golcontrCom um gol contra aos 49 minutos do segundo tempo, o Irã venceu Marrocos por 1 a 0 nesta sexta-feira na Arena Zenit, em São Petersburgo, pela rodada inaugural do Grupo B da Copa do Mundo. O duelo caminhava para um diplomático e sonolento empate sem gols, quando, após cobrança de escanteio, Bouhaddouz desviou contra a própria meta.

A seleção iraniana comemorou como se fosse título a dramática vitória, a segunda em Mundiais. O outro triunfo aconteceu em 1998, com o placar de 2 a 1 sobre os Estados Unidos. Os marroquinos não acreditavam no que estava acontecendo. O gol ao menos acordou os torcedores que compareceu em bom número no estádio mais caro da Copa - custou cerca de R$ 2,3 bilhões.

Os 90 minutos antes de sair o gol foram duros de assistir. O jogo esquentou um pouco no segundo tempo no quesito jogadas violentas. Houve um princípio de confusão, quando o marroquino Ziyech e o iraniano Hajsafi ficaram se encarando. Pouco depois, o iraniano Amrabat foi a nocaute após choque de cabeça e precisou ser substituído. Do outro lado, o iraniano Omid teve as chuteiras do adversário marcadas em sua barriga em disputa de bola.

Vale lembrar que os países, fora de campo, romperam relações há pouco mais de um mês. Os marroquinos, muçulmanos de maioria sunita, acusam os iranianos, muçulmanos de maioria xiita, de terem facilitado a venda e remessa de armas para a frente Polisário, grupo político que busca a independência do Saara Ocidental - a região fica dentro do Marrocos.

BAIXO NÍVEL

As equipes mostraram que em comum mesmo está a falta de intimidade com a bola. Marrocos começou melhor a partida e chegou a ter 80% de posse nos dez minutos iniciais. A seleção iraniana se fechou atrás e contou também com a falta de qualidade técnica do adversário para não levar gols.

Logo aos dois minutos, o marroquino Ziyech deu uma bela furada dando indício do que viria por aí. A bola veio rolando de uma cobrança de escanteio e ele, livre, foi todo confiante, mas chutou o vento e caiu.

O zagueiro Benatia, da Juventus, principal estrela da seleção marroquina teve grande oportunidade após bate-rebate na área, mas chutou em cima do goleiro Beiravand. A partir daí, a seleção do Irã conseguiu equilibrar a partida e criou grande oportunidade no minuto final.

Em rápido contra-ataque, Azmoun avançou, se enrolou um pouco ao invadir a área e bateu rasteiro para defesa de El Kajoui. Azmoun é o principal jogador da equipe. Tem 23 anos é chamado por seus torcedores de "Messi iraniano".

GOL CONTRA NOS ACRÉSCIMOS

No segundo tempo, de um lado, o marroquino Harit finalizou de canela e quase mandou a bola para a lateral. Do outro, o iraniano Karim errou completamente um lançamento da intermediária e mandou direto para linha de fundo.

A partida ficou truncada. Houve o choque de cabeça do iraniano Amrabat. Na sequência, Omid ficou no gramado após ter as travas da chuteira do adversário cravadas em sua barriga. Lance para empolgar o torcedor veio somente aos 34 minutos. Ziyech mandou a bomba de fora da área, e o goleiro iraniano espalmou para escanteio.

Nos acréscimos, após cobrança de escanteio do lado esquerdo, Bouhaddouz apareceu na primeira trave e desviou de cabeça para as redes. As duas equipes voltam a campo na próxima quarta-feira. Marrocos jogará contra Portugal, às 9h (de Brasília), em Moscou e o Irã enfrentará a Espanha, às 15h, em Kazan.

 

Agência Estado

cronaldoO atacante Cristiano Ronaldo foi o grande nome de Portugal no histórico empate por 3 a 3 no clássico ibérico com a Espanha, válido pela primeira rodada do Grupo B da Copa do Mundo, nesta sexta-feira (15), no estádio Fisht, em Sochi, na Rússia.

O CR7 converteu o pênalti que havia sofrido no primeiro minuto do duelo em uma jogada com Nacho e marcou o segundo gol de Portugal. No fim do segundo tempo, o atacante cobrou uma falta com maestria e garantiu o empate. De quebra, o CR7 também se tornou artilheiro do Mundial.

A Espanha tinha no banco de reservas Fernando Hierro, que assumiu o comando técnico do time após a demissão de Julen Lopetegui, demitido depois de ser anunciado como novo treinador do Real Madrid. O time manteve o tradicional toque de bola que caracteriza o futebol da seleção espanhola, mas foi batido pela objetividade de Portugal, o talento de Cristiano Ronaldo e uma falha individual do goleiro De Gea.

Com o empate, a chave é liderada pelo Irã, que bateu Marrocos por 1 a 0 com um gol contra aos 50 minutos do segundo tempo, nesta quinta, em Kazan. Os iranianos têm três pontos, portugueses e espanhóis têm um e o Marrocos está na lanterna.

