O desembargador Erivan Lopes, no plantão das Câmaras Especializadas Ciminais do Tribunal de Justiça do Piauí (TJ-PI) manteve, neste domingo (10/06), a prisão do médico Marcelo Martins de Moura, 26 anos, acusado de ser o responsável pelo acidente que erivandesebargadormatou cinco neste sábado, dia 9, em um trecho da BR-343, entre as cidades de Campo Maior e Altos.


Por telefone, Erivan Lopes explicou que vislumbrou a ocorrência de dolo eventual (previsibilidade do dano). "Como médico e em plena consciência, ele poderia prever que um acidente poderia acontecer numa estrada movimentada como aquelas, durante uma festa que ocorreu naquele momento. Além disso, tentou evadir-se do local, foi preso e autuado em flagrante e sem prestar socorro às vítimas", disse o desembargador.

 

DORMIU AO VOLANTE?
Quem impetrou com habeas corpus a pedido de Marcelo Martins de Moura, foram os advogados Emílio Castro de Assunpção e Nayriane de Sousa Costa. Alegam que o cliente deles, o médico, foi preso em flagrante por policiais rodoviários federais após retornar dos festejos de Campo Maior, que recebia o show da banda Chiclete com Banana no parque de vaquejada Nina Alencar, e teria dormido ao volante, perdendo o o controle da direção de sua picape Hilux.

 

MARCELO ESTÁ NO PRONTOMED
Marcelo Martins de Moura permanece sob escolta na clínica ProntoMed, em observação médica, ap[os ser autuado na Central de Flagrantes, no Centro de Teresin. Os agentes da PRF (Polícia Rodoviária Federal) que o prenderam recusaram pagamento de fiança. Para os advogados o habeas corpus deveria ser aceito, pois o cliente já completa três dias preso e se envolveu no acidente por "cansaço físico". Garantem ainda que não teve a intenção de matar as vítimas. Dizem ainda: "é médico, sem antecedentes criminais e com endereço fixo; que a manutenção da sua prisão é ilegal, pois teria direito a liberdade mediante pagamento de fiança".

 

ALEGA QUE TEVE DORES NO TÓRAX
Em entrevista ao 180graus, o inspetor Raimundo Romero, da PRF informou que Marcelo, médico envolvido no acidente de Sábado, alegou que sentiu fortes dores no tórax, após o acidente, e por isso foi removido para o Hospital Prontomed, mesmo sob custódia do Estado. Ele responde pelo crime de homicídio culposo, sem a intenção de matar. Marcelo Martins pode pegar entre dois a quatro anos de prisão, além de perder a sua carteira de habilitação. A reportagem do Maior Portal do Piauí buscou também ouvir advogados especialistas nesses tipos de caso. O advogado Alex Noronha fez uma observação sobre este tipo de crime. Ele explica que o médico deverá responder uma Ação Penal proposta pelo Ministério Público Estadual, que juntará ao processo o resultado do exame feito com o médico.

 

VAI CONTINUAR PRESO? PENA AUMENTADA?
“Caso no exame conste que ele havia ingerido bebida alcoólica, aí o caso pode se agravar, pois o MPE poderá tipificar o crime como doloso - quando alguém assume o risco de matar. Ou seja, neste caso a pena passa a ser de 12 a 30 anos. Se alguém bebe e pega um carro e vai para a estrada, está assumindo o risco de matar alguém em um acidente”, comenta Alex Noronha. Alex Noronha acrescenta que o fato de Marcelo Martins Moura ter sido preso em flagrante e permanecer preso, indica que ele foi autuado por omissão de socorro, outra agravante nos crimes de trânsito. Se o médico for condenado nas penas padrões do que prevê o CTB, aí sim poderá pleitear o cumprimento das mesmas em liberdade. “Se for condenado a dois anos, pode pedir pena condicional, mas se for condenado há quatro anos, esta pode aumentar em até 1/3, se for admitida a omissão de socorro. Mas ele não cumprirá a pena de imediato, pode aguardar em liberdade e ao final pode pedir pena alternativa”, acrescenta o advogado.

