cucaO São Paulo anunciou nesta quinta-feira, dia seguinte à eliminação diante do Talleres (ARG) na fase preliminar da Libertadores, que acertou com Cuca para substituir André Jardine como treinador. Ele assinou contrato válido até o fim de 2020 e trará com ele o irmão e auxiliar, Cuquinha.
Como Cuca passou por uma cirurgia cardíaca no fim do ano passado e precisa de um período de repouso por recomendação médica, o coordenador Vagner Mancini assumirá interinamente. De acordo com o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, o próprio Cuca colocou o dia 15 de abril como prazo para assumir.

- Conversamos bastante e foi unânime que o melhor nome é o do Cuca. Cuca vai ser o novo treinador do São Paulo. Ele se mostrou motivado para participar desse desafio. Ele está com um problema médico que deve se resolver em alguns meses e por isso não poderá assumir agora. O próprio Cuca sugeriu: por que não o Mancini ficar nesse período? Enquanto ele não estiver apto, 100% para o trabalho, o Mancini será o treinador. O Mancini se dispôs a cobrir esse período e depois volta a ser coordenador técnico do São Paulo - disse o diretor de futebol do Tricolor, Raí.

- Ele estabeleceu prazo de 15 de abril para se efetivar, perto da final do Paulista. Por indicação dele, Mancini será o responsável pela condução técnica do São Paulo, como seu principal elemento. Sem prejuízo da presença efetiva e constante. Ele será visto aqui nesses próximos dias por todos nós. Pode ter sido precipitada diante do ângulo do fato, mas não imaginávamos que fosse. Hoje temos humildade de reconhecer que não deu certo. Responsabilidade de assumir, rever e restabelecer a condição do São Paulo - emendou o presidente Leco, explicando que o novo treinador assumirá apenas ao fim do Campeonato Paulista, na segunda quinzena de abril.

André Jardine, por sua vez, ganhou alguns dias de descanso. Ele aceitou continuar no clube, agora em uma nova função que ainda será definida. Provavelmente terá relação com a base.

- A gente chegou à conclusão de que tem de ter mudança de rumo. Jardine deixa o comando técnico hoje. Ele continua no São Paulo. Vamos dar um tempo de descanso para ele. Trabalhou bastante no fim do ano, no começo deste. Depois desse período a gente vai definir qual a melhor função, em que situação ele se sentirá bem. Logo que tomamos essa decisão, ele aceitou prontamente continuar no clube. Sente-se muito orgulhoso de fazer parte do São Paulo - emendou Raí.

  • Não foram só os resultados. O jogo não estava rendendo, a produção não estava acontecendo. Ele assume a responsabilidade, mas a responsabilidade maior é minha. Foi algo que a gente acreditou e que nesse momento não funcionou. Mas tenho certeza que o Jardine ainda terá muito êxito na carreira, aqui e em qualquer outro lugar - finalizou o dirigente.

Lançe

Foto: divulgação

vascooOs torcedores do Vasco tem motivos para sorrir neste início de temporada. Após vencer o Resende de maneira soberana por 3 a 0 e se classificar para a decisão da Taça Guanabara com 100% de aproveitamento, melhor ataque e melhor defesa, a equipe comandada por Alberto Valentim surpreende.

Se o final de 2018 foi sob fortes emoções, garantindo a sua permanência na Série A do Brasileirão apenas na última rodada, quando empatou com o Ceará em 0 a 0 e terminou a competição na 16º colocação, só uma à frente da zona de rebaixamento, o treinador encerrou o ano esperando que 2019 fosse melhor. E até aqui está sendo.

Apesar de não ter brilhado no mercado em busca de reforços, o Vasco vem fazendo um bom início de ano, ao menos em termos de resultados, já que está invicto. No entanto, nem tudo são flores e a Copa do Brasil serviu de alerta.

 

esportesyahoo

O empate sem gols com o Talleres, na noite da última quarta-feira, no Morumbi, causou a 20ª eliminação do São Paulo desde seu último título, a conquista da Copa Sul-Americana de 2012. Como o time argentino havia vencido o jogo de ida por 2 a 0, o Tricolor caiu precocemente na segunda fase da Pré-Libertadores.

