A goleada da Bélgica por 5 a 2 sobre a Tunísia pela segunda rodada do Grupo G da Copa do Mundo rendeu uma marca que não acontecia desde o fatídico 7 a 1 da Alemanha sobre o Brasil na semifinal do Mundial de 2014.

copa

Lukaku e Hazard anotaram dois gols cada um no triunfo deste sábado. A última vez que o fato havia ocorrido foi no dia 8 de julho de 2014, no Mineirão, quando Schürrle e Kroos anotaram dois tentos cada um.

O fato raro também foi conquistado outras três vezes no atual formato da Copa do Mundo: ainda em 2014, pela Holanda, e em 1998, por Brasil e Argentina.

No atropelo dos Países Baixos sobre a Espanha durante a última Copa, Van Persie e Robben fizeram dois gols cada. Já no Mundial vencido pelo França, a dupla Ronaldo e César Sampaio conquistou o feito diante do Chile. No mesmo ano de 1998, Ortega e Batistuta também alcançaram a marca diante da Jamaica.

Na oportunidade, Batistuta ainda foi além, anotando um hat-trick no triunfo por 5 a 0.

A queda durante a comemoração do gol marcado por Coutinho causou uma lesão no técnico Tite. Após o meia abrir o placar aos 45 do segundo tempo na vitória por 2 a 0 da Seleção Brasileira sobre a Costa Rica, o treinador saiu correndo para festejar com os jogadores, mas acabou enroscando-se com o goleiro reserva Ederson, caiu e levantou com a ajuda do próprio Ederson e de Cássio.

titi

Tite logo colocou a mão na coxa esquerda após levantar-se. De acordo com a assessoria de imprensa da CBF, a lesão do treinador não parece ser grave.

- Senti uma fisgada. Não é contratura. Como é quando rompe? Não consigo andar direito. No segundo tempo fiquei me perguntando: "Essa bola não vai entrar? Navas dando tapinha, bola na trave, 23 finalizações". E quando caí, o Éderson deu um toquinho, quando levantei, estava o Cássio. Eu ia comemorar com eles lá, mas não deu, tive que voltar - afirmou Tite, que chegou mancando à sala de imprensa para conceder a entrevista coletiva.

A Seleção Brasileira venceu a Costa Rica por 2 a 0, com os dois gols marcados nos minutos finais da partida. Com o resultado, a equipe chegou a quatro pontos na Copa do Mundo.

 

msn

suiçaAbandonando de vez a fama de retranqueira, a Suíça foi para o ataque nesta sexta-feira e conquistou suada vitória de virada sobre a Sérvia, por 2 a 1, em Kaliningrado. O resultado deixou embolado o Grupo E, com chances de classificação para as duas equipes e também para a seleção brasileira, que segue na primeira colocação.

omo aconteceu na estreia, contra o Brasil, a Suíça saiu atrás no placar. A Sérvia abriu o placar aos 4 minutos de um primeiro tempo marcado por certa cautela e poucas chances de gol. Mas, na etapa final, a Suíça foi para cima, deixou a retranca para trás e buscou o empate e a virada, com um gol heroico de Shaqiri aos 44 minutos.

O resultado manteve o Brasil na primeira colocação da chave, com os mesmos quatro pontos da Suíça, mas com saldo de gols superior. A Sérvia caiu para o terceiro lugar, com três. E a Costa Rica, ainda sem pontuar, já está eliminada. No embalo grupo, o Brasil só precisa de um empate na rodada final para assegurar vaga nas oitavas de final.

Os classificados da chave serão conhecidos na próxima quarta-feira. O Brasil vai duelar com a Sérvia, de olho também na primeira colocação do grupo, no Spartak Stadium, em Moscou. A Suíça enfrentará a Costa Rica em Nizhny Novgorod. Ambos os jogos serão disputados às 15 horas (horário de Brasília).

COMEÇO ARRASADOR DA SÉRVIA

Enquanto a Suíça entrou em campo nesta sexta com a mesma escalação que empatou com o Brasil na estreia, a Sérvia reforçou seu meio-campo com a entrada de Kostic. A mudança tinha uma meta clara: evitar os avanços da Suíça pela direita, os mesmos que assustaram a defesa brasileira no domingo passado.

Mas a preocupação dos sérvios com a defesa foi rapidamente ofuscada pelo seu próprio ataque. Logo aos 4 minutos, Tadic avançou pela direita, cruzou com precisão e Mitrovic cabeceou para as redes. Foi o 13º gol do atacante nos últimos 15 jogos.

O gol precoce acelerou e abriu rapidamente o jogo, uma vez que os suíços ficaram ainda mais pressionados, agora em busca da virada - um empate já não serviria para o time dos Alpes. A resposta, então, veio com um chute rasteiro de Dzemaili, aos 9, rente à trave esquerda do goleiro Stojkovic.

A Sérvia, porém, não abdicou de atacar após abrir vantagem. O lateral-direito Ivanovic (ex-Chelsea) era uma das principais armas ofensivas da equipe, quase sempre buscando Mitrovic na área. Aos 18, o atacante acertou bela bicicleta, para fora, a partir do passe do lateral.

E, logo, a Suíça já provava do próprio veneno, diante da boa defesa da Sérvia. Shaqiri, que levou perigo contra o Brasil, estava bem marcado justamente por Kostic. A melhor opção, então, era Dzemaili, responsável por duas boas chances suíças.

