riopotyUm homem identificado como José Bernardino de Oliveira, 71 anos, teve o corpo resgatado do Rio Poti, próximo ao cruzamento da Avenida Cajuína com a Avenida dos Ipês, na zona Leste de Teresina. Ele estava pescando quando foi tragado por uma galeria na manhã do domingo (07).

Após mais de 24 horas de buscas, os bombeiros conseguiram encontrar o corpo de Bernardino por volta de 7:15h, desta segunda-feira, 08. A vítima estava presa a vegetação. Ele entrou no rio para tentar soltar a tarrafa com a qual pescava e desapareceu nas águas.

Desde as primeiras horas da manhã, dezenas de pessoas se aglomeravam para acompanhar o resgate.  Bernardino deixa a mulher e dois filhos.

 

cv

Foto: Clebson Lustosa/ TV Cidade Verde

Os profissionais que atuam na área do jornalismo, em Floriano, estão sendo parabenizados por lideranças politicas e de órgãos locais.

O vereador Antonio José Barbosa enviou a seguinte mensagem ao Portal Piaui Noticias.

antonio34

Quem tambem enviou mensagem ao Portal foi o comando da PRF, Regional de Floriano.

prfflo

Obrigado! Agradecem os colaboradores que atuam na área.

Da redação

 

Durante a enxurrada que atingiu casas no Parque Rodoviário, zona sul da capital, na noite dessa quinta-feira, 04, um taxista e sua família estão entre as dezenas de pessoas que viveram momentos de terror. Pelo menos onze pessoas ficaram feridas, e duas morreram - uma idosa de 71 anos e uma criança de 2.

O taxista Agnelo Mendes Frazão, que mora no Parque Rodoviário há 10 anos, relata que o temporal ocorreu por volta das 21 horas. Ele estava com a esposa e com a filha em casa quando a onda de lama entrou de uma vez no imóvel.

agneloA água começou a entrar pelo teto e em poucos segundos já havia tomado todo o imóvel, derrubando parte das paredes. Ele morava em frente à casa de Maria das Graças Bacelar, 71 anos, uma das duas vítimas que morreu. A residência da idosa foi completamente destruída.

Agnelo relata que só conseguiu sobreviver com sua família porque ele segurou no telhado da casa, e o nível da água não demorou a baixar, depois de ter tragado todo o imóvel.

Além de destruir a propriedade do taxista, a enxurrada carregou sua motocicleta por uma distância de aproximadamente 50 metros, e também arrastou o carro de Agnelo, modelo Renault Logan, que era seu instrumento de trabalho. A força da onda de lama foi tamanha que o veículo, que estava na garagem, na entrada da residência, foi parar na parte de trás do imóvel.

“A água subiu de uma vez. Na hora pensei que fosse o rio que estivesse invadindo tudo, porque faltou luz e era muita lama. A água entrou pelo teto da nossa casa e empurrou tudo para cima, depois arrebentou as portas e janelas e levou tudo. Quando a água subiu nós fomos empurrados em direção ao teto, eu consegui me segurar nas madeiras e agarrei minha esposa e minha filha. Foi desesperador, não tinha luz, tudo no escuro total. A água baixou logo e conseguimos escapar. Graças a Deus, porque não iriamos aguentar por muito tempo pendurados”, disse.

Além de ter que enfrentar o suplício de perder sua moradia e ter os dois veículos danificados, Agnelo revela que parte dos seus bens foram saqueados.taxista

“O meu táxi, que estava estacionado aqui na frente, foi jogado lá pra trás. A minha moto foi arrastada por um quarteirão. Retirei todos os adesivos do táxi, pois havia colocado à venda, para comprar outro veículo com a prestação mais barata. Agora, desse jeito que está, vai ficar difícil vender [...] Ontem depois que as águas baixaram separei um bocado de coisas, quando cheguei hoje de manhã não tinha mais nada. Levaram tudo, até a minha televisão", lamenta o taxista.

O morador afirma que a área era considerada segura e não tinha histórico de alagamentos. Como a água da enxurrada foi proveniente de uma lagoa que se formou dentro de uma propriedade privada, nem os moradores nem as autoridades tinham conhecimento da situação de alto risco da área.

“Antes de comprar minha casa, há cerca de 10 anos, eu fiz uma pesquisa com os moradores da região. Perguntei se aqui tinha alagamento no período chuvoso e as pessoas disseram que não. Eu comprei confiante, nunca houve nestes 10 anos em que estou aqui, e nem nos 30 anos pra cá, conforme fui informado pelos moradores mais antigos. O pessoal que vivia aqui sempre falava que aqui era seguro”, afirmou o taxista.

 

portalodia

Foto Cicero Portela/odia Poliana Oliveira