 

CHOCOU O PI: RELEMBRE TODA A TRAGÉDIA NA BR-343
O Piauí inteiro ficou chocado com a tragédia da madrugada deste sábado. Ocorreu por volta das 3h50 da madrugada deste sábado em um trecho da BR-343, que liga a capital Teresina a cidade de Campo Maior (distante menos de 100km). Envolveu uma picape Hilux (placas OEG-3479) e um carro sedã Siena (NHW-6185) e teria sido ocasionado por uma ultrapassagem indevida feita pelo condutor da Hilux. De acordo com o policial rodoviário federal Wellington Batista Rodrigues, quem ocasionou a tragédia foi Marcelo Martins Moura, de 26 anos. Ele é médico e bastante conhecido em Teresina. Segundo testemunhas ele teria bebido, mas se recusou a fazer o teste do bafômetro depois que foi preso, momentos após o acidente. Autuado em flagrante, ele foi levado preso para um posto da PRF, depois para Central de Flagrantes e em seguida para o ProntoMed, onde encontra-se neste domingo. Responde por homicídio culposo (quando não há intenção de matar). O acidente matou as cinco pessoas que estavam no Siena. Uma família inteira passou o sábado recebendo os pêsames, chorando durante o velório realizado por todo o dia na cidade de Jardim do Mulato, interior do estado, onde viviam as vítimas. Morreram no acidente Leodivan Pereira Lima, de 45 anos de idade; Bernadete Maria Lima, de 50 anos; Leonidas Pereira Lima, 50 anos; Rita Teixeira Soares Lima, 40 anos (estes dois últimos eram casados); e Lorena Soares, 3 anos (era fil ha deste casal). Rita era filha do ex- prefeito da cidade de Jardim do Mulato Jeronimo Soares. Leodivan era motorista da ambulância da Prefeitura Municipal de Jardim do Mulato. Eles estariam em viagem para aproveitar o fim de semana no litoral do Ceará. O médico  Marcelo Martins Moura teria tentado uma ultrapassagem arriscada e, como não fez, colidiu com o Siena provocando a tragédia.

LEIA A ÍNTEGRA DA DECISÃO DO DESEMBARGADOR ERIVAN
HABEAS CORPUS REPRESSIVO
PLANTONISTA: Des. Erivan Lopes (foto)
IMPETRANTES: Emilio Castro de Assunpção e Nayriane de Sousa Costa
PACIENTE: Marcelo Martins de Moura
IMPETRADO: Juiz de Direito Plantonista da Comarca de Teresina-PI
DECISÃO NO PLANTÃO

EMENTA

HABEAS CORPUS. IMPETRAÇÃO NO PLANTÃO JUDICIÁRIO DO SEGUNDO GRAU CONTRA DECISÃO QUE NÃO CONHECEU, POR IMCOMPETÊNCIA DO JUÍZO, DE PEDIDO DE LIBERDADE PROVISÓRIA NO PLANTÃO DE PRIMEIRO GRAU. IMPOSSBILIDADE MATERIAL DE REMESSA AO JUIZO COMPETENTE. PRISÃO DENTRO DO ESPAÇO DE TEMPO FIXADO PELO ART. 2º, § 1º, DA RESOLUÇÃO Nº 11/2010 DO TJPI. ACESSO À INSTÂNCIA IMEDIANTAMENTE SUPERIOR. PEDIDO CONHECIDO. LIBERDADE PROVISÓRIA, COM OU SEM FIANÇA, OU MEDIDA CAUTELAR DIVERSA. CINCO HOMICÍDIOS NA DIREÇÃO DE VEÍCULO AUTOMOTOR. OCORRÊNCIA DE DOLO EVENUAL. POSSIBILIDADE. CRIME QUE, EM TESE, ADMITE PRISÃO PREVENTIVA. REQUISITOS PRESENTES. LIMINAR INDEFERIDA.

DECISÃO MONOCRÁTICA

Os advogados Emilio Castro de Assunpção e Nayriane de Sousa Costa impetram ordem de Habeas Corpus, com pedido de liminar, em favor de Marcelo Martins de Moura, e contra ato do MM. Juiz Plantonista de primeiro grau do dia hoje (09.06.2012), na Comarca de Teresina, Estado do Piauí.

