai decidir (se será candidato), mas acho que a liderança vai ponderar e dizer: ‘Presta atenção, olha as consequências’.

Joaquim Barbosa se filiou ao PSB. O sr. acha que ele pode ser esse novo na eleição?

Não sei o que ele pensa. O que ele pensa sobre economia? Sobre a sociedade? Pode ser que sim, mas eu não sei. Um perfil parecido com o dele, no imaginário, é o de Moro. Eu não sei se o Moro seria um bom presidente. O Joaquim Barbosa foi um juiz competente, teve coragem, mas isso qualifica você para ser presidente? Por isso só, não.

Alckmin, entre os nomes colocados, parece ser o candidato de centro que mais tem viabilidade eleitoral, mas não decolou. Como isso vai se resolver?

Quando eu fui ministro, deixei o Ministério da Fazenda para ser candidato à Presidência da República em abril, acho. Quando chegou em maio, eu falei à Ruth (Cardoso, ex-primeira-dama, que morreu em 2008), ‘não dá mais, vou desistir’, porque eu tinha apenas 11%, o Lula tinha 40%. Quem me apoiava? Ninguém. Que recurso eu tinha? Nenhum. Em junho, comecei a ganhar. Em agosto, estava na frente. Em outubro, ganhei no primeiro turno. O Geraldo é um corredor de maratona, não é de 100 metros rasos. Às vezes, você vai correr maratona e sai com velocidade de 100 metros e queima na largada. Vamos ver como vai ser, o que vai acontecer nesse jogo, que está apenas começando. Há elementos para (se viabilizar como o candidato), mas precisa ver se vai conseguir.

O que representa a prisão de Lula para o processo eleitoral?

Lula tem um peso simbólico, foi líder sindical, criou um partido. Ele não está sendo processado pelo que fez politicamente. O PT está dizendo: é um preso político. Não é. É um político preso. A narrativa do PT é de preso político. Se fosse, eu estaria protestando. É preso por outras razões. Você pode dizer: decisão não foi correta. Apela. A condição (de preso) vai pesar contra (no processo eleitoral), com o passar do tempo. Aí na campanha os partidos vão transformar um fato numa versão. Na política, não adianta eu ter razão, adianta ter capacidade de convencer, explicar. Melhor que não tivesse acontecido, mas aconteceu, e agora vamos ter que explicar à população. A força simbólica de Lula não é sobre o que ele faz e diz, mas sobre o que ele fez. E foi capaz de, ao fazer, cantar, cacarejar. Um dos defeitos do PSDB e meu é cacarejar pouco sobre o que se fez, quando se fazia. O Lula tem a virtude de que ele cacareja: eu fiz, eu fiz, agora sou ideia. A ideia pode ser boa ou pode ser má, não sei (risos). Mas foi uma boa sacada.

O que uma eventual 3ª denúncia contra Temer representaria para o País, às vésperas da eleição?

Acho que seria insensato, porque vai ter uma luta de novo. É difícil que o Congresso a dois meses da eleição vá tomar uma posição contra o presidente. Acho que deveria ter um pouco de pensamento institucional.

Do Ministério Público?

Inclusive. Tem de ter uma certa visão institucional do País. Se houve coisa errada, ele vai deixar de ser presidente, vai ser julgado. Por que balançar mais ainda a situação que já é em si frágil? Tem coisas tão importantes para fazer, retomar o crescimento, dar emprego, botar segurança na rua. Se fosse uma coisa afrontosa… Mas se for começar ver pelo em ovo para poder arranjar argumento para fazer um impeachment, processar presidente… Se fosse no começo do governo, eu entendo. Mas no fim, com eleição à vista? Tem de ter um pouco de moderação.

E o que o sr. acha das manifestações de militares da ativa e da declaração do general Villa Bôas na véspera do julgamento do habeas corpus de Lula?

Melhor que os militares não falem. Alguns ameaçaram, o chefe do Exército não fez isso. Basicamente, foi uma mensagem interna corporis. Ele falou antes que outros falassem coisas mais desabusadas. Não considero que a declaração do ministro tenha sido uma ameaça. Ele disse o que todo mundo diz: a impunidade não pode prevalecer, a Constituição diz isso. Ele não disse ‘condene fulano e beltrano’. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Luan Gás
Casa da Vóvo
Drogalider
Tem contabilidade
Dr Kelmar - Ache Floriano
Primeiro de Maio  - Ache Floriano
Planeta Baterias - Ache Floriano
Otica Visão - Ache Floriano
Tatiana Gás
sdsdsdsds