Espanha perigosa, Portugal letal

Logo no primeiro minuto de jogo, Ronaldo partiu para cima da defesa espanhola, pedalou na frente do lateral Nacho e foi derrubado no bico esquerdo da área. O árbitro italiano Gianluca Rocchi marcou o pênalti sem hesitar. O astro português foi para a cobrança e tocou no canto esquerdo alto do goleiro De Gea, que pulou para o lado oposto: 1 a 0.

Cristiano Ronaldo se tornou o quarto jogador a marcar gols em quatro Copas do Mundo, ao lado dos alemães Uwe Seeler, Miroslav Klose e do brasileiro Pelé. O português também balançou as redes nos Mundias de 2006, 2010 e 2014.

O time espanhol teve a primeira jogada de ataque aos 10 minutos, quando David Silva dominou na entrada da área e soltou a bomba. Mas, a bola subiu demais.

Nos primeiros 20 minutos, o time espanhol buscava permanecer com a bola, ter o domínio dos passes, mas não conseguia chegar muito perto do gol de Rui Patricio.

Já Portugal buscava os contra-ataques, era mais vertical e criava mais situações de perigo. Como aos 22 minutos, quando Cristiano Ronaldo arrancou pela esquerda e tocou para Goncalo Guedes que corria pelo meio. Mas o atacante perdeu o domínio e desperdiçou a chance de fazer 2 a 0.

E o castigo veio na jogada seguinte. Aos 24 minutos, a bola foi tocada para o atacante Diego Costa. O brasileiro naturalizado espanhol dividiu de cabeça com o zagueiro Pepe, ganhou a disputa e enganou dois outros portugueses para bater cruzado e vencer Rui Patricio. Era o empate da Espanha.

Os portugueses reclamaram de uma cotovelada de Diego Costa em Pepe. O italiano Gianluca Rocchi conversou com auxiliares no rádio, mas não solicitou o recurso do árbitro de vídeo e validou o lance.

Depois do empate, a Espanha passou a pressionar mais os portugueses, que se encolheram e passaram a jogar apenas na defesa.

Os espanhóis quase viraram o placar aos 35 minutos em uma ótima troca de passes que culminou na finalização de Iniesta. O meio-campista bateu cruzado e a bola passou raspando a trave esquerda de Rui Patricio.

Antes do fim da primeira etapa, aos 42, Cristiano Ronaldo fez o segundo gol português em um falha grotesca do goleiro espanhol. O CR7 chutou forte, mas no meio do gol, De Gea tentou parar a bola no chão, mas não foi com as mãos firmes e tomou um frango histórico.

Segundo tempo

Os espanhóis não se abateram com a desvantagem e voltaram para o segundo tempo dispostos a recuperar o prejuízo no placar. Aos 11 minutos, Sergio Busquets escorou de cabeça para o meio da área e Diego Costa completou para as redes.

Dois minutos mais tarde, a Espanha desceu novamente e Nacho, que havia cometido o pênalti sobre Cristiano Ronaldo, acertou um belíssimo chute no canto direito de Rui Patricio, que não teve a menor chance de defesa: 3 a 2.

Após sofrer o revés, a seleção portuguesa buscou o ataque e deu ainda mais espaço para o toque de bola da Espanha. Aos 24 minutos, o técnico Hierro trocou o ídolo Andrés Iniesta pelo meio-campista Thiago Alcântara, filho do brasileiro Mazinho, ex-jogador de Palmeiras, Vasco e tetracampeão mundial com o Brasil, em 1994.

Pouco depois, foi a vez de Diego Costa deixar o gramado sob aplausos para a entrada do atacante Aspas.

Aos 33 minutos, a zaga da Espanha falhou novamente e Cristiano Ronaldo quase empatou a partida novamente. O português se antecipou a dois defensores e o goleiro De Gea, que saiu mal, e tentou tocar por cobertura, mas a bola foi desviada. No fim, o árbitro assinalou falta de Ronaldo na jogada.

Mas o melhor jogador do mundo não deixaria a sua seleção ser derrotada na estreia do Mundial. Aos 43 minutos, Cristiano Ronaldo cobrou com perfeição uma falta frontal ao gol de De Gea e igualou o placar novamente: 3 a 3.

Próximo jogo

Na segunda rodada da Copa, Portugal enfrentará Marrocos, no dia 20, às 9 horas (horário de Brasília), em Moscou. No mesmo dia, às 15 horas, a Espanha terá pela frente o Irã, em Kazan.

Ficha técnica

15/6 – Estádio Fisht (Sochi)

PORTUGAL 3 X 3 ESPANHA

Árbitro: Gianluca Rocchi (Itália); Gols: Cristian Ronaldo, aos 4 minutos, Diego Costa, aos 24 minutos, Cristiano Ronaldo, aos 43 do 1º tempo; Diego Costa, aos 9 minutos, Nacho, aos 12 minutos, e Cristiano Ronaldo, aos 42 minutos do 2º tempo. Cartões amarelos: Sergio Busquets (Espanha), Bruno Fernandes (Portugal).