A primeira dessas 20 eliminações ocorreu em 2013. Nas semifinais do Campeonato Paulista, no Morumbi, o São Paulo perdeu para o Corinthians por 4 a 3 nos pênaltis após empate por 0 a 0 no tempo normal. Na ocasião, Alexandre Pato ainda era jogador do clube de Parque São Jorge.

O arquirrival, aliás, é o maior algoz do Tricolor nesse período. São quatro eliminações para o Corinthians nos últimos seis anos, sendo três pelo Estadual (2013, 2017 e 2018) e uma pela Recopa Sul-Americana (2013).
A agremiação do Morumbi também tem retrospecto negativo contra Santos, Cruzeiro e Atlético Nacional-COL desde 2013. São duas quedas para cada um desses clubes.

Ainda há eliminações tratadas como vexames pela torcida, como as sofridas diante de clubes menores, como Penapolense, Bragantino, Ponte Preta, Grêmio Osasco Audax e Juventude, além dos argentinos Defensa y Justicia e Colón.

Seja como for, a queda para o Talleres aumenta consideravelmente a crise no Morumbi e faz crescer a pressão sobre o técnico André Jardine, que está balançando no cargo. Neste cenário, o São Paulo tenta juntar os cacos para o clássico contra o Corinthians, no próximo domingo, em Itaquera, pelo Paulistão.
Veja as eliminações do São Paulo desde 2013:
2019: Talleres-ARG (segunda fase da Pré-Libertadores)
2018: Colón-ARG (segunda fase da Copa Sul-Americana)
2018: Atlético-PR (quarta fase da Copa do Brasil)
2018: Corinthians (semifinais do Campeonato Paulista)
2017: Cruzeiro (quarta fase da Copa do Brasil)
2017: Defensa y Justicia-ARG (primeira fase da Copa Sul-Americana)
2017: Corinthians (semifinais do Campeonato Paulista)
2016: Juventude (oitavas de final da Copa do Brasil)
2016: Atlético Nacional-COL (semifinais da Copa Libertadores)
2016: Audax (quartas de final do Paulistão)
2015: Santos (semifinais da Copa do Brasil)
2015: Cruzeiro (oitavas de final da Copa Libertadores)
2015: Santos (semifinais do Campeonato Paulista)
2014: Atlético Nacional-COL (semifinais da Copa Sul-Americana)
2014: Bragantino (terceira fase da Copa do Brasil)
2014: Penapolense (quartas de final do Campeonato Paulista)
2013: Ponte Preta (semifinais da Copa Sul-Americana)
2013: Corinthians (final da Recopa Sul-Americana)
2013: Atlético-MG (oitavas de final da Copa Libertadores)
2013: Corinthians (semifinais do Campeonato Paulista)

 

gazetaesportiva

vascflaA atitude do presidente do Conselho Deliberativo, Roberto Monteiro, condenando a homenagem feita ao Flamengo, devida o incêndio que culminou com a morte de dez jogadores da base, mostrou o péssimo ambiente dentro da própria diretoria do Vasco da Gama. Em meio ao sofrimento, o mandatário resolveu atacar Alexandre Campello.


“Alexandre Campello, na tentativa desesperada de atrair holofotes, conspurcou o que temos de mais sagrado: nossa camisa. Demagogia barata, que atenta contra as tradições vascaínas, fere o estatuto do clube e ajuda o grande responsável pela tragédia a assumir o papel de vítima”, postou Monteiro, em suas redes sociais.


Em homenagem às vítimas, o Vasco colocou uma bandeira do Flamengo em seu uniforme. Dentro do clube, há quem viu tal atitude como motivo para um impeachment. Entre os torcedores, o gesto foi bem visto e muito elogiado.


O Flamengo foi outro que apoio a atitude do Vasco da Gama. O Mengão agradeceu “de verdade” pela homenagem na vitória por 3 a 0 diante do Resende, pela semifinal da Taça Guanabara.

ALBERTO VALENTIM
“Homenagem maravilhosa que a diretoria fez. Sabemos da rivalidade desses clubes, mas precisamos esquecer isso pela tragédia da semana passada”, disse o técnico Alberto Valentim.

 

futebolinterior