Diante da falta de maior perigo do ataque rival, a Sérvia passou a buscar mais o ataque nos minutos finais da etapa inicial. Tosic, de cabeça, aos 43, e Tadic, aos 45, desperdiçaram oportunidades claras de gol.

SEGUNDA ETAPA BRILHANTE DA SUÍÇA

O segundo tempo começou com a Sérvia no ataque, mantendo o ritmo do fim da etapa inicial. Mas foi a Suíça quem balançou as redes. Aos 7, a defesa sérvia permitiu a sobra pela esquerda e Xhaka chegou enchendo o pé. A bola estufou as redes e deixou tudo igual no placar.

Mais confiante, o time suíço partiu para o ataque e quase virou o marcador cinco minutos depois. Shaqiri acertou belo chute da direita e carimbou o travessão. Mais cautelosa, a Sérvia também teve chance para empatar. Mas o árbitro não assinalou pênalti claro sobre Mitrovic, aos 22 minutos.

Sem se assustar, a Suíça partiu para cima e deixou a retranca de lado. Diante de uma Sérvia um tanto perdida, diante da postura mais ofensiva do rival, os suíços encontraram brechas nos dois lados do ataque e o gol acabou saindo aos 44 minutos do segundo tempo. quando Shaqiri disparou pelo meio, conteve o marcador e bateu na saída do goleiro Stojkovic, cravando a virada suíça em Kaliningrado.

 

Agência Estado

Depois de um primeiro tempo sem muitas emoções, a Nigéria cresceu de produção na segunda etapa e através de Musa, que viveu tarde inspirada em Volgogrado ao marcar duas vezes, garantiu seu primeiro triunfo na Copa do Mundo, por 2 a 0. Os islandeses ainda tiveram a chance de esboçar uma reação na reta final da partida, quando o árbitro assinalou pênalti com ajuda do recurso de vídeo, mas Sigurdsson desperdiçou a oportunidade.

Dos resultados possíveis para o duelo, esse é o melhor para a Argentina, que precisará vencer os nigerianos na última rodada e torcer para os islandeses não derrotarem a já classificada Croácia para avançar. A Nigéria, por sua vez, pode se classificar às oitavas com apenas um empate. Já a Islândia só jogará a próxima fase se vencer por um bom placar e superar argentinos ou nigerianos no saldo de gols.

Na rodada que fecha o Grupo D, os nigerianos enfrentam os argentinos, em São Petersburgo. Enquanto a seleção islandesa joga contra os croatas, que devem entrar no gramado de Rostov com o time reserva. As duas partidas estão programadas para às 15h (de Brasília) da terça-feira.

Islândia começa melhor, mas Nigéria equilibra o duelo

Os islandeses começaram intensos e pressionaram nos primeiros minutos de jogo. O craque do time, Sigurdsson, parou no goleiro adversário em duas oportunidades. Na primeira, cobrou falta para Uzoho espalmar. Em seguida, recebeu bola na entrada da área e bateu de primeira, mas o arremate saiu fraco e no meio do gol, facilitando a intervenção.

Passados os momentos de pressão da Islândia, a Nigéria equilibrou a partida e incomodava no lado direito do campo, com Moses. Principal nome da equipe, o ala tinha carta branca para ir ao ataque, já que Rohr Gernot, treinador dos nigerianos, armou a defesa com uma linha de três jogadores. No entanto, as infiltrações e os cruzamentos pelo setor eram facilmente cortadas pela dupla de zaga islandesa.

Na reta final da primeira etapa, os islandeses retomaram o controle do duelo e aproveitaram os lados do campo para criar boas jogadas, através de Bjarnason e Saevarsson, mas faltou a presença de um centroavante na área para empurrar a bola às redes.

Musa marca dois e dá o triunfo aos nigerianos

Se em todo o primeiro tempo os nigerianos não finalizaram uma vez sequer no gol, Musa tratou de mudar isso logo aos três minutos da etapa final. Após cobrança de escanteio da Islândia, Moses puxou contra-ataque pela direita e cruzou para o camisa 7, que dominou e chutou forte para balançar as redes, abrindo o placar para os nigerianos.

Após sair na frente, a seleção africana ganhou confiança, enquanto a Islândia sentiu o golpe. Aos 11, Ndidi arriscou de longe, contou com desvio na zaga e obrigou Halldorsson a fazer boa defesa. Mais tarde, Moses avançou e, já dentro da área, arrematou por cima da meta. A resposta dos europeus veio com Gislason, que fez jogada individual e arrematou a direita da meta.

A Nigéria cresceu muito de produção no segundo tempo e envolvia o adversário com um toque de bola rápido e eficiente. Aos 29, Musa recebeu na esquerda, passou como quis pela marcação, driblou o goleiro e ampliou a vantagem de sua seleção.

Os islandeses ainda tiveram a oportunidade de esboçar uma reação nos minutos finais da partida, quando tiveram um pênalti assinalado pelo árbitro com ajuda do recurso de vídeo. No entanto, Sigurdsson desperdiçou a oportunidade ao bater por cima da meta. Com isso, vitória e festa dos nigerianos em Volgogrado.

 

gazeta

sdsdsdsds