Alegam, em resumo: que o paciente foi preso em flagrante no dia 09/06/2012 (hoje), por volta das quatro horas e quarenta minutos da madrugada, por policiais rodoviários federaais de Teresina-PI, acusado de ser o condutor do veículo Toyota Hilux, de placas OEG 3479-PI, que colidira com o outro veículo Fiat Pálio, de placas NIQ – 8350 [sic]; que o paciente retornava de um evento festivo em Campo Maior, trafegando pela BR 343, em direção a Teresina, quando, na altura do Km 302, nas proximidades da cidade de Altos-PI, dormiu ao volante, perdendo a direção do veículo, o qual veio a colidir com o veículo das vítimas; que os cinco ocupantes do Fiat Pálio [sic], contra o qual colidiu, sendo dois homens, duas mulheres e uma criança, morreram no local da colisão; que o paciente foi conduzido e autuado em flagrante, mas permanece sob escolta no ProtoMed, em observação hospitalar; que foi autuado na central de flagrantes de Teresina pelos crimes dos arts. 302, 304 e 305 do CTB; que a autoridade policial se negou a lhe arbitrar fiança, sendo os autos do flagrante encaminhados ao Juiz Plantonista de Teresina; que este deixou de analisar o flagrante, determinando a remessa dos autos à Comarca de Altos-PI, local do evento; que a remessa só ocorrerá na segunda-feira, quando o paciente já estará preso há três dias; que o acidente teria sido uma fatalidade, devido ao seu cansaço físico; que não teve a intenção de matar as vítimas; que é médico, sem antecedentes criminais e com endereço fixo; que a manutenção da sua prisão é ilegal, pois teria direito a liberdade mediante pagamento de fiança, não vedada nos arts. 323 e 324 do CPP; que, ante a ausência de hipótese de prisão preventiva, cabem as medidas cautelares do art. 319 do CPP, com a redação que lhe emprestou a Lei n. 12.403/2011. Requer a concessão da liminar para efeito de simplesmente relaxar a prisão em flagrante ou, em última hipótese, o arbitramento de fiança, reduzida em 2/3, ou, ainda, outra medida cautelar, em todo caso expedindo imediatamente o alvará de soltura.

Com a inicial vieram os seguintes documentos: cópia da identidade médica do paciente; cópia do extrato de conta de luz em nome da mãe de Maria de Jesus Martins Vieira; cópia da decisão do Juiz Plantonista de Teresina, declinando da competência para apreciar a regularidade do flagrante em favor do Juízo de Altos - PI; cópia do auto de prisão em flagrante.  

É o relatório. Decido:

Cabível a apreciação do pedido de liminar no plantão judiciário, nos termos do art. 2º, § 1º, da Resolução nº 11/2010 do egrégio Tribunal de Justiça do Estado do Piauí, porquanto a decisão contra qual se insurge o presente Habeas Corpus é datada de hoje (09 junho de 2012– sábado).

Duas são as premissas de partida da impetração: 1ª) A ilegalidade da prisão, porque os crimes atribuídos ao paciente autorizariam a liberdade provisória, com ou sem fiança; 2ª) o perigo da demora provocada pela remessa dos autos à Comarca de Altos – PI, retardando por 03 dias a prisão do paciente. A consequência desejada: o restabelecimento imediato da sua liberdade.

A segunda premissa, à toda evidência, é, em parte, procedente.

No Estado de Direito, tal qual a República Democrática brasileira, a liberdade é um direito fundamental (Art. 5º, caput, CR) e o acesso ao Poder Judiciário é uma garantia de efetividade desse direito (Art. 5º, XXXV, CR - a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito). Se não fora assim, o direito de liberdade, como de resto todos os demais direitos fundamentais negativos, seria uma mera proclamação política, desprovida de imperatividade e de efetividade.

Assim, o paciente, de fato, tem o direito de submeter o ato administrativo estatal que comprime a sua liberdade (o auto de prisão em flagrante) ao crivo da autoridade judiciária competente, como, aliás, garantido pelo catálogo de direitos fundamentais da Constituição da República:

Art. 5º (...):

(...)

XXXV - a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito;

 LXII - a prisão de qualquer pessoa e o local onde se encontre serão comunicados imediatamente ao juiz competente e à família do preso ou à pessoa por ele indicada;

 LXV - a prisão ilegal será imediatamente relaxada pela autoridade judiciária.

Acontece que a atividade jurisdicional do juiz de direito não é universal, se encontra limitada pelas regras de competência. Daí a afirmação categórica de que a competência é a medida da jurisdição.