PORTUGAL: Rui Patricio, Cédric, Pepe, Fonte e Raphael; William e João Moutinho; Bernardo (Quaresma, aos 23 minutos do 2º tempo), Goncalo Guedes (André Silva, aos 34 do 2º tempo) e Bruno Fernandes (João Mário, aos 22 do 2º tempo); Cristiano Ronaldo. Técnico: Fernando Santos.

ESPANHA: De Gea; Nacho, Piqué, Sergio Ramos e Jordi Alba; Koke e Sergio Busquets; David Silva (Lucas Vázquez, aos 40 do 2º tempo), Isco e Iniesta (Thiago Alcântara, aos 24 minutos do 2º tempo); Diego Costa (Aspas, aos 31 minutos do 2º tempo). Técnico: Fernando Hierro.

 

R7

Carlos Barria/Reuters

O início da Copa do Mundo, na quinta-feira, acelerou a contagem regressiva para a estreia do Brasil, no domingo, em Rostov-on-Don, diante da Suíça. A partida será disputada no 28º dia desde a apresentação do grupo de jogadores convocados por Tite, em preparação iniciada em Teresópolis (RJ), na Granja Comary, em 21 de maio.

willian

Desde então, a seleção brasileira passou por Londres, além de Liverpool, onde venceu a Croácia por 2 a 0, e Viena, onde derrotou a Áustria por 3 a 0, até chegar a Sochi, palco final da preparação do Brasil para a Copa. E o meia-atacante Willian exaltou o trabalho que vem sendo realizando pela equipe na preparação para o torneio na Rússia.

"Estamos prontos para estrear no domingo, temos trabalhado muito bem nas últimas semanas e o que a gente mais deseja é começar muito bem e com uma grande vitória", afirmou Willian, em entrevista à CBF TV. O jogador do Chelsea está em sua segunda Copa do Mundo, mas na anterior, a de 2014, no Brasil, só foi titular na derrota por 3 a 0 para a Holanda, na disputa do terceiro lugar.

TODO MUNDO DE OLHO

Enquanto os olhos do mundo do futebol se voltavam ao Estádio Luzhniki na última quinta-feira, onde a Rússia abriu a Copa do Mundo com uma expressiva vitória por 5 a 0 sobre a Arábia Saudita, a seleção brasileira treinava em Sochi para encarar a Suíça, com um treino coletivo em campo reduzido, fechado à imprensa.

A situação foi encarada com naturalidade por Willian. Ele também assegurou que depois acompanharia os lances da expressiva goleada dos donos da casa.

"É um privilégio poder estar aqui para mais uma Copa do Mundo com a seleção brasileira. Infelizmente não vimos o jogo de abertura por um motivo muito bom que é o treino. Vamos conseguir ver a reprise da abertura depois. É muito bom estar aqui, celebrar esse momento", concluiu o titular de Tite.

 

Agência Estado

Foi no sufoco, sofrido, mas o Uruguai largou com vitória na Copa do Mundo de 2018. Mesmo com o craque Salah poupado pelo Egito, a seleção celeste encontrou muita dificuldade ao longo do jogo para chegar ao gol. Suárez perdeu três grandes chances, o time esbarrou na ótima atuação do goleiro El Shenawy, mas José Giménez, de cabeça, garantiu a vitória aos 44 minutos do segundo tempo. Alívio com a vitória, que deixa os uruguaios em boa condição para buscar a classificação à segunda fase.uru

CRAQUE NO BANCO

Ovacionado pelo público na entrada da equipe para o aquecimento, Mohamed Salah acabou ficando no banco de reservas durante os 90 minutos da partida contra o Uruguai. Voltando de lesão, o atacante do Liverpool foi poupado pelo técnico Héctor Cúper de olho na sequência da Copa do Mundo.

Salah no banco de reservas

SUÁREZ FICA NO "QUASE"

Quem teve as melhores chances do Uruguai ao longo do jogo foi Luis Suárez. No primeiro tempo, o atacante chutou para fora uma bola na pequena área. Na segunda etapa, foram dois lances cara a cara com o goleiro desperdiçados. Quase que a má atuação do jogador do Barcelona custa caro à equipe celeste.

FIM DO JEJUM

Desde 1970, o Uruguai não vencia na partida de estreia de uma Copa do Mundo. Até aqui foram seis mundiais (1974, 1986, 1990, 2002, 2010 e 2014) disputados sem conseguir um triunfo no primeiro jogo. O gol de José Giménez contra o Egito colocou fim à "maldição" celeste.

MELHOR EM CAMPO - EL SHENAWY (EGITO)

Apesar da derrota, El Shenawy foi o grande nome do jogo. O goleiro egípcio fez ao menos três grandes defesas - duas em lances com Suárez e outra em chute de Cavani - e garantia o placar em branco até os 44 do segundo tempo. Por isso, a Fifa elegeu o arqueiro o melhor em campo na partida.

 

Globoesporte

Foto: REUTERS/Andrew Couldridge

sdsdsdsds