Os crimes de que se ocupou a prisão em flagrante se materializaram no município de Altos-PI, logo o juízo daquela Comarca é o constitucionalmente competente para receber a comunicação do flagrante e decidir sobre a legalidade ou não da prisão do autuado. É o que se infere dos termos do Código de Processo Penal:

Art. 70. A competência será, de regra, determinada pelo lugar em que se consumar a infração, ou, no caso de tentativa, pelo lugar em que for praticado o último ato de execução.

Assim, à partida, o Juiz de Direito Plantonista da Comarca de Teresina – PI não praticou nenhuma arbitrariedade ou abuso de poder ao não conhecer de uma causa para qual não goza de competência.

Em todo caso, como o paciente tem direito à submissão de sua prisão em flagrante ao crivo do Poder Judiciário, e diante da confessada impossibilidade material de apreciação, na data de hoje, pelo Juízo da Comarca de Altos – PI, autorizando o acesso à instância seguinte, no caso a este Tribunal, passo a analisar  a procedência ou não da primeira premissa que dá sustentação ao pedido de habeas corpus: A ilegalidade da prisão, porquanto os crimes atribuídos ao paciente, segundo os impetrantes, autorizariam a liberdade provisória, com ou sem fiança, ou cautelar diversa.

Para dar voz de prisão ao paciente o condutor lhe imputou os fatos que assim descreveu perante a autoridade que presidiu o flagrante:

“... quando foi informado pela central de operações da policia federal e usuários da rodovia, de que tinha ocorrido um acidente na Volta do Capote, na BR 343, Km 302 e que um dos condutores envolvidos  havia evadido-se do local e estava dentro de um veículo Fiat Pálio de placa NIQ -8350 que vinha em direção a Teresina; que o referido veículo foi abordado pelo depoente PRF M NETO e dentro do veículo encontrava-se quatro ocupantes e perguntado se algum deles era condutor do veículo Hilux e que tinha se envolvido em um acidente com vítima, todos negaram; que foi solicitado a identificação  pessoal de todos os ocupantes, sendo que o individuo MARCELO MARTINS DE MOURA era o proprietário do veículo HILUX de placa OEG – 3479/PI, veículo este envolvido no acidente; que diante da comprovação da propriedade do veículo do Sr. MARCELO MARTINS DE MOURA além de ser proprietário era o condutor do veículo em questão no momento do acidente; que além do mesmo foi identificado o individuo LUCAS MARTINS DE MOURA irmão do causador do acidente que encontrava-se no veículo como passageiro no momento do aciente;, e que os outros dois indivíduos ocupantes do veículo Fiat Pálio, abordado naquela ocasião, identificados como sendo ANTIÊ DOUGLAS LOPES e um outro com o nome RAFAEL VINICIUS DE SOUSA PITTA afirmaram ter dado apenas uma carona aos dois irmão que se encontravam na beira da estrada afastados do local do acidente; que o condutor MARCELO MARTINS DE MOURA apresentava sinais visíveis de estar sob efeito de álcool; que foi solicitado do mesmo a realização do teste de alcolemia por meio do etilômetro, o que foi recusado..”

A primeira testemunha do flagrante, PRF Tony Carlos Mauriz Cavalcante, depois de confirmar o depoimento do condutor da prisão, asseverou:

“...que o acidente foi do tipo colisão frontal, em uma curva com faixas contínuas e que a HILUX no momento da colisão transitava na contra-mão e deu causa à colisão frontal, uma vez que o outro vêículo Fiat Siena, transitava em sua faixa normalmente...”

“...em conversa com o Sr. MARCELO MARTINS DE MOURA, condutor do veículo HILUX causador do acidente o mesmo relatou que estava no Pq. De Exposição Nina Alencar e retornava para Teresina, e que havia ingerido bebida alcoólica antes do momento do aciente; que juntamente com os PRFs M. NETO e JJORGE COSTA, conduziu o indivíduo MARCELO MARTINS DE MOURA para esta central para o procedimento legal pelos crimes de homicídio culposo ao volante de cinco pessoas, por não prestar socorro a vítima de acidente de trânsito e por não adotar providências após o acidente e não identificar-se aos policiais...”

Em resumo, os fatos que pesam contra o paciente, em tese, são: 1) Assumir a direção de veículo automotor após a ingestão de bebida alcoólica; 2) Dirigir pela contramão de direção, à noite e em faixa contínua (curva); 3) Colidir frontalmente contra veículo que transitava normalmente em sua mão de direção, causando a morte de cinco pessoas, dentre elas uma criança; 4) Deixar de prestar socorro, mesmo sendo médico; 5) fugir do local dos fatos; 6) Negar a autoridade policial sua condição de proprietário e condutor do veículo abalroador; 7) Se negar ao teste de alcolemia.

Interrogado pela autoridade policial, o paciente preferiu o silêncio a contar sua versão dos fatos.

A autoridade policial, segundo a nota de culpa, o indiciou pelos crimes dos arts. 302, 304 e 305 do CTB.

 Pelas novas regras do Código de Processo Penal (Art. 310), ao receber o auto de prisão em flagrante, o juiz deverá fundamentadamente: I - relaxar a prisão ilegal; ou II - converter a prisão em flagrante em preventiva, quando presentes os requisitos constantes do art. 312 deste Código, e se revelarem inadequadas ou insuficientes as medidas cautelares diversas da prisão; ou III - conceder liberdade provisória, com ou sem fiança.

No caso em exame, não vislumbro a possibilidade de o juiz relaxar (anular) o flagrante, pois ele atende a todas as formalidades intrínsecas e extrínsecas dos arts. 301 a 306 da lei processual própria. Aliás, isso nem foi objeto que questionamento pela defesa.

A liberdade provisória, com ou sem fiança, ou outras medidas cautelares, não serão concedidas quando presentes os motivos que autorizam a decretação da prisão preventiva (art. 324, IV c/c art. 312 do CPP).

Inobstante o delegado tenha classificado as condutas do acusado como delitos de trânsito, o acusado, como é cediço, se defende dos fatos e não da capitulação dada ao crime (STF, HC 106.172).

Leitura do auto de prisão em flagrante, a meu sentir, não autoriza concluir, com segurança exigida para o momento, que o paciente agiu apenas com culpa. Ainda não está afastada a hipótese de o Ministério Público, titular da ação penal, enxergar dolo eventual (previsibilidade do resultado) na conduta do paciente, vindo a denunciá-lo por cinco homicídios dolosos em concurso formal (Art. 121 c/c art. 18, I, parte final, do CP), tais como: assumir a direção de veículo automotor após a ingestão de bebida alcoólica, mesmo, como médico, tendo plena consciência dos riscos; dirigir pela contramão de direção, à noite e em faixa contínua (curva).

Assim, é precipitado se dizer que o paciente incidiu em homicídio culposo, na direção de veículo automotor, ou em homicídio doloso (dolo eventual), sendo o veículo um mero instrumento do crime.

Em tese, portanto, o pressuposto do Art. 313, I, do CPP, não está afastado.

Se ao cabo das investigações restarem indícios do dolo eventual, de modo a autorizar a instauração da ação penal pelos crimes de homicídio doloso, não tenho dúvida que as condutas do paciente: deixar de prestar socorro, mesmo sendo médico; fugindo do local do crime; e negando a autoridade policial sua condição de proprietário e condutor do veículo abalroador, somadas à própria gravidade concreta dos crimes (cinco vítimas de uma mesma família, uma delas criança), autorizam a prisão preventiva, seja para prevenir a efetiva aplicação da lei penal, seja como garantia da ordem pública (art. 312, do CPP).

 Em virtude do exposto, não vejo relevância no direito alegado – o direito à liberdade provisória, com ou sem fiança, ou a outra medida cautelar diversa -, sendo a custódia cautelar o paciente, no momento, até recomendada, daí porque, não ocorrente nenhuma das hipóteses do art. 648 do CPP, indefiro o pedido de liminar.

Comunique-se imediatamente esta decisão ao Juiz de Direito da Comarca de Altos -PI e encaminhe-se, no primeiro dia útil, este habeas corpus à regular distribuição.

Publique-se.

Teresina/PI, 09 de junho de 2012.
Desembargador ERIVAN LOPES - Plantonista

 

 

Uma ocorrência  gravíssima que chocou o Piauí inteiro neste final de semana ganhou repercussão nacional por todo este sábado, dia 9 de junho. O Jornal Nacional, da TV Globo, divulgou a informação e ainda exibiu o rosto, através de uma carteira de habilitação, do médico acusado de ter provocado o acidente que matou cinco pessoas.


O acidente ocorreu por volta das 3:50h da madrugada deste sábado em um trecho da BR-343, que liga a capital Teresina a cidade de Campo Maior (distante menos de 100km). Envolveu uma picape Hilux (placas OEG-3479) e um carro Siena, placa NHW-6185, e teria sido ocasionado por uma ultrapassagem indevida feita pelo condutor da Hilux. De acordo com o policial rodoviário federal Wellington Batista Rodrigues, quem ocasionou a tragédia foi Marcelo Martins Moura, de 26 anos.
 acidentealtoscampomaior0

Ele é médico e bastante conhecido em Teresina. Segundo testemunhas ele teria bebido, mas se recusou a fazer o teste do bafômetro depois que foi preso, momentos após o acidente. Autuado em flagrante, ele foi levado preso para um posto da PRF e deve responder por homicídio culposo (quando não há intenção de matar).



O acidente matou as cinco pessoas que estavam no Siena. Uma família inteira passou o sábado recebendo os pêsames, chorando durante o velório realizado por todo o dia na cidade de Jardim do Mulato, interior do estado, onde viviam as vítimas.acidentealtoscampomaior
 
 
Morreram no acidente Leodivan Pereira Lima, de 45 anos de idade; Bernadete Maria Lima, de 50 anos; Leonidas Pereira Lima, 50 anos; Rita Teixeira Soares Lima, 40 anos (estes dois últimos eram casados); e Lorena Soares, 3 anos (era filha deste casal). Rita era filha do ex- prefeito da cidade de Jardim do Mulato Jeronimo Soares.


Leodivan era motorista da ambulância da Prefeitura Municipal de Jardim do Mulato. Eles estariam em viagem para aproveitar o fim de semana no litoral do Ceará.


O médico Marcelo Martins Moura teria tentado uma ultrapassagem arriscada e, como não fez, colidiu com o Siena provocando a tragédia.






Da redação

procuradoUm crime chocou a cidade de Caxias, no Maranhão, que fica a 67 quilômetros de Teresina. O médico Edivaldo Daniel Filho, de 29 anos, foi morto na madrugada da última quinta-feira, 07, após se envolver em uma briga e ser atingido com quatro facadas, sendo duas nas costas e as outras na região do abdômen, o crime aconteceu durante o segundo dia do carnaval fora de época do município.



Logo após as investigações a polícia do Maranhão conseguiu identificar, Renan Manuel Reis de Sousa, suspeito de ter cometido o crime.



Segundo o superintendente de polícia do interior, Jair de Paiva Lima o estudante está foragido. Em entrevista a um portal de notícia do Maranhão, o superintendente de Polícia do Interior, Jair de Paiva Lima, informou que já foi decretada a prisão preventiva do suspeito de ter assassinado o médico Edvaldo Daniel. “Nós já sabemos quem é. Já temos o primeiro nome que é Renan e o apelido, que é ‘Curica’”, explicou.



A foto do suspeito esta no Disque Denúncia do Maranhão onde a polícia está sendo oferecida uma recompensa no valor de R$ 2 mi por informações do paradeiro de Renan, que está foragido. A polícia desconfia que ele possa está ainda na região de Caxias, no Maranhão, bem como na cidade de Teresina, no Piauí, que fica próximo a cidade.



Disque-Denúncia

Informações sobre o assassinato do médico Edvaldo Daniel Feitosa Filho podem ser repassadas ao Disque-Denúncia. Os telefones são 3223-5800 (capital) e 0300 313 5800 (interior). O denunciante não precisa se identificar.




Imirante.com

 


Desde o assalto na loja matriz das Óticas Floriano, crime ocorrido nessa tarde de sexta-feira, 8, que homens da Polícia Civil vem fazendo investigações, isso após terem consultado as imagens do circuito interno da empresa. 



Na ação criminosa os dois homens que chegaram de moto anunciaram o crime com armas em punho, dominaram as pessoas que assaltoticasfloestavam no local e em seguida saíram com destino ignorado sem deixar pistas (imagem). Ambos estavam sem o uso do capacete.
 
 

Nas buscas pelos criminosos os policiais avistaram um homem na região da Taboca, e esse quando viu a viatura se evadiu deixando para trás uma motocicleta modelo pop, cor preta, mas que estava pintada de vermelha, chassi e número do motor raspados.




O veículo foi apreendido e o caso do assalto a empresa de Joias vem sendo investigado pelo delegado titular da área do 2º Distrito Policial, advogado Jeyko Leal
 
 
 
 
Da redação